Vice-presidente da CBF goza com Abel Ferreira: «Quem mandou ganhar tudo?»

Dirigente do órgão que rege o futebol brasileiro reage às críticas do treinador do Palmeiras ao calendário apertado

• Foto: Reuters

O vice-presidente da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), Elias Noveletto, gozou com as queixas de Abel Ferreira sobre o apertado calendário do Palmeiras, dizendo que a culpa é do clube de São Paulo, por ter conquistado recentemente vários títulos e sugerindo que o emblema canarinho abdique de lutar por algumas competições...

"Vê se o presidente do Palmeiras, se algum dirigente abre mão... Ele não é obrigado a jogar. Ele quer ganhar! Ele pode abrir mão, não é obrigado. Mas não, precisa de fazer um encaixe, ganhar o prémio da CBF, ganhar o prémio de quem patrocina os campeonatos...", atirou o dirigente do organismo que rege o futebol brasileiro. 

"Vão pagar 60 milhões de reais (9,2 milhões de euros) para o campeão do nacional. Pagaram, sei lá, R$ 90 milhões (13,8 M€) para a Copa do Brasil. A Libertadores é mais 20 milhões de dólares (16,5 M€). Eles não são obrigados. Quem lhes mandou ganhar? Ganhem só metade, para não terem esse problema", concluiu Noveletto. 

As críticas de Abel Ferreira ao calendário surgiram há três dias, após a derrota com o Coritiba. "Ficámos de fora da disputa do Brasileirão por várias razões. O calendário é extremamente apertado para nós continuarmos a ser competitivos no campeonato. Já é segunda vez que jogamos, recuperamos e jogamos no dia seguinte outra vez. Volto a dizer, isso não existe em lugar nenhum, só no Brasil", disparou o treinador português. No total, refira-se, o Palmeiras fará 79 jogos esta temporada, o máximo possível.

Por Record
3
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Brasil

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.