Coronavírus: Sindicato dos futebolistas italianos diz ser "prematuro" cortar salários

Itália é o país com maior número de mortos infetados pelo novo coronavírus, com 5.476 pessoas

O presidente do Sindicato de futebolistas de Itália, Damiano Tommasi, considerou esta segunda-feira ser "prematuro" falar de redução salarial aos futebolistas e que se deve, antes, quantificar os prejuízos económicos.

"É uma questão sobre a qual falaremos quando chegar o momento, não agora. Agora falamos se os campeonatos podem terminar e ainda não quantificámos os prejuízos financeiros", adiantou Tommasi.

O dirigente sindical lembrou que a situação atual é excecional em todo o mundo e não só no futebol ou no desporto em geral.

"O que podemos fazer é estar preparados e considerar todas as hipóteses, sem prejuízos ou interesses pessoais", justificou, defendendo que todos os setores devem estar alinhados perante a crise sanitária que se vive.

A Itália é o país com maior número de mortos infetados pelo novo coronavírus, com 5.476 pessoas, e o segundo país, a seguir à China, com maior número de casos registados, com a infeção de cerca de 59.000 pessoas.

"De momento não é possível saber se, e quando, se poderá retomar a atividade desportiva e terminar a época. Há várias hipóteses e todas plausíveis", disse ainda.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Itália

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.