Fábio Magalhães: «Ganhar jogo a jogo, a começar com a Islândia»

Mundial para a seleção portuguesa quinta-feira

O lateral Fábio Magalhães reconheceu esta quarta-feira que as expectativas "são elevadas" para o Mundial 2021 de andebol e que a seleção está "motivada" e sintonizada no objetivo de "ganhar jogo a jogo, a começar na quinta-feira, com a Islândia".

"Vimos de uma derrota com a Islândia, mas também ganhámos em casa. Agora é completamente diferente, por isso temos que nos preparar da melhor maneira e estarmos prontos para este jogo", disse Fábio Magalhães, o jogador português mais internacional.

Fábio Magalhães considerou o jogo de estreia no Mundial, com a Islândia, uma espécie de tira-teimas, dado que é o terceiro entre ambas as seleções no espaço de uma semana, mas completamente diferente dos outros dois, referentes à qualificação para o Euro2022.

Ainda em relação à derrota de domingo, em Reiquiavique (32-23), que não compromete a qualificação, Fábio Magalhães reconheceu que "o que tem de ser diferente é a segunda parte e os últimos cinco minutos da primeira", em que Portugal perdeu o controlo do jogo.

"Os primeiros 25 minutos foram extraordinários, estávamos com uma defesa muito forte, com uma entreajuda incrível e estávamos a fazer um jogo muito bom, mas depois tivemos uma quebra enorme e eles passaram-nos por cima", reconheceu.

Para quinta-feira, no Cairo, e novamente frente à Islândia, Fábio Magalhães considera fundamental iniciar a prova com um triunfo, pelo que a seleção terá que "manter os níveis de concentração nos 60 minutos, porque é uma excelente equipa que está do outro lado".

"Esta equipa tem mostrado excelentes resultados quando menos se espera e vamos voltar a fazer um bom resultado. Estamos prontos para isso, em boa forma, entusiasmados e mal podemos esperar para começar o torneio", acrescentou o experiente lateral.

O Mundial2021 disputa-se em plena pandemia de covid-19, sem a presença de público nas bancadas, e a prova registou já as desistências dos Estados Unidos e da República Checa, substituídos pela Suíça e Macedónia do Norte, respetivamente.

"Não podemos pensar muito nisso [covid-19], mas a cada teste que fazemos ficamos com a ansiedade e com a expectativa de saber os resultados, porque ninguém quer perder estes jogos. É um Mundial de estreia para todos nós e todos queremos participar e fazer os jogos todos", disse Fábio Magalhães.

O central e 'capitão' Rui Silva, de 27 anos, considerou também que, depois de um primeiro jogo bem conseguido, em Matosinhos, há aspetos a melhorar em relação ao último jogo com a Islândia.

"Temos que procurar ser mais agressivos no ataque, ter uma defesa mais coesa e contra-atacar mais. Algo que não conseguimos fazer no último jogo", referiu Rui Silva, destacando, pela negativa, a quantidade de falhas técnicas cometidas.

O central luso considerou "estranho" e "pouco normal" a equipa "cometer tantos erros" e considerou que, a este nível competitivo, isso traduz-se inevitavelmente no resultado.

"Na quinta-feira é um jogo diferente. Uma experiência única. É a primeira vez que estamos num Mundial e o primeiro jogo numa grande competição acaba por ser sempre superimportante. Temos de corrigir o que fizemos de mal e repetir o que fizemos de bom e entrar com a garra e determinação que nos caracteriza", observou.

Portugal inicia na quinta-feira a sua participação na fase final do Mundial 2021, após um 'jejum' de 18 anos de ausência, integrado no grupo F, juntamente com as seleções da Islândia, Argélia e Marrocos.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Andebol

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.