Joana Vasconcelos está "bastante feliz" e dedica apuramento para os Jogos Olímpicos à mãe

Canoísta qualificou-se em K1 500 metros, na Rússia

• Foto: Instagram

A canoísta Joana Vasconcelos manifestou-se esta sexta-feira "bastante feliz" pelo apuramento para Tóquio'2020, regozijando-se com o fim de um período "desgastante" física e psicologicamente e dedicando o êxito à sua falecida mãe.

"Estou bastante feliz por voltar aos Jogos Olímpicos. O meu pensamento teve de ser sempre positivo. Foi muito desgastante, anos e anos a treinar para este sonho. Dedico este apuramento à minha mãe, ao meu marido e toda minha família, que me tem apoiado muito. Foi a minha mãe, que já não está entre nós, que me ajudou a ter força nos metros finais", disse à Lusa a atleta, de 30 anos.

Joana Vasconcelos liderou a competição desde o início a prova de K1 500 metros, concluindo a regata em 1.57,83 minutos, à frente da polaca Justyna Iskrzycka (1.58,37) e da russa Svetlana Chernigovskaya (1.59,08).

A canoísta gaiense falou de "uma prova bastante disputada", num período que tem sido "muito intenso e desgastante", no qual falhou a qualificação há uma semana, na Hungria, e lamentando hoje o "vento de frente e de lado" que afetou "todas as atletas".

"Tentei focar-me e dar o meu melhor", desvalorizou a canoísta, que falhou o Rio2016, mas que em Londres2012 foi sexta classificada em K2 e K4 500.

Conseguido o "sonho" de chegar a Tóquio2020, agora é altura de pensar "nos muitos aspetos a melhorar", considerando que o "tempo até lá" será fundamental para o conseguir, pelo que será necessário prepará-lo "da melhor forma".

A atleta, atualmente sem clube, alcançou o êxito num ano particularmente "difícil", mas destacou o facto de "nada" a ter 'deitado abaixo'.

O técnico nacional Hélio Lucas elogiou a "prova bastante consistente" de Joana Vasconcelos, começando por destacar a sua "largada excelente".

"Foi para a frente, fez uma primeira parte mais rápida, a meio passou bem e os últimos metros foram mais difíceis, com vento contra. Mas aguentou-se bem, foi consistente e venceu com mais de meio segundo", relatou, considerando ter sido um desempenho "bastante bem conseguido".

Até Tóquio é preciso "afinar as coisas menos positivas" e "analisar" os objetivos, com a federação, em conjunto com o corpo técnico, a decidir se Joana Vasconcelos fará também o K1 200 e se há margem para um K2 500 com Teresa Portela.

Kevin Santos procurava a primeira qualificação olímpica e admitiu a "frustração" de ter ficado a meros 17 centésimos de segundo do sonho, ante "adversários muito fortes", ficando o consolo de ter estado "ao seu nível a lutar até ao fim".

"Não cometi erros, fiz tudo o que devia ser feito, consegui aplicar o que tinha. Feliz por acreditar. A primeira pessoa que o fez foi o meu treinador, Rui Fernandes, que olhou para mim e viu que podia estar aqui com este nível. Com trabalho conseguimos pôr todos os portugueses a acreditar até aos últimos metros. É isso que temos de levar daqui", completou o canoísta, nascido em Caracas e que representa os algarvios do KCC Arade.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Canoagem

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.