GP Beiras: A Torre vai ajudar a 'escolher' o sucessor de Jóni Brandão

Primeira etapa começa amanhã

• Foto: João Fonseca

O pelotão nacional vai subir, pela primeira vez esta temporada, à Torre, com a segunda edição do Grande Prémio Beiras e Serra da Estrela a propor uma dura travessia para encontrar o sucessor do português Jóni Brandão.

Há um ano, Jóni Brandão arrebatou a primeira edição, com um festival da Efapel, mas, a partir de sexta-feira, o ciclista português, que esta época representa o Sporting-Tavira, terá uma difícil missão na defesa do título, uma vez que, além dos 554 quilómetros de permanente sobe e desce, irá encontrar uma W52-FC Porto na máxima potência.

Os dragões têm dado espetáculo nas últimas corridas, sempre com Raúl Alarcón como ponta de lança. O espanhol venceu a Volta às Astúrias, à frente do colombiano Nairo Quintana (Movistar), o segundo classificado do Giro2017, no início de maio, e fechou o mês com novo triunfo, no sempre apetecido Grande Prémio Jornal de Notícias.

É de esperar que a equipa que lidera o ranking nacional, quer individualmente com Amaro Antunes, quer coletivamente, queira afirmar-se na prova que permite ao pelotão escalar, pela primeira vez esta temporada, a mítica Torre.

Contudo, os azuis e brancos terão a concorrência de uma forte Caja Rural, a única equipa continental profissional presente, e, como não, das portuguesas Efapel, LA Alumínios-Metalusa BlackJack, Louletano-Hospital de Loulé e Sporting-Tavira, com a seleção nacional de sub-23 a ser uma candidata a animadora das três tiradas.

O GP Beiras e Serra da Estrela, que está na estrada entre sexta-feira e domingo, arranca com uma ligação de 199 quilómetros, entre Penamacor e Celorico da Beira, que apesar de ter três subidas pontuáveis, se espera a menos favorável aos trepadores, podendo mesmo proporcionar uma oportunidade para os velocistas que compõem as 17 equipas participantes.

No sábado, a segunda etapa começa em Fornos de Algodres, com a viagem do pelotão a prosseguir durante 192 quilómetros, marcados pelo terreno ondulado, com os ciclistas a terem de subir duas montanhas de terceira categoria e uma de segunda.

O Grande Prémio das Beiras e Serra da Estrela encerra com a etapa-rainha, uma ligação de 163 quilómetros, entre Belmonte e Manteigas, que sobe ao alto da Torre, a partir de Seia. A passagem no ponto mais alto de Portugal Continental acontece a 25 quilómetros da chegada, mas deve determinar quem chega ao final da tirada na discussão pela geral.

Etapas:

02 jun, 01.ª etapa: Penamacor-Celorico da Beira, 199 km.
03 jun, 02.ª etapa: Fornos de Algodres-Trancoso, 192 km.
04 jun, 03.ª etapa: Belmonte-Manteigas, 163 km.

Equipas:

Profissional Continental: Caja Rural (Esp).

Continental: Efapel (Por), LA Alumínios-Metalusa-BlackJack (Por), Louletano-Hospital de Loulé (Por), Sporting-Tavira (Por) e W52-FC Porto (Por), Burgos BH (Esp), Euskadi Basque Country-Murias (Esp), Kuwait-Cartucho.es (Esp), Massi-Kuwait Cycling Project (Kuw), Bike Aid (Ale), Equipo Bolivia (Bol), JLT Condor (GB), Lokosphinx (Rus) e Team Sapura Cycling (Mal).

Seleção Nacional de sub-23.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Ciclismo

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.