Raul Alarcón vence segunda tirada do Troféu Joaquim Agostinho

Rinaldo Nocentini parte para a derradeira etapa com a amarela no corpo

Vencedores e líderes (da esquerda para a direita): Luís Afonso, Rinaldo Nocentini, Raul Alarcón, João Benta, Hernani Broco e Ángel Sánchez

O espanhol Raul Alarcón (W52-FC Porto) venceu este sábado, em Torres Vedras, a 2.ª etapa do Troféu Joaquim Agostinho, subindo a 4.º posto da geral e aproximando-se do comandante, o italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira).

A etapa de 154,3 quilómetros, entre as Palhagueiras e Torres Vedras, foi animada por um grupo de onze fugitivos, que se manteve na dianteira durante grande parte da tirada, mas não resistiu ao calor, à dureza das cinco passagens no tradicional circuito torriense e, sobretudo, à aceleração do pelotão.

Raul Alarcón foi o mais expedito, saindo do pelotão nos dois quilómetros finais, pouco depois de o colega de equipa Ángel Sánchez, um dos onze animadores da jornada, ter sido absorvido. Alarcón saiu com força do grande grupo, passou António Barbio (Efapel), que atacara pouco antes, e venceu pela segunda vez o circuito de Torres Vedras.

O vencedor da etapa cortou a meta com 4 horas e 56 ssegundos, menos 5 segundos do que António Barbio, segundo classificado, embora com o mesmo tempo do pelotão, onde chegou integrado Rinaldo Nocentini, que manteve a camisola amarela no corpo.

O italiano do Sporting-Tavira conserva a vantagem de 26 segundos sobre João Benta (Louletano-Hospital de Loulé) e sobre Hernâni Broco (LA Alumínios-Antarte). Com o triunfo de hoje, Raul Alarcón subiu ao 4.º posto e também passou a contar para a geral, pois está apenas a 28 segundos do primeiro classificado.

"Já aqui tinha ganho em 2011. A vitória de hoje foi importante, porque nos permite manter na luta. A etapa de amanhã é difícil, mas tentaremos dar a volta à classificação", promete o corredor da W52-FC Porto.

Rinaldo Nocentini está mais optimista. "Hoje foi difícil controlar a corrida, mas a equipa trabalhou bem. Estou convencido de que a etapa de amanhã será mais fácil de controlar. Só espero que a equipa recupere do esforço de hoje, porque eu sinto-me bem e a meta em alto favorece-me", reconheceu o italiano do Sporting-Tavira.

A corrida termina neste domingo com a ligação de 147 quilómetros entre Atougia da Baleia e o Parque Eólico da Carvoeira. A meta coincide com uma contagem de montanha de terceira categoria, mas antes de ali chegarem os corredores terão de ultrapassar outras duas subidas pontuáveis para a classificação dos trepadores.

Classificações

2.ª Etapa: Palhagueiras – Torres Vedras, 154,3 km

1.º Raul Alarcón (W52-FC Porto)         4h00m56s (Média: 38,426 km/h)
2.º António Barbio (Efapel)                 a 5s
3.º Sergey Shilov (Lokosphinx)           mt
4.º Daniel Mestre (efapel)                   mt
5.º Samuel Caldeira (W52-FC Porto)    mt

Geral Individual

1.º Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira)                   9h11m28s
2.º João Benta (Louletano-Hospital de Loulé)          a 26s
3.º Hernâni Broco (LA Alumínios-Antarte)                mt
4.º Raul Alarcón (W52-FC Porto)                             a 28s
5.º José de Segóvia (Louletano-Hospital de Loulé)  a 39s

Por João Lopes
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Ciclismo

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.