W52-FC Porto cautelosa num "ano complicado" apesar de querer ganhar

Equipa dos dragões dominadora no ciclismo nacional

• Foto: Facebook W52 FC Porto

A W52-FC Porto quer prolongar a hegemonia na Volta a Portugal e nem a recente queda do campeão em título, João Rodrigues, abala a confiança da equipa, apesar de Nuno Ribeiro alertar para a falta de referências.

"Vamos tentar fazer com que seja um atleta nosso que esteja na discussão final. Vamos ver como é que vai correr durante os dias da Volta. É um ano complicado, não há muitas referências, temos de ir pouco a pouco", realçou o diretor desportivo que liderou a formação de Sobrado nas suas últimas cinco vitórias das sete consecutivas.

Neste momento, segundo Nuno Ribeiro, a ideia da W52-FC Porto passa por "um determinado objetivo, que é ganhar a Volta a Portugal, e depois tentar fazer com que seja como nos outros anos ou parecido com os outros anos", quando tiveram mais do que um ciclista no pódio final, e, se nessa luta, conquistaram outras classificações, o que "é sempre bom para o atleta e para a equipa".

A grande dominadora do ciclismo nacional nos últimos anos teve um fim de semana azarado, no regresso à competição, com as quedas de João Rodrigues e Amaro Antunes no Troféu Joaquim Agostinho, mas, de acordo com o seu diretor desportivo, "teoricamente, está tudo bem" com o vencedor do ano passado, que "não tem nada partido, tem só umas feridas", o que não "o impede de estar nas melhores condições físicas no início da Volta".

O vencedor da Volta de 2003 reconheceu à Lusa que uma queda "afeta sempre alguma coisa" na moral da equipa, principalmente no dia em que acontece. "Depois, no dia a dia, consoante a recuperação do atleta for boa, acho que não vai afetar em nada. Os dias de segunda e terça são os mais complicados, porque são os dias em que eles sentem mais dores, mas penso que a partir daí recuperam para estar bem no início da Volta", disse.

Nuno Ribeiro está mais preocupado com a falta de referências que tem dos adversários, devido à longa paragem competitiva motivada pela covid-19, mas acredita que todos os candidatos estão no mesmo patamar.

"O Grande Prémio de Torres Vedras já permitiu ver como estão as equipas, pelo menos grande parte delas, e, a partir daí, vamos ver se as estrangeiras vêm com ideias de discutir a Volta a Portugal, mas penso que vamos estar bem", declarou.

O diretor dos dragões analisou ainda o percurso "totalmente diferente dos outros anos", salientando que "foi o que se arranjou no meio de toda esta pandemia, foi aquilo que se pôde fazer".

"Não há muito a criticar em relação a isso, é melhor este tipo de situação do que não termos nada. Eles [organizadores], começando em Fafe e acabando em Lisboa, também têm de tirar partido disso, mas para as equipas ou para o espetáculo, se calhar, não é tão bom, porque se vai centrar tudo nos primeiros dias, e depois há etapas de chegadas ao 'sprint'", destacou, referindo-se ao facto de as quatro primeiras etapas em linha terem três chegadas em alto, as únicas desta edição especial.

Num contexto de covid-19, com um restrito protocolo sanitário imposto a todos os participantes, Nuno Ribeiro acredita que o difícil será começar a prova. "Depois de começar, tudo se ultrapassa. Já estamos habituados a lidar com isso, porque tivemos três ou quatro corridas, e já temos interiorizado as máscaras, a zona 0, para eles não é nada de anormal", indicou.

A bolha em que terão de viver, entre os dias anteriores ao arranque da corrida, em Fafe, no domingo, e 05 de outubro, data do final da edição especial, em Lisboa, até torna mais fácil, para Nuno Ribeiro, liderar os seus ciclistas, "porque eles estão mais centrados na Volta a Portugal".

"Acabam por ter de se sacrificar um bocado mais, mas é só mais uns dias e vão poder estar com a família e com os filhos. Acho que já estão habituados a isso. Estivemos em estágio entre todos, 18 dias", revelou, antes de considerar que essa experiência acaba por ser uma mais valia, uma vez que o convívio torna os colegas "quase uma família".

W52-FC Porto

Equipa: João Rodrigues (Por), Ricardo Mestre (Por), Daniel Mestre (Por), Gustavo Veloso (Esp), Rui Vinhas (Por), Amaro Antunes (Por) e Samuel Caldeira (Por).

Diretor desportivo: Nuno Ribeiro.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Volta a Portugal

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.