Wilson Diaz explica porque festejou... a 15 quilómetros do fim

Sul-americano encarou o erro com boa disposição

• Foto: LUSA

O português Daniel Mestre (Efapel) assumiu esta quinta-feira a liderança da 78.ª edição Volta a Portugal em bicicleta, destronando Rafael Reis (W52-FC Porto), com uma vitória ao sprint na primeira etapa, em Braga.

O corredor natural de Almodôvar, que ocupava o quarto lugar da classificação geral, impôs-se esta quinta-feira na chegada instalada no centro bracarense, ao concluir os 167,4 quilómetros desde a praia do Furadouro, em Ovar, em 04:21.27 horas, o mesmo registo do pelotão, que juntou os principais favoritos.

Rafael Reis, que vestiu a camisola amarela no final do prólogo de quarta-feira, foi a exceção, perdeu 4.47 minutos e também o símbolo de líder, conquistado esta quinta-feira por Daniel Mestre, que surpreendeu o italiano Davide Vigano (Androni Giocattoli), primeiro a investir no sprint e segundo a terminar a etapa.

O português José Gonçalves (Caja Rural) também foi superado por Mestre e Vigano, mas acabou por subir uma posição para o segundo posto da classificação geral, a seis segundos do novo líder, por troca com Jóni Brandão (Efapel), agora terceiro a nove, com diferenças promovidas pelas bonificações.

Apesar de ter perdido a amarela, a W52-FC Porto, depois de ter sido visitada na partida pelo presidente portista, Pinto da Costa, assegurou a chegada tranquila do seu chefe de fila Gustavo Veloso, no quinto lugar, atrás do seu guarda-costas Samuel Caldeira.

Os outros favoritos chegaram pouco depois, igualmente sem perder tempo, apesar de o italiano Rinaldo Nocentini (Sporting-Tavira) ter sofrido uma queda, a mais de 60 quilómetros da meta, ao deslizar numa mancha de gasóleo.

Antes da celebração de Daniel Mestre, a Avenida da Liberdade de Braga assistiu à consagração precoce do colombiano Wilson Diaz (Funvic Soul Cycles), na segunda passagem pela meta, com o sul-americano a assumir com naturalidade e boa disposição a situação caricata.

"Fiz confusão, festejei porque pensava que a etapa terminava à segunda passagem, aconteceu, continuei, mas já não dava mais. Ainda festejei, mas não valeu, sei que vou festejar outra vez. Estou certo disso, talvez até já amanhã [sexta-feira]", referiu um sorridente Wilson Diaz.

O colombiano tinha arrancado sozinho do pelotão e chegado a dispor de 01.10 minutos na primeira das duas subidas ao Sameiro, a 26 quilómetros do fim, mas foi alcançado logo depois.

Daí para a frente, o cazaque Nikita Stalnov (Astana City) ainda tentou, mas a descida para Braga juntou o grupo, que permitiu uma fuga ao longo de quase 90 quilómetros, aos inofensivos William Clarke (Drapac), Sergey Luchshenko (Astana City), Nuno Meireles (LA-Antarte) e Bruno Arminail (Armée de Terre).

O dinamarquês Frederik Zeuner (Christina Jewelry) foi o primeiro desistente da corrida, ao cair após quase 100 quilómetros, falhando a partida para a segunda etapa, na sexta-feira, quando o pelotão vai percorrer 160 quilómetros, entre Viana do Castelo e Fafe.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Volta a Portugal

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.