Diretor-geral diz que ataques visam "enfraquecer" Agência Mundial Antidopagem

Olivier Niggli abordou atual situação

• Foto: Getty Images

Os ataques sofridos pela Agência Mundial Antidopagem (AMA) pela reintegração da Rússia, que tinha sido punida pela participação num esquema de doping institucional, visam "enfraquecer" a instituição, disse esta terça-feira o diretor-geral da AMA, o suíço Olivier Niggli.

"Eles discutem o processo democrático, porque não conseguiram a decisão que queriam, segundo um procedimento que apoiaram completamente", informou o diretor-geral da AMA à AFP.

A AMA levantou a suspensão da Agência Anti-Doping Russa (Rusada) em 20 de setembro, impondo duas condições: acesso ao banco de dados eletrónico do laboratório de Moscovo até ao final do ano e a reconsideração das amostras exigidas antes de 30 de junho de 2019.

"Foi um processo democrático, onde houveram recomendações de uma comissão independente, chefiada por um advogado britânico", justificou.

Esta decisão da AMA foi fortemente criticada pelas agências nacionais antidoping, atletas e até pela vice-presidente da organização, a norueguesa Linda Helleland, que falou de "uma sombra sobre a credibilidade do movimento antidoping".

"Aqueles que criticam nada fizeram para resolver esta crise e nós tivemos que suportar o impacto. Isto enfraquece a AMA e todo o sistema e com que resultado", questionou.

A Rusada terá de fornecer os documentos necessários à AMA até 31 de dezembro deste ano para o levantamento da suspensão definitiva.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Modalidades

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.