Mergulho: AOMA quer evitar massificação do turismo subquático

defende "regras mais apertadas"

Mergulho: AOMA quer evitar massificação do turismo subquático
Mergulho: AOMA quer evitar massificação do turismo subquático

A recém-criada Associação dos Operadores de Mergulho dos Açores (AOMA) defendeu este sábado a criação "urgente de regras mais apertadas" que impeçam a massificação do turismo subaquático no arquipélago, preservando "os poucos, mas bons" locais para mergulho.

"Temos de tomar medidas e têm de ser tomadas com urgência, porque senão corremos o risco de massificar tudo o que temos. Não queremos ser um mar vermelho, mas sim ter um turismo sustentável, com regras", afirmou à Lusa, Jorge Botelho, da comissão instaladora da associação, acrescentando que se houver "100 a 120 pessoas a mergulhar os animais vão estranhar".

A Associação de Operadores de Mergulho dos Açores, cuja escritura foi feita a 14 de março, é composta, neste momento, por operadores de Santa Maria, Terceira e Pico, sendo que o objetivo passa por reunir associados das nove ilhas açorianas e "contribuir ativamente" para a definição de políticas para a área do mergulho.

Para Jorge Botelho, a criação de quotas para limitar a instalação nas ilhas de mais operadores de mergulho não seria um disparate, apontando como exemplo Santa Maria, onde já existem cinco operadores em atividade, cada um com dois barcos, com capacidade para 12 pessoas, "se surgiram mais seria complicado de gerir e ambientalmente preocupante".

O membro da comissão instaladora da AOMA, conjuntamente com Paulo Reis, Luis Feiteirona e Pedro Alves, adiantou que está agora a ser enviada documentação e fichas de inscrição para todos os operadores de mergulho licenciados nos Açores para que se associem, sendo que até final de abril deverá ser eleita a primeira direção, assembleia e conselho fiscal.

"Cada um tinha o seu problema e era sempre isoladamente que o resolvia. Neste momento, o objetivo é representar os sócios e assim falar todos a uma só voz", disse Jorge Botelho, gerente de uma empresa marítimo-turística em Santa Maria, que em 2012, conjuntamente com outra empresa, foi responsável por trazer à ilha em três meses cerca de 500 pessoas para mergulhar.

Segundo disse, o mergulho ganhou grande impulso nos Açores nos últimos anos e são cada vez mais as pessoas de vários países que procuram o arquipélago para mergulhar devido à riqueza e diversidade dos fundos marinhos em redor das ilhas. Existem na região cerca de duas dezenas de empresas que desenvolvem atividades nas diferentes modalidades relacionadas com o mergulho, estando referenciados em todo o arquipélago cerca de meia centena de locais com potencialidades para essa atividade.

Santa Maria e Graciosa são duas das ilhas mais procuradas pelos mergulhadores, sendo que nesta última decorre desde 2007 a Bienal de Turismo Subaquático dos Açores, que tem como objetivos principais a afirmação do arquipélago como destino de mergulho e o debate de temáticas relevantes para o setor.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Modalidades

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.