PGA de Portugal organiza pelo menos dois torneios em 2021

Há grandes hipóteses de dois Campeonatos Nacionais como em 2020. FPG adia tudo para março

Pedro Lima Pinto e Nelson Cavalheiro pretendem organizar o Campeonato Nacional de Profissionais em 2021
Pedro Lima Pinto e Nelson Cavalheiro pretendem organizar o Campeonato Nacional de Profissionais em 2021 • Foto: Rui Frazão

Numa altura em que a pandemia forçou a Federação Portuguesa de Golfe (FPG) a adiar o início da época para o mês de março, a PGA de Portugal confirmou que irá organizar alguns torneios em 2021, embora ainda seja prematuro anunciar as datas e os locais dos mesmos.

Num comunicado publicado no site oficial da associação dos jogadores de golfe profissionais portugueses pode ler-se o seguinte: «A PGA Portugal organizará ainda o PGA Portugal Championship no final do ano e continuará a desenvolver esforços no cenário atual para a organização de mais torneios e (de) Pro-Am’s».

Questionado sobre esta frase publicada no "seu" site, o presidente da PGA de Portugal, Nelson Cavalheiro, respondeu apenas que «sim, é isso», mas Pedro Lima Pinto, o administrador e diretor-executivo da Greatgolf, considerado o "superagente" do golfe profissional no nosso país, acrescentou algo mais. 

Pedro Lima Pinto garantiu que um dos torneios que está a ser planeado, para além do referido PGA Portugal Championship, é o Solverde Campeonato Nacional PGA, ou seja, o Campeonato Nacional de profissionais.

 «A Greatgolf tem a intenção de organizar, em conjunto com a PGA de Portugal, o Campeonato Nacional de profissionais», disse Pedro Lima Pinto à Tee Times Golf, em exclusivo para Record.

A acontecer, repetir-se-á em 2021 a experiência de 2020, época em que o Solverde Campeonato Nacional PGA, sancionado pela FPG, atribuiu os títulos de campeões nacionais de profissionais (aos irmãos Leonor e Tomás Bessa nos escalões principais, e a Nelson Cavalheiro entre os seniores), enquanto o Campeonato Nacional Absoluto Audi entregou os títulos de campeões nacionais amadores (a Sofia Sá e Pedro Lencart) e de campeões nacionais absolutos (a Leonor Bessa e Ricardo Melo Gouveia).

Recorde-se que a Greatgolf tem coorganizado esta competição com a PGA de Portugal desde 2015.

«As datas mais prováveis serão os meses de julho ou de setembro, mas teremos de aguardar pelos calendários internacionais, principalmente do Challenge Tour», acrescentou o empresário que levou o Solverde Campeonato Nacional PGA para o Oporto Golf Club, em Espinho, entre 2015 e 2019, e para o Vidago Golf Course em 2020. 

Esse poderá não ser o único evento que Pedro Lima Pinto irá realizar em conjugação com a PGA de Portugal em 2021: «Se conseguirmos mais alguns apoios iremos, provavelmente, organizar o Greatgolf PGA Open. Mas isso dependerá do evoluir da situação da pandemia». 

Para já, pelo que poderemos constatar, no melhor cenário em cima da mesa, haverá três torneios para os profissionais portugueses em 2021 com a chancela da PGA de Portugal, não contando com os Pro-Am. 

Ora no passado dia 7 de janeiro (como Record noticiou), a Federação Portuguesa de Golfe já tinha anunciado um calendário revolucionário para 2021, fazendo com que, pela primeira vez, o Circuito FPG passasse a integrar provas com profissionais. 

No total, serão cinco torneios do Circuito FPG, aos quais acresce o Campeonato Nacional Absoluto que, pelo segundo ano seguido, acolherá igualmente profissionais. Estas seis provas serão organizadas pela FPG. 

Somando os torneios da FPG aos da PGA de Portugal, poderemos vir a ter em 2021 um total de nove eventos que formarão o que poderemos chamar informalmente de um circuito nacional de golfe. 

Diante desta nova realidade, deixará de fazer sentido falar-se, como se fez durante décadas, de um circuito profissional português e de um circuito amador português. Nos torneios da PGA de Portugal os amadores de alto rendimento sempre puderam participar, mas a novidade é os profissionais poderem agora entrar nos torneios do Circuito FPG.

Como disse à agência Lusa Pedro Figueiredo, um dos melhores jogadores portugueses de sempre, «cada vez mais devem juntar-se os amadores aos profissionais. Jogamos todos o mesmo desporto e nunca concordei a 100% com a distinção entre amadores e profissionais, que espero seja cada vez menor no futuro, porque isso permitirá que os melhores, independentemente do estatuto, possam competir entre si. Como aconteceu, por exemplo, no Campeonato Nacional Absoluto, que foi um sucesso e juntou os melhores jogadores de golfe portugueses». 

Convenhamos que a confirmarem-se esses nove torneios, estaremos perante um quadro competitivo atraente, com todas as provas a contarem para o ranking da PGA de Portugal. 

Pelo contrário, tradicionalmente, os torneios da PGA de Portugal não têm contado para o Ranking Nacional BPI da FPG. Mas como as duas entidades conseguiram criar uma plataforma mínima de entendimento aquando do anúncio do Circuito da FPG, pode ser que, com o decorrer da temporada, essa aresta possa ser limada e aperfeiçoada. 

Em teoria, se o conceito de base consiste em elevar a competitividade do golfe nacional, com torneios em que profissionais e amadores joguem ao mesmo tempo, faz sentido que todos os torneios contem para ambos os rankings, premiando os melhores, independentemente do estatuto que ostentam. 

Para além destes nove torneios nacionais, os profissionais portugueses (e os melhores amadores) têm ainda o objetivo de participarem nos dois torneios internacionais no nosso país: o Portugal Masters do European Tour (a primeira divisão europeia), em Vilamoura, e o Open de Portugal at Royal Óbidos do Challenge Tour (a segunda divisão do golfe profissional europeu).

Não referimos aqui os Campeonatos Internacionais Amadores de Portugal (feminino e masculino), ambos adiados para maio, porque esses sim são interditos a atletas profissionais.

Portanto, resumindo, os melhores golfistas nacionais, mesmo que não seja possível haver competição no estrangeiro, se tudo correr pelo melhor dentro do planeado, poderão participar em 11 torneios.

É quase uma média de torneio por mês, o que, neste contexto de pandemia, convenhamos ser um esforço notável da FPG, da PGA de Portugal e da Greatgolf.

Claro que tudo dependerá do combate à COVID-19. O primeiro torneio do Circuito FPG estava marcado para fevereiro e já foi adiado para março. 

Uma mensagem publicada nas redes sociais pela FPG anunciou o seguinte: «Considerando as alterações legislativas introduzidas pelo Decreto nº 3-B/2021, de 19 de janeiro, agora clarificadas pelo Decreto nº 3-C/2021, de 22 de janeiro, que determinaram uma limitação à prática e treino do golfe por todos os que não sejam profissionais ou com atividade equiparada, entende a Federação Portuguesa de Golfe dever suspender a realização das competições agendadas até dia 15 de fevereiro. Assim, são, desde já, fixadas as seguintes novas datas para as competições abaixo referidas: 1º Torneio do Circuito FPG – 6 e 7 Março; 91º Campeonato Internacional Amador Feminino de Portugal – 12 a 15 maio; 91º Campeonato Internacional Amador Masculino de Portugal – 18 a 21 maio».

Por Hugo Ribeiro
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Golfe

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.