Portugal Pro Golf Tour é fábrica de campeões

Grandes novidades na época de 2019-2020, incluindo Paul Lawrie como embaixador

O Portugal Pro Golf Tour (PPGT) iniciou neste Sábado a "Corrida para o Open de Portugal", com o seu segundo "swing" de torneios no Algarve que começa com o Pinheiros Altos Classic, prossegue com o San Lorenzo Classic e termina com o Pinheiros Altos Open, a 16 de dezembro.

E o primeiro dia de competição do Pinheiros Altos Classic viu Miguel Gaspar em grande forma assumir o comando, com 67 pancadas, 5 abaixo do Par. Entre 46 participantes, houve mais um português no top-10, Tomás Silva, em 4.º, com 69 (-3).

O PPGT de 2019-2020 será composto por 21 torneios regulares, cada um deles com 10 mil euros em prémios monetários, dois Pro-Am, e um Tour Championship com um prize-money de 20 mil euros de mínimo e 25 mil de máximo, de 13 a 15 de março, pelo segundo ano consecutivo no Troia Golf.

A "Corrida para o Open de Portugal" é um ranking que irá oferecer um convite para o único torneio português do Challenge Tour ao vencedor de cada "swing" (série de três torneios). "Os convites são intransmissíveis e só profissionais podem ser contemplados", especificou José Correia, o promotor do PPGT e ex-presidente da PGA de Portugal.

Tal como em anos anteriores, este circuito satélite internacional funciona como uma excelente preparação para o Challenge Tour (a segunda divisão europeia), que na Europa só começa em maio, embora haja três torneios na África do Sul em janeiro e fevereiro.

O PPGT é uma organização privada, mas sancionado oficialmente pela Federação Portuguesa de Golfe (FPG), PGA de Portugal e Jamega Pro Golf Tour, um circuito internacional britânico.

Nada disto é novo em Relação às duas épocas anteriores, mas 2019-2020 traz várias novidades e foi isso que José Correia explicou detalhadamente à Tee Times Golf, em exclusivo para Record, depois de terminado o primeiro "swing" de torneios realizados em três campos da Dom Pedro Hotel & Golf Collection, em Vilamoura.

Para aumentar a sua exposição mediática e, sobretudo, para promover as virtudes do PPGT junto de mais profissionais de todo o Mundo, foi negociado um acordo com o escocês Paul Lawrie que passou a ser embaixador do circuito português. Importante, dado que Lawrie é um antigo jogador da seleção europeia da Ryder Cup, venceu um Major (British Open em 1999) e é o anfitrião de um torneio do European Tour.

"Estamos a tentar fechar também um acordo destes com um profissional português que poderá ser o Ricardo Santos", disse-nos José Correia.

Entretanto, foi renovada e reforçada a parceria com a FPG. Num comunicado desta organização pode ler-se a seguinte declaração do presidente Miguel Franco de Sousa: Na FPG trabalhamos para proporcionar aos nossos melhores atletas a oportunidade de competirem a um nível elevado, pois acreditamos que esse é o caminho para a evolução sustentada do golfe nacional. A parceria que estabelecemos com o PPGT é um exemplo deste compromisso».

Em termos práticos, o que está acordado é o seguinte: A partir já deste Pinheiros Altos Classic, o vencedor de cada "swing" do PPGT irá receber um convite para o Open de Portugal at Royal Óbidos, de 17 a 20 de setembro de 2020. Em contrapartida, o PPGT disponibiliza à FPG 38 convites para os atletas nacionais amadores poderem competir no circuito.

Como frisou José Correia «isto já se passava nas duas épocas anteriores», mas, na realidade, há aqui uma mudança importante a salientar. Dantes a FPG sancionava o PPGT e já dava os convites para o Open de Portugal, mas desta feita a FPG fomenta a participação de jogadores amadores.

Por outro lado, essa mudança de atitude também deve-se ao facto do PPGT ter passado a contemplar torneios que contam para o ranking mundial amador. "Este ano inserimos cinco torneios de três dias que contam para o WAGR", frisou José Correia.

O PPGT só tinha torneios de dois dias, à exceção do Tour Championship em Troia. Na nova temporada mantêm-se os "Classic" de dois dias, mas aparecem os "Open" de três jornadas. E ao contarem para o ranking mundial permitem aos nossos melhores valores galgarem na hierarquia internacional.

"O Pedro Lencart subiu 53 lugares no ranking mundial amador graças à sua participação por convite no nosso torneio no Dom Pedro Pinhal Golf Course", congratulou-se o promotor do circuito. Com efeito, Lencart fez um top-5 em Vilamoura e esta semana surge no 347.º posto.

"Foi a primeira vez que joguei este circuito e foi uma experiência incrível. Jogar com estes jogadores é sempre muito bom. Vou jogar o próximo "swing" inteiro e quero continuar em janeiro e fevereiro. Para o ano estou a pensar em tornar-me profissional, mas só no final do próximo ano", declarou Pedro Lencart.

Embora o PPGT seja um circuito profissional, tem desde sempre procurado parcerias com amadores de elite. Nos dois primeiros anos teve acordos com o Tournament Golf College britânico e a FPG. Agora – outra das novidades – apresenta uma parceria com o Orlando International Amateur.

«O vencedor da Ordem de Mérito de novembro e dezembro irá receber um convite para participar neste torneio que decorre no final de dezembro, nos Estados Unidos», explicou José Correia.

Tiago Rodrigues, um profissional português que tem competido no Pro Golf Tour germânico e que é um dos promotores do Orlando International Amateur avançou mais alguns detalhes: "Nos dois primeiros "swings" do PPGT haverá um ranking para amadores e o melhor ganha um convite para o Orlando International Amateur que inclui a inscrição, cinco noites de hotel e um voucher de 600 euros para o voo.

"É uma maneira de promovermos o nosso torneio na Europa e de trazer valor aos amadores que jogam no PPGT. Tendo em conta que os amadores não podem ganhar prémios monetários pelo menos jogam por alguma coisa. A adesão no primeiro swing foi bastante positiva, com seis amadores no primeiro torneio, oito no segundo e dez no terceiro, e tanto eu como o José Correia estamos bastante contentes com a forma como isto está a desenvolver-se.

"Achamos também que é bom para os amadores poderem jogar com os profissionais no PPGT e estes amadores são bons porque os últimos dois torneios foram ganhos por amadores. Por outro lado, o nosso torneio de Orlando é uma montra para os amadores que pretendam ir para os Estados Unidos e é uma prova que atribui bastantes pontos para o ranking mundial amador".

Outro incentivo para os amadores é o facto de, no final da época, em março, o top-10 do ranking de amadores terá acesso direto ao Tour Championship em Troia, onde poderá medir forças com a elite do PPGT.

Mas as novidades do PPGT de 2019-2020 não ficam por aqui. O primeiro "swing" de torneios decorreu nos campos da Dom Pedro Hotels & Golf Collection, percursos de elite que até ao momento estavam arredados deste circuito.

E foi ainda feita «uma parceria com a 5 Star, uma empresa internacional de gestão de carreiras desportivas de jogadores, que terá no PPGT uma plataforma de treino e preparação para a época para os seus jogadores», como salientou José Correia.

O PPGT já dava mais competição aos jogadores profissionais portugueses. Agora vai passar a proporcionar o mesmo aos nossos amadores e na nova temporada já não é só uma questão de qualidade, pois a qualidade das listas de inscritos tenderá a elevar-se.

E recorde-se que jogadores como Ricardo Melo Gouveia, Ricardo Santos e Pedro Figueiredo passaram por torneios do PPGT antes de brilharem ao mais alto nível no Challenge Tour ou até mesmo no European Tour.

Hugo Ribeiro / Tee Times Golf em exclusivo para Record

Por Hugo Ribeiro
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Golfe

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.