Tomás Melo Gouveia volta a somar pontos

37.º em Casablanca, termina série negra de três cuts falhados no Pro Golf Tour

Tomás Melo Gouveia colocou um ponto final numa série de três cuts falhados consecutivamente no Pro Golf Tour, uma das terceiras divisões europeias, ao alcançar um 37.º lugar entre os 151 participantes do Open Palmeraie Country Club, em Marrocos.

O torneio de 30 mil euros em prémios monetários, nos arredores de Casablanca, a contar também para o Atlas Golf Tour, não pôde disputar-se no ano passado devido ao mau tempo mas Tomás Melo Gouveia já conhece os dois campos usados por outras provas do mesmo circuito. Por isso, apesar de ter sido a sua primeira participação na prova, não foi apanhado de surpresa.

"Foi muito importante quebrar a sequência de maus resultados", disse o português de 24 anos à Tee Times Golf em exclusivo para Record, depois de ganhar 311 euros de prémio pelas 211 pancadas, 3 abaixo do Par, após voltas de 70 (-1) ao Palmeraie Course, 68 (-4) ao Prestigia Tony Jacklin e 73 (+2) de novo no Palmeraie. O 37.º posto foi partilhado com outros dois jogadores.

"Saio contente deste torneio porque foi uma das minhas melhores performances dos últimos tempos a nível mental e isso para mim é muito importante", referiu o profissional da Kankura Golf, que necessitou realmente de sangue frio para fazer 1 birdie no último buraco da segunda volta (no 9.º buraco) que lhe deu a passagem do cut mesmo à queima.

"Este torneio foi muito positivo do tee ao green. Infelizmente, o putt continuou a ficar aquém das expectativas. Em nenhuma das voltas consegui baixar dos 30 putts e isso reflete-se muito nos resultados", comentou o irmão mais novo de Ricardo Melo Gouveia, que já se vinha queixando do mesmo problema nos torneios anteriores, tendo até referido que as características "granuladas" dos greens marroquinos não lhe têm permitido uma fácil adaptação.

"Joguei bem no primeiro dia em jogámos no campo mais difícil dos dois e consegui aguentar-me, mesmo não "patando" bem. No segundo dia foi exatamente igual mas num campo mais fácil, daí a diferença de resultados. Neste último dia tive um começo desastroso: um putt para birdie falhado a 2 metros no meu primeiro buraco (o 10.º), um mau drive no 2.º, 3 putts no 3.º e uma má decisão no 4.º. Isto comprometeu logo o dia, principalmente porque estava entre os últimos dos que passaram o cut, e a partir daí joguei o meu jogo normal e consegui recuperar 3 pancadas", analisou Tomás Melo Gouveia, que não perdeu mais nenhuma pancada desde então e ainda converteu birdies nos buracos 15, 17 e 3.

Em 2018, na sua estreia no Pro Golf Tour, o jogador da Quinta do Lago falhou o cut nos três primeiros torneios que disputou. Este ano arrancou bem, com um top-10. Depois teve as tais três provas seguidas em que não logrou a qualificação para o último dia e agora veio este top-40. Na Ordem de Mérito do Pro Golf Tour manteve-se esta semana do 51.º lugar, travando a queda progressiva que vinha sofrendo.

Quanto a Tiago Rodrigues, o outro português a competir no Pro Golf Tour, falhou o cut (fixado em -5) com 147 (73+74), +4 e ainda não surge na Ordem de Mérito.

O vencedor do Open Palmeraie Country Club foi o escocês Kevin Duncan, que embolsou 5 mil euros graças ao resultado de 195 (69+63+63), -19, com 4 de vantagem sobre o inglês Darren Walkley (70+65+64) e o marroquino Ahmed Marjan (64+65+70). Foi o seu primeiro título no Pro Golf Tour e retirou-lhe de vez todas as ideias que tinha de desistir de uma carreira profissional no golfe, algo em que pensou no ano passado.

O próximo torneio do Pro Golf Tour será ainda em Marrocos, o Open Madaef, também de 30 mil euros, a começar no dia 3 de março.

 
Autor: Hugo Ribeiro / Tee Times Golf para Record

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Golfe

Notícias

Notícias Mais Vistas