Luís Sénica: «Tenho de estar satisfeito por aquilo que produzimos»

Treinador português fez balanço positivo do segundo lugar no mundial

• Foto: Bruno Teixeira Pires
;

O selecionador nacional, Luís Sénica, fez esta terça-feira um balanço positivo pelo segundo lugar conseguido por Portugal no campeonato do mundo, que decorreu na China, após perder na final com a Espanha.

À chegada a Lisboa, depois de uma viagem de cerca de 40 horas, Luís Sénica realçou que o início atribulado de Portugal se deveu a fatores externos e que colocaram em causa o bom desempenho na competição.

"Os dois primeiros jogos não foram aquilo que esperávamos. Tivemos muitas dificuldades. A caixa de medicamentos perdida, suplementos e stiques que desapareceram e apareceram ao quarto dia de competição. Um tufão em Macau que nos impediu de sair do hotel e treinar. Uma pista muito condicionada pelo próprio tufão que inundou o recinto. Tivemos a oportunidade de fazer um único treino um dia em pista inteira. Com isto acabámos por pagar a entrada no campeonato", afirmou.

Apesar destas condicionantes, para o selecionador nacional não há qualquer dúvida que a equipa das quinas realizou uma boa prova.

"Tenho de estar satisfeito por aquilo que produzimos, pela evolução competitiva, por aquilo que fizemos em crescendo e foi até à última sticada. Estivemos muito perto. Somos vice-campeões (do mundo), somos campeões da Europa e já agora dizer que dominamos o hóquei na Europa. Somos campeões da Europa de sub-17, de sub-20 e somos campeões mundiais de sub-20. Estou satisfeito, sou um homem feliz por isso", realçou.

Em relação ao jogo da final, onde Portugal perdeu frente à Espanha no desempate por grandes penalidades, após a igualdade (3-3) no fim do tempo regulamentar e do prolongamento, Luís Sénica reconheceu a superioridade do opositor.

"Não se falha nos penáltis. Há mérito quando o adversário defende e quando marca. Seria mais difícil, para nós, gerir uma derrota se tivéssemos perdido claramente e inequivocamente para a Espanha, o que não aconteceu. A quatro segundos do fim estávamos fora de qualquer sonho. Têm a noção do que é marcar um livre direto a quatro segundos do fim num campeonato do mundo e a bola entrar (golo de Hélder Nunes que fez o 3-3)? Foi fantástico", defendeu.

Olhando para o futuro, o selecionador acredita que a equipa cresceu e que por isso tem a obrigação de entrar para o campeonato europeu, que se realiza em Itália, com o objetivo de revalidar o título.

Por Lusa
1
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Hóquei em Patins

Decisões na Luz

Benfica e Oliveirense disputam hoje acesso às meias-finais do playoff do campeonato

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.