Representação "de excelência" para os World Roller Games e "por certo" medalhas

Convicção de Luís Sénica, presidente da Federação de Patinagem de Portugal

• Foto:  Miguel Barreira 

Portugal vai estar "em força" nos World Roller Games, que se vão disputar em Barcelona, com uma representação "de excelência", que "vai conquistar" medalhas, tanto em hóquei em patins como na patinagem artística e na de velocidade.

A convicção é de Luís Sénica, presidente da Federação de Patinagem de Portugal, na apresentação das seleções para o evento, que esta segunda-feira decorreu em Lisboa e contou com a presença dos responsáveis técnicos dos vários setores e de alguns atletas.

Assumidamente "ambiciosa", a delegação vai entrar em estágio no Luso (Aveiro) já este mês, para depois competir, no final de junho e início de julho, em Vilanova e Barcelona.

Sénica realça a "enorme qualidade da comitiva" e, mesmo sem querer falar de medalhas, diz esperar resultados que reflitam "a qualidade, excelência e objetividade" da preparação. "É uma representação de grande valia e, mesmo sem ser esse o 'discurso para fora', todos nós temos a certeza de que vamos ganhar medalhas", reconhece.

Difícil, por ser em pleno 'coração' da modalidade em Espanha, é a tarefa do hóquei em patins masculino, apesar das "excelentes indicações" do Torneio de Montreux.

Renato Garrido, selecionador nacional, assume a "tradição" de Portugal ser candidato em mundiais, ressalvando a dificuldade de se jogar em Barcelona. "O grupo é coeso e é uma das melhores gerações de sempre. O resultado de Montreux deu confiança a todos e o nosso objetivo tem de ser o título", vinca.

De início, na fase de grupos, serão "três finais" contra adversários sul-americanos - Argentina, Chile e Colômbia - e depois é "ir até ao fim", num torneio que se desenvolve de 06 a 14 de julho.

Nas mesmas datas competem as mulheres, com o selecionar nacional Hélder Antunes a esperar uma "prestação honrosa e digna" e "a melhor classificação possível". "Vamos dar tudo para honrar a camisola", assegura.

Mais cedo, de 29 de junho a 05 de julho, competem os sub-19, também com "espírito de conquista": "Quem está aqui é para ganhar e esse é o caso destes dez sub-19. Vamos lá para renovar o título", disse Vasco Vaz, o selecionador nacional.

Cristina Claro é a selecionadora nacional de patinagem artística e também ela conta com sucessos: "Queremos a renovação de títulos e novos títulos e provas em que ainda não participámos. Temos muitos candidatos, muitos atletas já medalhados, tanto em cadetes, como juvenis e seniores."

Entre juniores e seniores, serão 18 os que vão competir em Barcelona, no início de julho.

Menos numerosa, com 12 unidades, é a seleção nacional de patinagem de velocidade, mas que não deixa de também ter os seus 'trunfos', nomeadamente Diogo Marreiros.

Alípio Silva, o selecionador nacional, destaca o facto de haver mais "equipas completas" face à primeira edição dos World Roller Games, que decorreu há dois anos na China. Ao contrário das outras disciplinas, a velocidade vai estagiar em Canelas (Aveiro), competindo em Barcelona apenas na semana de 07 a 14 de julho.

Os World Roller Games, que tiveram a sua primeira edição em 2017 na cidade chinesa de Nanjing, concentram os campeonatos do Mundo das várias especialidades da patinagem. Portugal compete em hóquei em patins (seniores masculinos, seniores femininos e sub-19 masculinos), velocidade (juniores e seniores) e artística (juniores e seniores).

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Hóquei em Patins

Notícias

Notícias Mais Vistas