Ciclista Nelson Oliveira diz que saúde está em 1.º lugar: «Adiar é uma decisão acertada»

COI anunciou hoje o adiamento de Tóquio'2020

O ciclista Nelson Oliveira, sétimo classificado no contrarrelógio do Rio'2016, defendeu esta terça-feira que o Comité Olímpico Internacional (COI) tomou a decisão "acertada" ao adiar Tóquio'2020, pois a saúde dos atletas está "em primeiro lugar".

"Dadas as circunstâncias em que vivemos atualmente no Mundo, penso que é uma decisão acertada, já que a pandemia da covid-19 não parece estar a melhorar", começou por dizer o corredor da Movistar, em declarações à agência Lusa.

Oliveira, que presumivelmente seria o representante português no contrarrelógio dos Jogos Olímpicos Tóquio2020, assumiu não estar desapontado, nem preocupado por ver o evento adiado para 2021.

"Felizmente, temos um calendário bastante preenchido. É pena não podermos competir agora, mas a saúde está primeiro, a nossa e das pessoas todas. Como o panorama está assim, é preferível adiar as competições e pensar em nós e na nossa saúde", reforçou.

O ciclista da Movistar, que em 2021 cumprirá 32 anos, desvalorizou o impacto que o adiamento dos Jogos Olímpicos pode ter na sua performance na capital nipónica, lembrando que, por vezes, os ciclistas também caem antes dos grandes eventos e vêm a sua preparação condicionada.

"Eu já tive a experiência de cair, partir a clavícula e estar quatro semanas em casa a fazer rolos. As coisas 'saem', porque somos profissionais e focamo-nos no nosso treino", completou.

Aquele que é o melhor contrarrelogista português da atualidade em termos de palmarés foi sétimo classificado na sua especialidade há quatro anos, no Rio de Janeiro, depois de ter caído quatro dias antes, na prova de estrada. Na sua estreia em Jogos Olímpicos, em Londres2012, foi 18.º no 'crono'.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 foram adiados para 2021, devido à pandemia de covid-19, anunciaram hoje o Comité Olímpico Internacional (COI) e o Comité Organizador dos Jogos, em comunicado.

"Nas presentes circunstâncias e baseado nas informações dadas hoje pela Organização Mundial de Saúde, o presidente do COI [Thomas Bach] e o primeiro-ministro do Japão [Shinzo Abe] concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada em Tóquio devem ser remarcados para uma data posterior a 2020 e nunca depois do verão de 2021", lê-se no comunicado.

Esta decisão foi, de acordo com o mesmo documento, tomada "para salvaguardar a saúde dos atletas, de toda a gente envolvida nos Jogos Olímpicos e de comunidade internacional".

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Jogos Olímpicos

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.