Maria Martins diz que adiamento dos Jogos foi "atitude de bom senso"

Portuguesa está apurada na vertente de omnium do ciclismo de pista

• Foto: DR

A ciclista portuguesa Maria Martins disse esta terça-feora à agência Lusa que o adiamento dos Jogos Olímpicos Tóquio'2020, anunciado devido à pandemia de covid-19, foi "uma atitude de bom senso" por parte dos organizadores.

"Tenho pena que a situação não esteja controlada e não tenha as melhores previsões, mas esta foi uma atitude de bom senso pelo que o mundo está a passar. No meio de tudo, é um pormenor, porque o importante, a prioridade, é a nossa saúde e assegurar que os nossos estão com saúde", atirou a ciclista, de 20 anos.

Segundo a jovem atleta, apurada para os Jogos na vertente de omnium do ciclismo de pista, no que será uma participação inédita para Portugal nesta especialidade, a possibilidade de os Jogos seguirem em frente nas datas previstas deixaria "a preparação dos atletas muito aquém do que é suposto".

"Não só a nível físico, porque se está sem acesso às melhores condições, mas também psicologicamente, porque íamos chegar afetados pelo que tinha acontecido. Não iam ser propriamente uns Jogos, um evento desportivo", comentou.

Os Jogos Olímpicos Tóquio2020 foram adiados para 2021, devido à pandemia da Covid-19, anunciaram hoje o Comité Olímpico Internacional (COI) e o Comité Organizador dos Jogos, em comunicado.

"Nas presentes circunstâncias e baseado nas informações dadas hoje pela Organização Mundial de Saúde, o presidente do COI [Thomas Bach] e o primeiro-ministro do Japão [Shinzo Abe] concluíram que os Jogos da XXXII Olimpíada em Tóquio devem ser remarcados para uma dar posterior a 2020 e nunca depois do verão de 2021", lê-se no comunicado.

Esta decisão foi, de acordo com o mesmo documento, tomada "para salvaguardar a saúde dos atletas, de toda a gente envolvida nos Jogos Olímpicos e de comunidade internacional".

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da covid-19, já infetou mais de 386 mil pessoas em todo o mundo, das quais cerca de 17.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

Vários países adotaram medidas excecionais, incluindo o regime de quarentena e o encerramento de fronteiras.

Em Portugal, há 30 mortos e 2362 infetados confirmados. Portugal encontra-se em estado de emergência desde as 00:00 de quinta-feira e até às 23:59 de 2 de abril.

Por Lusa

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Jogos Olímpicos

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.