Tóquio 2020: Chefe de Missão acredita que tudo estará pronto a tempo

Jogos Olímpicos realizam-se de 24 de julho a 09 de agosto de 2020

O chefe da Missão portuguesa aos Jogos Olímpicos Tóquio 2020 acredita que todas as infraestruturas vão estar prontas a tempo do início dos Jogos, que se realizam de 24 de julho a 09 de agosto de 2020.

Depois de ter integrado as duas últimas missões de Portugal, a Londres 2012 e Rio 2016, Marco Alves disse, em entrevista à agência Lusa, acreditar que o evento "vai ser diferente" do que aconteceu há quatro anos, até pela cultura nipónica.

"A experiência diz-nos que as coisas vão estar preparadas com algum tempo de antecedência e vão ser testadas de uma forma diferente da que foram no Rio. Ainda que a diferença horária, a diferença cultural, o clima, a humidade sejam desafios, da parte do comité organizador estamos em crer que temos mais alguma segurança do que tivemos nos Jogos anteriores", assumiu.

Sobre o Rio de Janeiro, Marco Alves lembrou que "houve alguns problemas, em especial na Aldeia Olímpica, antes da chegada dos atletas", com "muita coisa a fazer para que as condições fossem criadas" para que os atletas "pudessem estar ao seu melhor nível durante a sua estada".

Os Jogos Olímpicos Tóquio 2020 ficaram já marcados pela queda do presidente do Comité Organizador, Tsunekazu Takeda, por suspeitas de ter comprado votos na atribuição da organização ao Japão, mas Marco Alves acredita que este caso não vai afetar.

"A sociedade nipónica tem essa característica de chamar à barra os responsáveis. Todos conhecemos a história dos samurais e dos haraquiris. Essa tradição histórica dá-nos alguma segurança, mesmo com alguns processos em que sejam encontrados alguns princípios de corrupção. As pessoas serão responsabilidades e acho que isso não terá nenhuma influência naquilo que será a organização", referiu.

De acordo com o chefe de Missão, "a grande infraestrutura que está a ser construída no centro de Tóquio é o Estádio Olímpico", que deve estar "concluído e entregue ao comité organizador em março", portanto "muito a tempo" de ser testado.

As áreas de competição estarão divididas sobretudo em duas grandes zonas, a Bay Zone, que é parte nova de Tóquio, e a Heritage Zone, "em que quase todas as instalações foram utilizadas nos Jogos de 1964, obviamente muito modernizadas, à semelhança da imagem tecnológica de Tóquio".

Fora destes dois grandes círculos, há "algumas instalações muito distantes", sendo que o comité organizador está a estudar a possibilidade de, "em algumas situações, em que o tempo de trânsito não possa ser garantido dentro do programado, haver alojamento perto dos locais de competição".

"Isso está a ser estudado para o ciclismo de estrada, para o golfe e para o tiro e, eventualmente, para o surf. Isto coloca alguma dispersão na localização dos nossos atletas, mas vamos ter de nos adaptar, se isso significar maior conforto e maior disponibilidade para a competição", assumiu.

Na Aldeia Olímpica, que está a ser construída roubando algum espaço ao mar, Marco Alves disse que em agosto, durante o seminário dos chefes de missão, já saberá o local onde ficará instalada a comitiva lusa, existindo "um conjunto de preocupações, que têm a ver com o conforto dos atletas, de ficar andares mais baixos, longe das zonas de atividade social".

"Israel é um dos países que tem essas limitações de segurança e gosta de ficar perto de Portugal [na Aldeia Olímpica], porque não somos um país conflituoso, mesmo nas relações internacionais somos um país que tem boas relações com o mundo. (...) Temos também ficado perto da Espanha, perto do Brasil. No Rio de Janeiro, tivemos a França e a Sérvia como vizinhos. São países com quem temos relações em termos de comités olímpicos, o que facilita depois a gestão das áreas comuns", referiu.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Jogos Olímpicos

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.