Record

Ginástica de dia e medicina à noite

Houry Gebeshian, de 27 anos, é a primeira ginasta da Arménia a apurar-se para os Jogos Olímpicos

Já dizia Arnold Schwarzenegger, àqueles que dizem dormir 6 a 8 horas por dia, que se querem conquistar algo importante o melhor é "dormir mais rápido", ou seja, menos horas. E este foi um dos ingredientes da receita de Houry Gebeshian que, aos 27 anos, tornou-se na primeira ginasta da República da Arménia a apurar-se para os Jogos Olímpicos.

Acordar, treinar 4 a 8 horas diárias, trabalhar à noite como assistente de partos num hospital, dormir 3 horas e acordar na manhã seguinte para repetir tudo de novo... É esta a sua rotina. Conciliando a carreira na Medicina, em Cleveland, nos Estados Unidos, com a carreira desportiva, Gebeshian revela que o sonho olímpico nasceu em 2010, mas uma infeliz lesão trocou-lhe as voltas e acabou por falhar a edição de Londres em 2012. Mas, com a precisão, persistência e disciplina que a modalidade lhe ensinou, a jovem ginasta continuou a dormir pouco, a trabalhar muito e... a treinar ainda mais.

Costuma-se dizer que a sorte segue a coragem e os audazes e, por isso, segue também esta ginasta com dupla nacionalidade (arménia e norte-americana) que, agora, vê cumprido o objetivo com que todos sonham mas que para o qual poucos trabalham. "Ajudo a trazer vida ao Mundo e é um trabalho maravilhoso", mas igualmente (ou ainda mais) maravilhoso "é estar aqui, é algo muito grande", admite.

Ainda assim, e não menos do que aquilo que se poderia esperar, a descendente de avós refugiados levou para o Rio de Janeiro algumas das maiores qualidades que a sua profissão na Medicina exige – solidariedade e altruísmo. "Espero que o meu sucesso traga o reconhecimento que as ginastas na Arménia merecem, assim como os apoios que precisam."

Sem nunca esquecer as compatriotas, revela ainda que deseja ser uma inspiração para todas, sabendo de antemão que, após a independência da Arménia – antes fazia parte da União Soviética –, o país deixou de ter tradição na ginástica. "Espero abrir-lhes muitas portas", diz. Com estreia marcada para hoje, e certamente com muitas aspirações, conta competir no solo, na trave, nas barras e no salto de cavalo.

Por Inês Cunha
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Ginástica Artística

Notícias

Notícias Mais Vistas

M