Record

Gunnar Bentz e Jack Conger impedidos de deixar o Brasil

Para serem ouvidos no âmbito do assalto a Ryan Lochte

• Foto: Reuters
A Polícia Federal brasileira impediu na quarta-feira o embarque dos nadadores norte-americanos Gunnar Bentz e Jack Conger, para serem ouvidos no âmbito do assalto de que se queixou o seu colega Ryan Lochte na madrugada de domingo.

De acordo com vários órgãos de comunicação social brasileiros, a Polícia Federal (PF) impediu o embarque no aeroporto Internacional Antônio Carlos Jobim, conhecido como Galeão, quando Gunnar Bentz e Jack Conger se preparavam para rumar os EUA, depois de terem participado nos Jogos Olímpicos Rio2016.

Os atletas foram retirados do avião por agentes da PF e foram conduzidos a prestar depoimento na Delegacia do Aeroporto Internacional, dado que tinham sido chamados para depor pela Polícia Civil, mas não compareceram.

A polícia chegou a procurar os nadadores Gunnar Bentz e Jack Conger na Aldeia Olímpica e em alguns hotéis, tal como James Feigen, que continua sem ter sido localizado, mas não os encontrou.

Por isso, quando tentavam embarcar num vôo noturno para Houston, da United Airlines, foram impedidos para serem ouvidos na qualidade de testemunhas do alegado assalto de que o seu compatriota e colega de equipa Ryan Lochte terá sido alvo.

Os nadadores foram acompanhados durante o processo de recolha do depoimento por elementos do Consulado Geral dos Estados Unidos e por um delegado da comitiva olímpica norte-americana.

Este incidente surge após a decisão de uma juíza brasileira que proibiu a saída do país dos nadadores norte-americanos Ryan Lochte e James Feigen, no âmbito da investigação ao assalto que dizem ter sofrido na madrugada de domingo.

A decisão da juíza Keyla Blanc deve-se ao facto de existirem versões contraditórias dos atletas em relação ao assalto, o que coloca em causa a própria veracidade do facto relatado pelos nadadores norte-americanos.

De acordo com o jornal O Globo, o nadador Ryan Lochte terá dito que ele e outros três companheiros de equipa tinham sido assaltados à mão armada, depois de saírem de uma festa no bairro da Gávea.

Um depoimento que entra em contradição com as imagens de vídeo-vigilância na Aldeia Olímpica, nas quais os nadadores aparecem tranquilos e com os seus bens pessoais, depois de passarem pelos detetores de metais.

A imprensa brasileira diz ainda que Lochte já terá deixado o Brasil, mas que Feigen permanecerá no país, embora não esteja já na aldeia olímpica. O seu paradeiro não foi revelado pelos dirigentes norte-americanos alegadamente por razões de segurança
Por Lusa
Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Natação

Notícias

Notícias Mais Vistas

M