Bárbara Timo: «Vou refletir e ainda vou aprender muito, mas acho que não faria nada diferente»

Judoca portuguesa foi eliminada pela campeã do mundo Barbara Matic

• Foto: Reuters
A judoca portuguesa Bárbara Timo lamentou que todo o seu empenho na preparação para os Jogos Olímpicos Tóquio'2020 tenha sido esta quarta-feira insuficiente para bater a croata Barbara Matic, no segundo combate da categoria de -70 kg.

"Acho que a tristeza é por ter feito tudo e não ter sido suficiente. Eu sei que dei tudo, fiz tudo o que era possível e estava ao meu alcance, mas, infelizmente, é assim, o judo é assim. Se se soubesse o resultado era outra coisa diferente", desabafou a vice-campeã do mundo em 2019, na zona mista do Nippon Budokan.

Bárbara Timo perdeu por ippon a cerca de dois minutos do final do combate com Matic, depois de ter eliminado a jamaicana Ebony Drysdale Daley, 59.ª do mundo, que perdeu após sofrer três castigos.

"Ela é a atual campeã do mundo, é experiente também. O jogo dela é colocar muito volume na frente, tal como o meu, tal como fiz na outra luta, mas ela conseguiu isso primeiro. Ela é ambidestra, surpreendeu-me por um lado e caí de ippon, o meu joelho ficou preso e não tive hipótese", detalhou a judoca do Benfica.

A portuguesa, medalha de bronze nos últimos Europeus, disputados em Lisboa, reconheceu ter sido contrariada, pela passividade de Drysdale Daley, no primeiro combate, e pela investida de Matic, no combate dos oitavos de final.

"Eu procurei tomar a iniciativa, procurei ter a vantagem, mas o judo também é estratégia e, no primeiro combate, a dela foi anular-me e foi eficiente. Eu estava desperta, estava feliz, estava concentrada, eu fiz tudo, estava ansiosa, mas por estar aqui, de felicidade, não estava nervosa ou com medo. Ela foi melhor! Se voltasse a lutar, se calhar faria diferente, mas estava a sentir-me mesmo bem, desperta", sublinhou.

Apesar disso, a judoca de 30 anos, natural do Rio de Janeiro, voltava a fazer tudo de novo. "Abri mão de muitas coisas, sempre a acreditar que era o melhor para a conquista da medalha, mas não veio. Vou refletir e ainda vou aprender muito, mas acho que não faria nada diferente. Ultrapassei vários obstáculos, cresci como pessoa", realçou.

Timo assinalou o equilíbrio do torneio de judo de -70 kg, elogiando o exemplo que as judocas olímpicas estão a dar. "No atual cenário, na minha categoria não há favoritas e muitas meninas deixaram o ciclo, mesmo estando apuradas. Todo o respeito por todas as atletas e, principalmente, pelas que estão aqui, pela demonstração de superação, num ano em que foi tão complicado continuar o alto rendimento, continuar a treinar. Por isso, agradeço à minha família, de longe, os meus amigos, que são a minha família adotiva e que estiveram aqui perto, ao meu clube, à federação, tenho de agradecer a todos", referiu.

Encerrado o capítulo Tóquio'2020, a luso-brasileira admitiu que precisa de "respirar", para retomar a competição em setembro. "Preciso um pouco de descanso, não parei nem um pouco desde janeiro de 2019. Preciso de respirar, mas eu sei que sou obstinada, quem sabe obcecada, e tenho todas as condições para estar no próximo ciclo", concluiu.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

Ultimas de Judo

Notícias