Telma Monteiro: «Criei este desafio após nove meses de paragem»

Supera expectativas e está no Mundial para lutar pela sua sexta medalha

• Foto:  Pedro Simões

A judoca olímpica do Benfica, Telma Monteiro, partiu ontem rumo a Budapeste (Hungria), onde a partir de hoje e até domingo decorre o Campeonato do Mundo, a prova mais importante do ano. E as expectativas da multimedalhada nas grandes competições, com 11 pódios em Europeus, entre os quais cinco títulos continentais, não podiam ser melhores, face ao infortúnio da lesão aquando da conquista da medalha de bronze nos Jogos do Rio’2016 e a consequente operação ao ombro, no início do ano.

"Felizmente, a minha recuperação correu muito bem, pois já nem me lembro de ter sido operada. Criei este desafio após nove meses de paragem, pois nunca tinha estado tanto tempo sem competir, nem treinar. Com apenas três meses de trabalho, não contava estar tão bem", revelou Telma Monteiro, de 31 anos, que procura a sua sexta medalha em Mundiais, depois de ter sido 2ª em 2007, 2009, 20 10 e 2014, e 3ª em 2005.

Telma Monteiro não é apontada como uma das favoritas, competindo na prova sem ser uma cabeça de série. A atleta natural de Almada foi a 22ª pré-designada do ranking, pelo que irá encontrar no primeiro combate (quarta-feira) um osso duro de roer, a holandesa Margriet Bergstra (16ª), bronze no Grand Prix de Tbilissi este ano.

A benfiquista está preparada: "Espero encontrar uma prova muito difícil e competitiva, onde existem, pelo menos, 10 judocas capazes de chegar às medalhas. Mesmo que a minha preparação não tivesse sido a ideal, sinto-me confiante para ganhar a qualquer adversária e sendo assim até pode ser que ganhe uma medalha."

Quanto à decisão da Federação Internacional de tornar as provas olímpicas com um quadro competitivo feminino igual ao dos homens, Telma aplaude: "O judo feminino evoluiu muito nos últimos anos, pelo que faz todo o sentido haver igualdade entre homens e mulheres."

Trio nacional entra hoje em ação

Com sorteios não muito complicados ao nível competitivo, Gonçalo Mansinho (-60 kg), Maria Siderot e Joana Diogo (-48 kg) são os primeiros portugueses a competirem hoje no Mundial. A Seleção conta com 15 atletas, dos quais se destaca Sergiu Oleinic, único cabeça de série a - 66 kg.

Pedro Soares faz reparos à preparação

Quem também falou à reportagem de Record foi o antigo olímpico Pedro Soares, treinador do Sporting, o clube que mais judocas (5) empresta à Seleção Nacional, logo à frente do Benfica (4). O técnico viajou também na manhã de ontem para Budapeste, onde irá orientar os seus atletas. "Vamos entrar no tapete à procura do melhor resultado possível. Não falo na conquista de medalhas, porque criar essa pressão não será muito positivo. Mas não serão impossíveis. Vai ser combate a combate. Pode haver outros resultados interessantes, que permitam, por exemplo, a entrada de atletas no Projeto Tóquio’2020. Há, por isso, muita coisa em discussão neste Mundial", sustentou o técnico.

Quanto à preparação que foi realizada, Pedro Soares faz reparos: "Foi a melhor dentro do possível, mas sendo feita em agosto e em Portugal existiram algumas limitações para os atletas mais pesados. Não se planeou bem, mas agora também não há nada a fazer."

Objetivos

A equipa técnica da Seleção Nacional, liderada por Luís Monteiro, coadjuvado pelos selecionadores Ana Hormigoe Go Tsunoda, traçou como objetivos para Portugal a presença de dois finalistas (até 7º lugar) no Mundial, sem descurar a conquista de medalhas, e dois lugares até 9º, que dá mínimos para entrada no Projeto Tóquio’2020.

Por Alexandre Reis
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Judo

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0