Lewis Hamilton e a vitória na Hungria: «Nem eu próprio acreditava...»

Piloto britânico assume que teve uma estratégia arriscada

• Foto: EPA

Uma estratégia surpresa de duas paragens nas boxes, em que nem o próprio acreditava, valeu este domingo ao britânico Lewis Hamilton a oitava vitória da temporada, arrebatada a quatro voltas do fim do GP da Hungria.

O holandês Max Verstappen (Red Bull) liderou desde o arranque, depois de ter partido da pole position pela primeira vez na sua carreira, mantendo um aceso duelo com Hamilton ao longo de praticamente toda a prova, disputada no circuito de Hungaroring, a 12.ª da temporada.

No entanto, a Mercedes manteve Hamilton mais seis voltas em pista antes da primeira paragem para troca de pneus, de médios para duros, de forma a tentar o ataque à liderança.

Mas, apesar de se ter conseguido aproximar de Verstappen, o líder do campeonato falhou a ultrapassagem, chegando mesmo a sair de pista numa das tentativas.

A equipa mandou, então, o piloto britânico de novo às boxes para nova troca de pneus, a 20 voltas do final, agora para médios, tentando compensar com a maior aderência os 19 segundos perdidos na operação.

"Nessa altura, nem eu próprio acreditava que pudesse ser possível anular os 19 segundos de desvantagem", admitiu o campeão mundial, no final.

Mas, com um ritmo intenso e o recorde do circuito a cair a cada volta, Hamilton colou-se à traseira do Red Bull em 15 apenas voltas, consumando a ultrapassagem decisiva na 67.ª das 70 voltas previstas.

"Tentei tudo o que podia para me manter vivo com os pneus duros, mas não foi o suficiente. O Lewis [Hamilton] pressionou-me muito e gostei disso. O segundo lugar não é mau, mas faltou mais aderência", disse Verstappen, conformado.

Com a corrida perdida, o holandês optou por minimizar os danos no campeonato e foi, também ele, às boxes montar pneus médios para atacar a volta mais rápida, que este ano vale um ponto extra.

Com pneus frescos, Verstappen chegou a 1.17,183 minutos, batendo o recorde da pista, que pertencia a Michael Schumacher desde 2004.

Outro recorde de Schumacher que foi igualado, mas por Hamilton, foi o de sete triunfos no circuito húngaro, pois cortou a meta com 1:35.03,796 horas, menos 17,796 segundos do que Verstappen.

Sebastian Vettel (Ferrari), que partira de quinto, ainda chegou ao degrau mais baixo do pódio, a 1.01,433 minutos. "Não tivemos andamento para aqueles dois. Temos de continuar a trabalhar", frisou o alemão.

Apenas os quatro primeiros classificados concluíram a prova na mesma volta do vencedor.

O campeonato chega à pausa de verão com Lewis Hamilton na frente, com 250 pontos, mais 62 do que o companheiro de equipa, o finlandês Valtteri Bottas (Mercedes), que hoje foi apenas oitavo e tem 188.

Verstappen é terceiro e tem, agora, 181 pontos, Vettel 156 e o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) 132.

No Mundial de Construtores, lidera a Mercedes, com 438 pontos, seguida da Ferrari, com 288 e Red Bull com 244.

A próxima ronda é o Grande Prémio da Bélgica, em Spa-Francorschamps, em 1 de setembro.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fórmula 1

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.