McLaren descarta motores próprios e Honda trabalha com consultores externos

Dirigentes negam cenário de crise na parceria

• Foto: EPA

A fraca fiabilidade da unidade motiz produzida pela Honda originou vários exercícios especulativos, entre os quais um a dar conta da possibilidade da escuderia sediada em Woking (Inglaterra) passar a fabricar os seus próprios motores, aproveitando o trabalho que outra empresa do grupo já faz. O cenário foi afastado liminarmente pelo diretor executivo Zak Brown, no mesmo dia em que o construtor japonês revelou que recebe ajuda de consultores externos para solucionar o problema a curto prazo.

"Embora tenha acionistas comuns connosco, com os quais trabalhamos muito de perto, a McLaren Automotive é uma unidade de negócios diferente. O motor deles é McLaren, mas a equipa de F1 tem um conjunto diferente de prioridades financeiras e a maneira como gerimos a situação é algo sobre o qual nunca falámos", explicou Brown, remetendo a possibilidade para "quem sabe, daqui a dez anos. Mas, por agora isso não está na agenda."

"Não somos um construtor de motores, somos uma equipa de corridas e um construtor de carros", prosseguiu o norte-americano, revelando que o plano é continuar com a Honda: "Estamos a trabalhar com eles na melhor maneira de tornar a equipa competitiva o mais rápido possível, para depois o foco passar a ser ganhar de novo o Mundial - juntos."

"Não houve uma real tensão no nosso relacionamento. Todas as nossas conversas com eles têm sido sobre como vamos sair da situação em que nos encontramos", reforçou Brown, relativizando as críticas de Fernando Alonso:

"Fernando quer ser competitivo. Se pegarem noutro qualquer piloto campeão do Mundo vão ver que nenhum deles está satisfeito a não ser que esteja a vencer. É difícil para todos nós. Estamos a dar muitas entrevistas e, por vezes, somos mais emotivos, o que pode ser mal interpretado. Mas posso garantir que a relação com a Honda é saudável"

Por seu turno, em entrevista ao 'autosport.com', Yusuke Hasegawa, principal responsável do projeto da Honda na F1, admitiu o recurso a "consultores externos", recusando confirmar se a 'ajuda' é proveniente da britânica Ilmor, assumindo a culpa pelo fracasso.

"Estão a trabalhar como membros da McLaren. Estamos unidos. Na Honda, também temos muitos engenheiros ingleses e franceses, muito talentosos. Ainda há algumas barreiras, como a língua e a cultura, mas acho que é uma combinação muito boa. Para obter resultados imediatos, os consultores são de grande utilidade. Não só com talento, mas também com as informações que trazem de fora, o que é muito bom." 

"Mas tudo é uma desculpa, porque nós não fizemos um bom trabalho. E é um grande problema. Nós temos de mostrar a nossa evolução", encerrou o dirigente japonês.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Fórmula 1

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.