TAS amplia para quatro anos suspensão por doping de Andrea Iannone

Piloto justificou o teste positivo para Drostanolone alegando que comeu carne contaminada

• Foto: Reuters

O piloto italiano de MotoGP Andrea Iannone viu esta terça-feira a suspensão de 18 meses por doping estendida a quatro anos pelo Tribunal Arbitral do Desporto (TAS), por não conseguir provar que o positivo foi originado por carne contaminada.

Andrea Iannone, de 30 anos, que corre pela Aprilia, foi suspenso em 31 de março após um controlo de doping positivo no final do Grande Prémio da Malásia, em Sepang, a 3 de novembro de 2019, que levou o piloto a recorrer ao TAS.

O TAS adianta que os seus três juízes rejeitaram o apelo do piloto italiano Andrea Iannone contra a suspensão de 18 meses e manteve a contra apelação da Agência Mundial Antidopagem (AMA), em que solicita uma sanção de quatro anos.

O piloto justificou o teste positivo para Drostanolone (anabolizante) alegando que comeu carne contaminada, mas os juízes do TAS referem que Andrea Iannone não conseguiu provar no recurso que tipo de carne consumiu nem a sua origem.

A suspensão de Iannone, originalmente imposta pela Federação Internacional de Motociclismo (FIM), foi agora estendida até dezembro de 2023.

Iannone, que tem como melhor resultado no MotoGP o triunfo no GP da Áustria, em 2016, tinha um contrato para correr pela Aprilia Racing Team Gresini.

Por Lusa
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de MotoGP

Notícias