Gabriel Medina e Sally Fitzgibbons vencem em Rottnest Island

Brasileiro é cada vez mais líder do ranking masculino; Carissa mantém liderança feminina

• Foto: Carlos Barroso/Arquivo

Gabriel Medina e Sally Fitzgibbons conquistaram, esta madrugada de terça-feira, o triunfo no "interminável" Rip Curl Rottnest Search, a quinta paragem do circuito mundial e a quarta e última da perna australiana. Se do lado masculino Medina confirmou o pleno de vitórias brasileiras nas ondas australianas, do lado feminino coube a Sally salvar a onda do convento e oferecer a única vitória aussie desta "perna", numa prova que se estendeu ao longo de vários dias.

Com o mar a apresentar-se grande no dia final, os surfistas foram obrigados a usar o power e a força para mostrarem que queriam vencer a etapa do Oeste australiano. Sem a perfeição de dias anteriores, as ondas não reuniram condições para tubos ou aéreos outrora vistos e tudo acabou se resumiu à forma como os oito surfistas ainda em prova atacaram as difíceis secções de Strickland Bay.

A ação arrancou com as meias-finais femininas, onde Sally Fitzgibbons dominou a compatriota Tyler Wright, que sofreu demasiadas e invulgares quedas ao longo da bateria. Sally deixou a adversário em combinação, depois de ter conseguido uma nota de 9,10 pontos. Na outra meia-final aconteceu surpresas, com a número um mundial Carissa Moore a ver a francesa Johanne Defay ser mais forte num duelo marcado pelo power e com muita água a voar.

Sally e Defay alcançaram, assim, a primeira final do ano. Nada mau no caso da francesa, que, supostamente, se encontra limitada por uma lesão. Mas com os australianos sedentos de vitórias, depois de não o terem conseguido fazer em qualquer uma das outras três etapas, quer do lado masculino quer no feminino, o triunfo acabou mesmo por ficar em casa. Defay ainda teve a vitória nas mãos na última onda, mas uma queda na finalização fez com que fosse Fitzgibbons a vencer, com 15,24 pontos, contra 11,23 da melhor surfista europeia da atualidade.

Com este triunfo, o 12.º da carreira em etapas do CT, Sally Fitzggibons deu um salto de quatro posições até à vice-liderança do ranking mundial feminino. Apesar da derrota nas meias-finais, Carissa mantém intacto o seu registo de chegar sempre ao dia final das provas. A havaiana continua segura na liderança do ranking, com quase 8 mil pontos de avanço para Sally. Destaque ainda para Johanne Defay, que divide agora o 5.º posto com Stephanie Gilmore, deixando a sete vezes campeã mundial em apuros na luta pelo top 5 mundial que dá acesso à finalíssima de Trestles.

Já do lado masculino a história repetiu-se em relação a todas as etapas realizadas na Austrália. Medina foi o único desde o início a conseguir scores altos, evidenciando-se ao longo dos dois heats realizados e não dando qualquer hipótese à concorrência. Já depois de Morgan Cibilic ter levado a melhor no duelo australiano frente ao wildcard Liam O'Brien na primeira meia-final, Medina teve pela frente o compatriota e campeão mundial em título Italo Ferreira, numa verdadeira final antecipada.

Uma primeira onda de 8,50 pontos acabou por lançar Medina para o triunfo, com Italo a não conseguir encontrar uma segunda onda forte até final. Os 13,70 pontos de Medina foram suficientes para derrubar os 7,17 de Italo. E na final a receita foi a mesma. Depois de o rookie Morgan Cibilic até ter levado a melhor por 0,27 pontos na primeira troca de ondas, a verdade é que Medina foi cimentando a vitória, somando 15,50 pontos, enquanto o australiano não apanhou qualquer onda nos últimos 30 minutos de heat, ficando eternamente à espera de uma onda para virar a contenda, quando necessitava de 8,24 pontos para fazê-lo.

Depois de Italo em Newcastle, do próprio Medina em Narrabeen e de Toledo em Margaret River, o surf brasileiro volta a faturar mais uma etapa na Austrália, numa verdadeira rendição da guarda no topo do surf mundial. Já não há dúvida que no surf mundial são 36 surfistas dentro de água e no fim… ganha o Brasil. Com este triunfo, o 16.º da carreira em etapas do CT, Medina isolou-se ainda mais na liderança do ranking, deixando Italo Ferreira já a mais de 8.500 pontos. Destaque ainda para Cibilic, que subiu ao 5.º posto do ranking.

Por João Vasco Nunes
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Surf

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.