Griffin Colapinto conquista o El Salvador Pro

Stephanie Gilmore venceu a prova feminina

• Foto: WSL

Griffin Colapinto e Stephanie Gilmore sagraram-se, esta sexta-feira, vencedores do El Salvador Pro, na primeira vez que o circuito mundial de surf passou por aquele país da América Central. Após um dia épico na véspera, no dia final o mar não estava tão perfeito, mas nem por isso faltou emoção. Sobretudo na final masculina, que foi decidida nos últimos minutos após uma verdadeira batalha de aéreos entre Griffin Colapinto e Filipe Toledo, que, apesar da derrota na final, sai de El Salvador cada vez mais líder do ranking mundial.

Com apenas seis heats por disputar, a ação prolongou-se mais que o esperado, fruto de maior tempo de heats e também de um recomeço de bateria. Assim, a prova retomou com as meias-finais femininas e com a francesa Johanne Defay a sair derrotada frente a Lakey Peterson, perdendo a possibilidade de chegar à liderança do ranking. No outro heat, Stephanie Gilmore mostrou toda a sua classe para vencer Caroline Marks, evitando uma final 100 por cento norte-americana e mostrando estar de regresso à melhor forma.

Seguiu-se a grande ritmo a primeira meia-final masculina, onde Gabriel Medina voltou a esbarrar neste seu regresso ao Tour. Depois da derrota para Jack Robinson em G-Land, desta vez foi superado num heat muito equilibrado frente a Griffin Colapinto, somando mais um 3.º posto. Nada que torne impossível a missão de ainda chegar ao top 5 do ranking e à finalíssima de Trestles.

Na outra meia-final o Brasil tinha frente a frente Filipe Toledo e Italo Ferreira, que cedo começaram a aquecer os motores e a voar bem alta nas rampas de Punta Roca. Apesar do equilíbrio, o triunfo sorriu àquele que este ano tem sido o surfista em melhor forma no circuito masculino e que parece piscar cada vez mais o olho ao ano de 2022 como o do seu primeiro e muito aguardado título mundial. Mesmo que a regularidade conte pouco no novo formato e que tudo seja decidido no evento final…

As mulheres regressaram à água, com o mar a não colaborar. Após vários minutos de espera, Peterson tomou a dianteira da disputa. Foi aí que Stephanie foi obrigada a puxar dos galões dos sete títulos mundiais que tem, mostrando a todos que o oitavo não é uma miragem assim tão grande. Gilmore deu uma aula de classe e somou 13 pontos, contra apenas 10,67 da norte-americana. Foi o primeiro triunfo da temporada para a australiana e o 33.º da carreira. Um desfecho que a coloca de regresso ao top 5 mundial, subindo até ao 3.º posto, que divide com Brisa Hennessy, mas já a menos de 4 mil pontos da líder Carissa Moore.

A final masculina foi o inverso da feminina e cedo as coisas começaram a animar. Sobretudo, porque os dois protagonistas perceberam cedo que o segredo estava nos aéreos. Toledo começou mais forte, fruto de um alley-oop inacreditável e quase roçou a perfeição, com 9,57 pontos. Só que Colapinto respondeu praticamente à letra e chegou também à casa dos 9 pontos. Após constantes trocas de ondas e muita emoção, Toledo segurou a vantagem com ambos empatados a 16 pontos. Só que nos derradeiros momentos e sob a prioridade do brasileiro, o californiano arrancou para mais uma aula de aéreos e conseguiu nova nota excelente, terminando com 17 pontos contra 16 de Toledo.

Para quem ainda não tinha vencido no CT, Colapinto tomou o gosto em 2022. Estreou-se nestas lides em Peniche e repetiu a dose em El Salvador, precisamente frente ao mesmo adversário e depois de um evento em que eliminou adversários diretos atrás de adversários diretos – Jordy, Kanoa, Medina e Toledo de seguida. É obra! O jovem norte-americano parece elevar ainda mais o seu surf quando confrontado com o impossível. E dessa forma subiu ao 3.º posto do ranking.

Mesmo sem a espetacularidade de quinta-feira, o El Salvador Pro trouxe sal à segunda metade da temporada do CT 2022 e ajudou a apimentar as contas do ranking, onde tudo parece mais percetível a partir deste momento, quando faltam três etapas para terminar a fase regular – Rio de Janeiro, J-Bay e Teahupoo. Nos homens, com John John lesionado e já lesionado e fora do top 5, parecem ser seis candidatos às 5 vagas. Toledo e Jack Robinson parecem lançados para Trestles, enquanto as próximas etapas prometem uma renhida luta entre Colapinto (3.º), Italo (4.º), Kanoa Igarashi (5.º) e Ethan Ewing (7.º e a menos de mil pontos do cut). E depois há todo o suspense em torno de Medina, que já está a menos de 15 mil pontos do alvo. Isto com duas etapas apenas realizadas. Com um triunfo tudo muda.

Por João Vasco Nunes
1
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

Ultimas de Surf

Notícias