Mundial ISA: Dia nefasto para as estrelas do WCT no Japão

Muitos dos favoritos acabaram por cair logo na 2.ª ronda de repescagem masculina

Ao terceiro dia da prova masculina do Mundial ISA começaram a surgir já as primeiras surpresas. Após um longo dia dedicado à 2.ª ronda do quadro principal e também às rondas iniciais das repescagens, foram vários os surfistas de renome que ficaram já pelo caminho. Alguns dos principais favoritos do WCT, acabaram mesmo por cair com estrondo logo na 2.ª ronda de repescagem, nas pequenas ondas japonesa.

A Austrália foi a equipa mais prejudicada, perdendo de uma assentada o vice-campeão mundial em título Julian Wilson e ainda Owen Wright, que venceu a mais recente etapa do WCT. A eles juntaram-se ainda outros nomes sonantes, como o costarriquenho Noe Mar McGonagle, que já foi campeão mundial ISA, ou o português Vasco Ribeiro, que após duas derrotas esta quinta-feira, acabou por deixar a competição por apenas 0,10 pontos.

O facto de esta presença dos australianos ter servido apenas para validar a candidatura à entrada em Tóquio’2020, pode explicar estas eliminações surpreendentes. É que as vagas australianas vão ser asseguradas pelo WCT e não pelo Mundial ISA, precisando estes apenas de marcar presença nesta prova para estarem "olímpicamente aptos"

Mas há já outros surfistas de renome com apenas uma "vida", tendo perdido na 2.ª ronda e estando já a competir nas repescagens, sem mais margem de erro. É o caso do sul-africano Jordy Smith, do norte-americano Conner Coffin e dos franceses Jeremy Flores e Michel Bourez, todos eles surfistas da elite mundial e todos eles a "cumprirem calendário" no Japão, uma vez que, à semelhança dos australianos, uma eventual qualificação destes para os Jogos Olímpicos passará, certamente, pelo ranking do WCT. Apesar de ainda nada estar perdido para eles, a verdade é que para chegarem à final das medalhas terão de superar mais 10 rondas, sem sofrer qualquer derrota.

Quem segue imune a surpresas é a equipa brasileira, que a par do Japão e do surpreendente Canadá, ainda tem os três representantes em prova no quadro principal. Filipe Toledo, Gabriel Medina e Italo Ferreira afirmam-se cada vez mais como favoritos ao triunfo neste Mundial. Quem também segue com um percurso imaculado é o 11 vezes campeão mundial Kelly Slater, que venceu mais um heat esta quinta-feira.

Quantos aos portugueses a eliminação precoce de Vasco foi compensada pela qualificação de Frederico Morais e Miguel Blanco para a 3.ª ronda do quadro principal. E na próxima fase Kikas até terá um heat acessível pela frente, onde defronta um surfista indonésio, um alemão um salvadorenho, embora esta prova já tenha demonstrado que todos os cuidados são poucos. Já Blanco vai medir forças com o campeão mundial Gabriel Medina.

Um bom arranque dos dois surfistas portugueses, numa altura em que no quadro principal já só restam mais sete surfistas europeus, todos eles a lutarem pela vaga de acesso a Tóquio’2020 que está em jogo já na edição deste ano do Mundial ISA – no Mundial do próximo ano estarão mais em jogo.

Deixe o seu comentário
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Surf

Notícias

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.