Nuno Vitorino compete no nacional britânico de Surf Adaptado em piscina de ondas

Prova vai decorrer este sábado em Bristol, no parque The Wave

• Foto: Facebook Surfing Austrália

Em dezembro do ano passado Nuno Vitorino aventurou-se pela primeira vez numa piscina de ondas, viajando até Bristol, no Reino Unido, para se render às inovações tecnológicas apresentadas pela The Wave. Nessa sessão o surfista português tornou-se no primeiro tetraplégico a surfar aquela onda artificial. Agora, dez meses depois, Vitorino prepara-se para regressar ao parque aquático britânica, mas, desta vez, para competir.

Nuno Vitorino vai enfrentar os melhores surfistas adaptados do Reino Unido durante o campeonato nacional, que irá decorrer no próximo sábado. O facto de a prova ser "Open" permitiu a entrada de atletas estrangeiros. Além de Nuno, também haverá surfistas italianos em prova. Em termos técnicos Nuno vai a Bristol competir, podendo vencer o evento, mas sem estar, logicamente na luta pelo título britânico da categoria.

O surfista português mostra-se "orgulhoso e motivado" para esta prova, garantindo que não vai apenas para participar, mas "para ganhar". A prova está dividida nas seis categorias oficiais da ISA e Nuno irá competir na categoria Assistida (AS5). Para Nuno o facto de já ter estado a surfar na onda poderá garantir uma certa "vantagem".

Depois de a Seleção Nacional ter deixado o Mundial de Surf Adaptado, que se disputou na Califórnia, antes ainda do início da competição, devido ao fecho das fronteiras norte-americanas com a chegada da pandemia da Covid-19, Nuno, que é campeão europeu em título na sua categoria, não quis parar, indo assim ao Reino Unido para manter o ritmo competitivo.

Em termos logísticos está tudo preparado ao pormenor para o surfista e a sua equipa não correrem qualquer risco. A comitiva portuguesa chega durante o dia de sexta-feira a Bristol e ficará instalada num hotel. A competição acontece no sábado e o regresso está marcado para essa mesma madrugada.

Esta participação de Nuno Vitorino nos nacionais britânicos de surf adaptado só é possível porque o surfista detém o estatuto de atleta de alta competição. Nuno agradece ainda o apoio da Federação Portuguesa de Surf e das embaixadas que foram determinantes para tornar esta viagem possível.    

Por João Vasco Nunes
Deixe o seu comentário
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Surf

Em grande número

Há ainda 23 surfistas portugueses em prova no QS 3.000 de Santa Cruz a meio da 3.ª ronda

Notícias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.