Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Carlos Ramos: «O jogador de ténis difícil não é razoável»

Árbitro dirigiu finais com Federer, Nadal, Agassi e as irmãs Williams. No dia 8, Serena chamou-lhe "ladrão". Recorde a entrevista à SÁBADO

Carlos Ramos, discreto e respeitado
Carlos Ramos, discreto e respeitado
Carlos Ramos, discreto e respeitado
A 4 de Fevereiro de 2010, a SÁBADO publicou uma entrevista com Carlos Ramos, o árbitro de ténis português que no sábado dirigiu a final do US Open entre Serena Williams e Naomi Osaka. O encontro ficou marcado pela discussão entre Serena e o árbitro português que advertiu a norte-americana por alegadamente receber instruções do seu treinador. Serena - ainda partiu uma raqueta - exigiu um pedido de desculpas, garantiu não ser batoteira e disse até que foi roubada. Apelidou o português de "mentiroso" e "ladrão", acabando por somar três advertências e o consequente jogo de penalidade. Já depois do encontro, em conferência de imprensa, acusou-o de "sexismo".

Ora, na entrevista à publicação da Cofina, Carlos Ramos assumia que "o jogador de ténis difícil não é razoável". "Há o [jogador] exigente, e quanto mais mediático mais pressão nós sentimos ao arbitrar, mas é uma pressão boa, como, por exemplo, o Roger Federer. E há o difícil porque não é razoável. Não que seja estúpido, mas por lidar mal com a autoridade o resultado de algumas situações depende mais dele do que de nós. O que nos dá pica é gerir emoções e com o olho-de-falcão há muito menos situações dessas", disse.

Recorde o artigo com Carlos Ramos, publicado em 2010. 


Serena Williams volta a atacar árbitro português e fala em sexismo
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Ténis

Notícias

Notícias Mais Vistas

M M