Kiko Silva ganha no CIF, Domingues e Pedro Sousa estreiam-se esta quarta-feira

Na próxima ronda, defronta o espanhol Pedro Martinez

Esperemos que não esteja a abater-se uma maldição sobre os encontros escalonados todos os dias para as 17h00 no Estádio CIF. Um dia depois do campeão do Lisboa Belém Open de 2018, o espanhol Tommy Robredo, ter desistido com uma lesão no tornozelo direito, foi hoje (terça-feira) a vez de Gastão Elias ter o infortúnio de ter-se magoado à mesma hora quando tudo indicava que iria dar a volta a um embate muito complicado da segunda ronda, diante do 3.º cabeça de série do torneio português do ATP Challenger Tour.
 
O torneio de 46.600 euros em prémios monetários, organizado pela MP Ténis e pela UNISPORTS, que decorre até domingo no Club Internacional de Foot-Ball (CIF), no Restelo, perdeu outro jogador português, Tiago Cação, afastado pelo 14.º cabeça de série, enquanto Frederico Silva obteve mais uma boa vitória e passou à segunda ronda. Amanhã (quarta-feira) irão estrear-se Pedro Sousa e João Domingues, respetivamente cabeças de série 4.º e 15.º, que ficaram isentos da ronda inaugural.
 
Vamos, então aos resultados. "Kiko" Silva, beneficiário de um wild card, 326.º no ranking mundial, continua a acumular boas vitórias em Challengers neste seu regresso à competição depois de uma intervenção cirúrgica em janeiro para debelar uma hérnia inguinal. Em Braga, na semana passada, eliminou o norte-americano Bjorn Fratangelo (141.º) e hoje deu conta do canadiano residente em Espanha e de familiares espanhóis, Steven Diez (266.º mas antigo 162.º), pelos parciais de 7-6 (7/3) e 6-3. Diez ganhara a Luís Faria no qualifying.
 
Tiago Cação, que esta semana subiu ao 587.º posto do ranking mundial por ter passado uma ronda no Braga Open, estava apenas pela segunda vez na segunda ronda de um torneio do ATP Challenger Tour, e hoje o wild card de 21 anos desafiou a sério o espanhol Enrique Lopez Perez, o 14.º cabeça de série e 156.º no ranking mundial, só caindo por 7-6 (7/5) e 6-4.
 
Gastão Elias (335.º no ranking mundial), que vinha de três derrotas consecutivas, esteve perto de obter a sua primeira vitória sobre um top-100 mundial desde que bateu o argentino Guido Pella no Rio de Janeiro em fevereiro do ano passado. O wild card da Lourinhã (Casal Novo) que reside na Florida parecia perdido quando em poucos minutos viu-se abaixo por 4-0 frente a um inspiradíssimo Guido Andreozzi (98.º). Mas depois, soube acalmar a tempestade com muita frieza, deu a volta ao resultado e já liderava por 1-6, 6-4 e 1-0, com o seu conceituado adversário visivelmente desnorteado, quando contraiu uma lesão que parece ter sido uma rutura muscular na face anterior da coxa esquerda.
 
Frederico Silva – «Estou satisfeito com o encontro que fiz hoje. Ele é um jogador muito completo e fico muito feliz pela forma como consegui jogar e impor a minha tática. A chave para hoje era variar a altura do jogo, tentar não o deixar confortável. Tanto eu como a minha equipa temos a sensação de que o jogo está mais rápido, que tem cada vez menos. Ter mais armas, jogar mais rápido, conseguir fazer a diferença com o serviço e evoluir nas pancadas de esquerda e direita para darem mais resultado. Hoje a direita paralela foi muito importante».
 
Tiago Cação – «Foi um encontro muito equilibrado, que decidiu-se por um ponto ou outro que infelizmente acabaram por cair para o lado dele, que é um jogador com um nível médio superior. Talvez tenha sido isso que tenha feito a diferença, a experiência dele em alguns momentos, mas estou bastante satisfeito com o nível que apresentei».
 
Gastão Elias – «É um bocadinho frustrante porque sentia-me a jogar bem, sentia-me já por cima do encontro, já o via um pouco perdido do outro lado e sem fio de jogo e eu consegui recuperar bem depois de um primeiro set mais complicado, joguei um segundo set a um grande nível e assim continuei no terceiro set. Mais cedo ou mais tarde senti que iria fazer um break e se tivesse de apostar iria apostar 100% numa vitória minha. É uma pena, seria o primeiro jogador do top-100 que iria derrotar em algum tempo. Posso voltar a jogar bom ténis. Acredito nisso».
 
Para além dos singulares, os portugueses Fred Gil e Bernardo Saraiva obtiveram a sua primeira vitória desde que começaram a emparceirar na semana passada e bateram na primeira ronda de pares o espanhol Javier Barranco e o italiano Raul Brancaccio por 2-6, 6-1 e 10/4.
 
Na jornada de amanhã (quarta-feira) irá completar-se a segunda ronda, com a estreia dos dois portugueses cabeças de série, ambos teóricos candidatos ao título, embora Pedro Sousa, o n.º4 do torneio, 120.º no ranking mundial e semifinalista no ano passado, esteja ainda em dúvida devido à entorse sofrida no Millennium Estoril Open, há duas semanas. O n.º2 português defronta o italiano Roberto Marcora (190.º). Será o quarto confronto entre ambos e Pedro Sousa lidera o mano-a-mano por 2-1, mas o português venceu sempre em terra batida.
 
João Domingues, o n.º15 do torneio, que ascendeu ao seu melhor ranking de sempre (163.º) na sequência da sua estrondosa vitória no Braga Open da semana passada, espera estar fisicamente do desgaste dessa campanha para medir forças nas melhores condições diante do espanhol Mario Vilella Martinez 260.º, um adversário que o jogador de Oliveira de Azeméis derrotou há três anos em terra batida.
 
A jornada de amanhã começa às 10h00 no Estádio CIF com um embate de pares cem por cento português: Gonçalo Falcão e Francisco Cabral frente a Tiago Cação e Luís Faria. Segue-se o encontro de singulares de "Kiko" Silva; depois, um combate de pesos-pesados, entre dois vice-campeões da Taça Davis, o belga Steve Darcis e o francês Adrian Mannarino (o 1.º cabeça de série); seguido do compromisso de Pedro Sousa. João Domingues encerra a jornada no tal fatídico horário das 17h00. A prolongar-se a maldição, que não recaia sobre o português.

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Ténis

Notícias

Notícias Mais Vistas