Sharapova vai recorrer: «Não aceito esta suspensão tão severa»

Russa lembra que o tribunal considerou que não foi intencional

A russa Maria Sharapova anunciou esta quarta-feira que vai recorrer da suspensão de dois anos imposta pela Federação Internacional de Ténis (ITF), na sequência do controlo positivo por meldonium no último Open da Austrália.

"Com a sua decisão de impor uma suspensão de dois anos, o tribunal da ITF concluiu unanimemente que aquilo que fiz não foi intencional. O tribunal descobriu que não procurei tratamento médico de modo a melhorar o rendimento desportivo. A ITF despendeu imenso tempo e dinheiro a tentar provar que eu violei intencionalmente os regulamentos antidoping e o tribunal concluiu que não. Precisam de saber que a ITF pediu uma suspensão de quatro anos e o tribunal rejeitou", começou por dizer uma das maiores figuras do ténis mundial na sua página do Facebook.

Pelo facto de o tribunal ter concluído que a russa não violou deliberadamente o código antidopagem, Sharapova defende que não pode aceitar a suspensão de dois anos.

"O tribunal, cujos membros foram escolhidos pela ITF, concordou que não fiz nada com má intenção, ainda assim querem impedir-me de jogar ténis durante dois anos. Vou recorrer imediatamente para o Tribunal Arbitral do Desporto", revelou.

Em comunicado, a entidade que tutela a modalidade informou que a tenista russa, antiga número um mundial e vencedora de cinco torneios do 'Grand Slam', está suspensa de toda a atividade até 25 de janeiro de 2018 e que lhe serão retirados os pontos relativos ao último Open da Austrália, assim como todos os prémios monetários conquistados.

Sharapova revelou, a 7 de março, que teve um controlo positivo no Open da Austrália por meldonium, uma substância inserida dentro das "Hormonas e moduladores metabólicos" e que passou a fazer parte da lista de substâncias proibidas desde 01 de janeiro, mas desculpou-se assumindo que não tinha visto a lista atualizada enviada pela Agência Mundial Antidopagem (AMA).

A russa alegou que tomava a substância desde 2006 para combater a predisposição genética para a diabetes, a falta de ferro, a deficiência imunológica e frequências cardíacas irregulares.

O positivo foi registado num controlo realizado a 26 de janeiro, dia do seu encontro dos quartos de final com a número um mundial, a norte-americana Serena Williams, que a russa perdeu por 6-4 e 6-1.

O meldonium (ou mildronate) é um fármaco, proibido na Europa Ocidental e nos Estados Unidos, recomendado para combater a insuficiência cardiovascular e permite que o coração suporte grandes cargas de trabalho físico ou intelectual.

No entanto, a AMA decidiu proibi-lo este ano, após receber dados alarmantes que confirmavam o seu uso recorrente por parte de desportistas profissionais nos países resultantes do desmembramento da União Soviética.

Por Lusa
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
Subscreva a newsletter

e receba as noticias em primeira mão

ver exemplo

Ultimas de Ténis

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.