João Sousa: «Sabia que tinha de jogar bem e foi perfeito»

Tenista português analisa triunfo sobre Lucas Pouille, que o colocou nos 'oitavos' do US Open

• Foto: Getty Images
PUB

João Sousa mostrou-se neste sábado "muito feliz" por ter alcançado pela primeira vez os oitavos-de-final do US Open, último major da temporada, depois do encontro "perfeito" frente ao francês Lucas Pouille.

"Já tinha jogado imensas terceiras rondas, mas hoje [sábado] estava muito focado, sabia que tinha de jogar bem e foi perfeito. Estou muito feliz por estar pela primeira vez nos oitavos-de-final", confessou o vimaranense durante uma entrevista no court 17, o quarto maior de Flushing Meadows, onde se realiza o torneio norte-americano.

Graças ao triunfo diante do 17.º do ranking mundial e antigo quartofinalista do US Open em 2016, João Sousa fez história e tornou-se no primeiro jogador português, homem ou mulher, a alcançar a quarta ronda de um torneio do Grand Slam.

"Depois de uma longa batalha e uma excelente vitória, não podia estar mais contente. O objetivo de estar na segunda semana de um Grand Slam foi finalmente alcançado, depois de algumas tentativas. Estou muito feliz pela maneira como me apresentei, o nível que exibi. Estive na maior parte do encontro a grande nível", afirmou o 68.º ATP, confessando ter, ainda assim, passado "por alguns altos e baixos". "Mas é normal. O Lucas é um excelente jogador", sublinhou.

Da bancada, Frederico Marques, treinador do minhoto de 29 anos, assistiu a um "encontro bastante exigente, de xadrez e muito tático" dos dois jogadores. "Tinham a lição bem estudada", sustentou o técnico, considerando ter sido momento crucial no desafio "a resposta agressiva" do português "no set point contra no quarto set. Provocou alguma ansiedade ao adversário e com isso um bom começo do último tiebreak".

Com a família presente em Nova Iorque, o número um nacional angariou, com o triunfo na terceira ronda, para já, cerca de 135 mil euros e o regresso virtual ao top-50, num torneio em que regressou às vitórias após sete derrotas consecutivas deste os quartos de final do Antalya Open, em finais de maio.

"Como sabem, os resultados nos últimos meses não foram os desejados, mas sempre acreditámos que eles poderiam voltar a acontecer, porque estávamos a trabalhar muito bem. Tem sido uma grande semana e tenho melhorado de ronda para ronda", afiançou Sousa.

Nos oitavos de final, João Sousa vai encontrar um jogador que conhece bem, Novak Djokovic, antigo número um mundial que atualmente figura na 6.ª posição da tabela ATP. Além de nunca ter vencido nenhum dos quatro encontros disputados pelos dois, um dos quais no US Open em 2013 e dois em Roland Garros (2014 e 2017), o tenista português nunca conseguiu arrancar um set ao bicampeão do US Open em 2011 e 2015 e um dos favoritos a vencer este ano em Nova Iorque.

Por Lusa
Deixe o seu comentário
PUB