As notas dos jogadores do Sporting frente ao Empoli numa noite desinspirada

Bruno Fernandes (3) - Foi o mais desequilibrador da equipa do Sporting. Jogou no apoio a Bas Dost e, através do seu posicionamento, conseguiu encontrar espaços na defesa do Empoli, que esteve sempre muito baixa em campo. Aos 24 minutos de jogo tabelou bem com Nani, mostrando todo o seu virtuosismo técnico, mas o lance não teve consequências. Aos 44’, voltou a desequilibrar a partir do lado esquerdo, mas aí decidiu mal ao rematar.
Ristovski (3) - Sempre bastante concentrado a defender, acumulou vários cortes importantes. Foi, no entanto, a atacar que acabou por destacar-se. Aos 39 minutos, subiu bem pelo flanco e cruzou de forma perfeita para Bas Dost, que em boa posição cabeceou por cima. Para já, parte à frente de Bruno Gaspar.
Coates (3) - O golo do Empoli foi na sua área de jurisdição, mas até aí realizou uma exibição sem mácula. Teve cortes providenciais e na área contrária ainda criou desequilíbrios, como foi visível num cabeceamento, ainda que mal medido, aos 3’ de jogo.
Mathieu (3) - É o patrão da defesa do Sporting. Fez um jogo irrepreensível a nível posicional, dobrando várias vezes Coates. Como se não bastasse, evitou o segundo golo do Empoli com um corte na linha de baliza, aos 73’. Nos penáltis, converteu sem problemas o castigo máximo. Aos 34 anos , continua com uma frescura e velocidade dignas de assinalar.
Jefferson (3) - Neste momento, percebe-se que é dele o lugar na esquerda. É o típico lateral brasileiro, pois acaba quase sempre por ser mais preponderante a atacar do que propriamente a defender, embora não tenha tido lapsos de maior. É também uma das primeiras opções nas bolas paradas.
Battaglia (3) - Nem sempre as coisas lhe saíram bem, mas foi de uma abnegação tal que já perto do final do jogo ouviu aplausos, após pressionar uma saída de bola do Empoli. Tentou várias vezes o golo e, aos 80 minutos, esteve bem perto, com um cabeceamento que o guardião contrário defendeu no limite.
Misic (3) - Antes do golo não estava a fazer um bom jogo. Além dos vários passes falhados, mostrou sempre pouca intensidade nas ações. O grande remate de pé esquerdo, à entrada da grande área, acaba por diferenciar o muito bom do... não tão bom.
Acuña (2) - Ainda está à procura da forma ideal, mas a verdade é que voltou a fazer uma exibição desinspirada. O argentino não é um jogador com velocidade, mas por norma cria desequilíbrios no flanco. Com a equipa italiana não foi o caso, excetuando um cruzamento bem medido para Bruno Fernandes, aos 25 minutos de jogo.
Bas Dost (2) - Tal como Acuña, ainda procura voltar ao nível habitual. Frente ao Empoli, dispôs de três ocasiões para fazer golo, mas não marcou. Na primeira oportunidade de que dispôs, o guarda-redes italiano defendeu o seu cabeceamento, mas, nas restantes, nem na baliza acertou, e até estava em posições privilegiadas.
Wendel (2) - Entrou na segunda parte para o meio-campo e foi o elo de ligação com o ataque. Tentou levar a bola para terrenos mais adiantados, mas a verdade é que sem criar desequilíbrios. Valeu pela atitude.
André Pinto (2) - Substituiu Coates no centro da defesa leonina e, no pouco tempo que jogou, foi confrontado várias vezes com o contra-ataque do Empoli.
Montero (1) - Substituiu Bas Dost no ataque e foi importante no apoio frontal, mas não teve uma oportunidade para finalizar. Nos penáltis não teve problemas em concretizar.
Mané (1) - Depois de um ano parado vai tentando ganhar ritmo competitivo. Ontem, teve mais alguns minutos e demonstrou a irreverência e velocidade habituais. Com o tempo pode ter mais preponderância.
Matheus (2) - Dos jogadores que entraram, foi o que mais agitou. Jogou atrás de Montero e teve um remate perigoso perto do final, um pouco acima da barra. No desempate por penáltis foi displicente e permitiu a defesa a Provedel.
Viviano (2) - Globalmente teve um jogo descansado. Aliás, a sua primeira intervenção de registo foi aos 63 minutos, na sequência de um livre direto. No golo não teve responsabilidades, mas percebe-se que não vai ter muita margem de erro em Alvalade. Precisa de melhorar o jogo com os pés, já que pelo menos ontem apresentou várias deficiências na saída de bola.
Nani (3) - Jogou encostado à direita e teve sempre a tendência de vir para dentro para conseguir criar desequilíbrios. Tem um toque de bola diferente, mas a finalizar não esteve ao seu nível, com dois remates muito tortos dentro da área. Neste momento ainda está à procura da melhor forma física.
Bruno Gaspar (1) - É um lateral muito ofensivo, mas não teve particular destaque nesse capítulo. Entrou a seguir ao golo do Empoli, numa altura em que o adversário voltou a recuar no terreno, e não teve muito espaço para criar desequilíbrios. Defensivamente não comprometeu.
Raphinha (2) - Arriscou nos duelos individuais e ganhou vários cantos na parte final do encontro. Ontem não fez parte da equipa titular, mas mostrou que é uma opção bastante válida para as alas.
Bruno Fernandes (3) - Foi o mais desequilibrador da equipa do Sporting. Jogou no apoio a Bas Dost e, através do seu posicionamento, conseguiu encontrar espaços na defesa do Empoli, que esteve sempre muito baixa em campo. Aos 24 minutos de jogo tabelou bem com Nani, mostrando todo o seu virtuosismo técnico, mas o lance não teve consequências. Aos 44’, voltou a desequilibrar a partir do lado esquerdo, mas aí decidiu mal ao rematar.
Ristovski (3) - Sempre bastante concentrado a defender, acumulou vários cortes importantes. Foi, no entanto, a atacar que acabou por destacar-se. Aos 39 minutos, subiu bem pelo flanco e cruzou de forma perfeita para Bas Dost, que em boa posição cabeceou por cima. Para já, parte à frente de Bruno Gaspar.
Coates (3) - O golo do Empoli foi na sua área de jurisdição, mas até aí realizou uma exibição sem mácula. Teve cortes providenciais e na área contrária ainda criou desequilíbrios, como foi visível num cabeceamento, ainda que mal medido, aos 3’ de jogo.
Mathieu (3) - É o patrão da defesa do Sporting. Fez um jogo irrepreensível a nível posicional, dobrando várias vezes Coates. Como se não bastasse, evitou o segundo golo do Empoli com um corte na linha de baliza, aos 73’. Nos penáltis, converteu sem problemas o castigo máximo. Aos 34 anos , continua com uma frescura e velocidade dignas de assinalar.
Jefferson (3) - Neste momento, percebe-se que é dele o lugar na esquerda. É o típico lateral brasileiro, pois acaba quase sempre por ser mais preponderante a atacar do que propriamente a defender, embora não tenha tido lapsos de maior. É também uma das primeiras opções nas bolas paradas.
Battaglia (3) - Nem sempre as coisas lhe saíram bem, mas foi de uma abnegação tal que já perto do final do jogo ouviu aplausos, após pressionar uma saída de bola do Empoli. Tentou várias vezes o golo e, aos 80 minutos, esteve bem perto, com um cabeceamento que o guardião contrário defendeu no limite.
Misic (3) - Antes do golo não estava a fazer um bom jogo. Além dos vários passes falhados, mostrou sempre pouca intensidade nas ações. O grande remate de pé esquerdo, à entrada da grande área, acaba por diferenciar o muito bom do... não tão bom.
Acuña (2) - Ainda está à procura da forma ideal, mas a verdade é que voltou a fazer uma exibição desinspirada. O argentino não é um jogador com velocidade, mas por norma cria desequilíbrios no flanco. Com a equipa italiana não foi o caso, excetuando um cruzamento bem medido para Bruno Fernandes, aos 25 minutos de jogo.
Bas Dost (2) - Tal como Acuña, ainda procura voltar ao nível habitual. Frente ao Empoli, dispôs de três ocasiões para fazer golo, mas não marcou. Na primeira oportunidade de que dispôs, o guarda-redes italiano defendeu o seu cabeceamento, mas, nas restantes, nem na baliza acertou, e até estava em posições privilegiadas.
Wendel (2) - Entrou na segunda parte para o meio-campo e foi o elo de ligação com o ataque. Tentou levar a bola para terrenos mais adiantados, mas a verdade é que sem criar desequilíbrios. Valeu pela atitude.
André Pinto (2) - Substituiu Coates no centro da defesa leonina e, no pouco tempo que jogou, foi confrontado várias vezes com o contra-ataque do Empoli.
Montero (1) - Substituiu Bas Dost no ataque e foi importante no apoio frontal, mas não teve uma oportunidade para finalizar. Nos penáltis não teve problemas em concretizar.
Mané (1) - Depois de um ano parado vai tentando ganhar ritmo competitivo. Ontem, teve mais alguns minutos e demonstrou a irreverência e velocidade habituais. Com o tempo pode ter mais preponderância.
Matheus (2) - Dos jogadores que entraram, foi o que mais agitou. Jogou atrás de Montero e teve um remate perigoso perto do final, um pouco acima da barra. No desempate por penáltis foi displicente e permitiu a defesa a Provedel.
Viviano (2) - Globalmente teve um jogo descansado. Aliás, a sua primeira intervenção de registo foi aos 63 minutos, na sequência de um livre direto. No golo não teve responsabilidades, mas percebe-se que não vai ter muita margem de erro em Alvalade. Precisa de melhorar o jogo com os pés, já que pelo menos ontem apresentou várias deficiências na saída de bola.
Nani (3) - Jogou encostado à direita e teve sempre a tendência de vir para dentro para conseguir criar desequilíbrios. Tem um toque de bola diferente, mas a finalizar não esteve ao seu nível, com dois remates muito tortos dentro da área. Neste momento ainda está à procura da melhor forma física.
Bruno Gaspar (1) - É um lateral muito ofensivo, mas não teve particular destaque nesse capítulo. Entrou a seguir ao golo do Empoli, numa altura em que o adversário voltou a recuar no terreno, e não teve muito espaço para criar desequilíbrios. Defensivamente não comprometeu.
Raphinha (2) - Arriscou nos duelos individuais e ganhou vários cantos na parte final do encontro. Ontem não fez parte da equipa titular, mas mostrou que é uma opção bastante válida para as alas.
Bruno Fernandes (3) - Foi o mais desequilibrador da equipa do Sporting. Jogou no apoio a Bas Dost e, através do seu posicionamento, conseguiu encontrar espaços na defesa do Empoli, que esteve sempre muito baixa em campo. Aos 24 minutos de jogo tabelou bem com Nani, mostrando todo o seu virtuosismo técnico, mas o lance não teve consequências. Aos 44’, voltou a desequilibrar a partir do lado esquerdo, mas aí decidiu mal ao rematar.
Ristovski (3) - Sempre bastante concentrado a defender, acumulou vários cortes importantes. Foi, no entanto, a atacar que acabou por destacar-se. Aos 39 minutos, subiu bem pelo flanco e cruzou de forma perfeita para Bas Dost, que em boa posição cabeceou por cima. Para já, parte à frente de Bruno Gaspar.
Coates (3) - O golo do Empoli foi na sua área de jurisdição, mas até aí realizou uma exibição sem mácula. Teve cortes providenciais e na área contrária ainda criou desequilíbrios, como foi visível num cabeceamento, ainda que mal medido, aos 3’ de jogo.
Mathieu (3) - É o patrão da defesa do Sporting. Fez um jogo irrepreensível a nível posicional, dobrando várias vezes Coates. Como se não bastasse, evitou o segundo golo do Empoli com um corte na linha de baliza, aos 73’. Nos penáltis, converteu sem problemas o castigo máximo. Aos 34 anos , continua com uma frescura e velocidade dignas de assinalar.
Jefferson (3) - Neste momento, percebe-se que é dele o lugar na esquerda. É o típico lateral brasileiro, pois acaba quase sempre por ser mais preponderante a atacar do que propriamente a defender, embora não tenha tido lapsos de maior. É também uma das primeiras opções nas bolas paradas.
Battaglia (3) - Nem sempre as coisas lhe saíram bem, mas foi de uma abnegação tal que já perto do final do jogo ouviu aplausos, após pressionar uma saída de bola do Empoli. Tentou várias vezes o golo e, aos 80 minutos, esteve bem perto, com um cabeceamento que o guardião contrário defendeu no limite.
Misic (3) - Antes do golo não estava a fazer um bom jogo. Além dos vários passes falhados, mostrou sempre pouca intensidade nas ações. O grande remate de pé esquerdo, à entrada da grande área, acaba por diferenciar o muito bom do... não tão bom.
Acuña (2) - Ainda está à procura da forma ideal, mas a verdade é que voltou a fazer uma exibição desinspirada. O argentino não é um jogador com velocidade, mas por norma cria desequilíbrios no flanco. Com a equipa italiana não foi o caso, excetuando um cruzamento bem medido para Bruno Fernandes, aos 25 minutos de jogo.
Bas Dost (2) - Tal como Acuña, ainda procura voltar ao nível habitual. Frente ao Empoli, dispôs de três ocasiões para fazer golo, mas não marcou. Na primeira oportunidade de que dispôs, o guarda-redes italiano defendeu o seu cabeceamento, mas, nas restantes, nem na baliza acertou, e até estava em posições privilegiadas.
Wendel (2) - Entrou na segunda parte para o meio-campo e foi o elo de ligação com o ataque. Tentou levar a bola para terrenos mais adiantados, mas a verdade é que sem criar desequilíbrios. Valeu pela atitude.
André Pinto (2) - Substituiu Coates no centro da defesa leonina e, no pouco tempo que jogou, foi confrontado várias vezes com o contra-ataque do Empoli.
Montero (1) - Substituiu Bas Dost no ataque e foi importante no apoio frontal, mas não teve uma oportunidade para finalizar. Nos penáltis não teve problemas em concretizar.
Mané (1) - Depois de um ano parado vai tentando ganhar ritmo competitivo. Ontem, teve mais alguns minutos e demonstrou a irreverência e velocidade habituais. Com o tempo pode ter mais preponderância.
Matheus (2) - Dos jogadores que entraram, foi o que mais agitou. Jogou atrás de Montero e teve um remate perigoso perto do final, um pouco acima da barra. No desempate por penáltis foi displicente e permitiu a defesa a Provedel.
Viviano (2) - Globalmente teve um jogo descansado. Aliás, a sua primeira intervenção de registo foi aos 63 minutos, na sequência de um livre direto. No golo não teve responsabilidades, mas percebe-se que não vai ter muita margem de erro em Alvalade. Precisa de melhorar o jogo com os pés, já que pelo menos ontem apresentou várias deficiências na saída de bola.
Nani (3) - Jogou encostado à direita e teve sempre a tendência de vir para dentro para conseguir criar desequilíbrios. Tem um toque de bola diferente, mas a finalizar não esteve ao seu nível, com dois remates muito tortos dentro da área. Neste momento ainda está à procura da melhor forma física.
Bruno Gaspar (1) - É um lateral muito ofensivo, mas não teve particular destaque nesse capítulo. Entrou a seguir ao golo do Empoli, numa altura em que o adversário voltou a recuar no terreno, e não teve muito espaço para criar desequilíbrios. Defensivamente não comprometeu.
Raphinha (2) - Arriscou nos duelos individuais e ganhou vários cantos na parte final do encontro. Ontem não fez parte da equipa titular, mas mostrou que é uma opção bastante válida para as alas.
A exibição do Sporting diante do Empoli foi globalmente desinspirada e o futebol, em certos momentos do jogo, muito pouco. Perante uma equipa em bloco baixo, o Sporting teve sempre dificuldades em encontrar espaços mas criou oportunidades de golo. Bas Dost tentou, Misic marcou, mas foi Bruno Fernandes quem mais desequilibrou. A avaliação dos jogadores leoninos, um a um.
12
Deixe o seu comentário

Pub

Publicidade
12
Deixe o seu comentário

Mais Vistas

Últimas Notícias

Notícias

Fotogalerias

Fotogalerias

Sporting

Fotogalerias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.