Em 2000 eram os jogadores mais promissores: 20 anos depois o que aconteceu?

50 - Fabio Gatti. O jogador italiano não conseguiu mais que uma carreira nas divisões inferiores de Itália
49 - Alessandro Gamberini. O defesa passou toda a carreira em Itália e jogou durante 7 épocas na Fiorentina. Terminou no Chievo.
48 - Johan Elmander. O avançado é da mesma geração sueca de Ibrahimovic. Teve uma carreira sólida na Europa, com passagens por Bolton, Toulouse, Galatasaray, Feyenoord, entre outros. Voltou ao Örgryte, onde se formou, e por lá terminou a carreira.
47 - Danielle De Rossi, Roma: Dispensa apresentações. Uma carreira inteira dedicada à AS Roma e 117 internacionalizações pela Itália fazem dele uma lenda.
46 - Maicon. Tem uma carreira invejável. Esteve seis épocas no Inter Milão e foi considerado o melhor defesa direito do Mundo.
45 - Andreas Hinkel.Teve uma carreira sólida, com passagens por Sevilha, onde ganhou a Taça UEFA, Celtic e Estugarda, onde foi formado. Reformou-se ainda antes dos 30 anos, em 2012
44 - Milan Baros. O avançado checo foi essencial na conquista da Liga dos Campeões pelo Liverpool, em 2005.
43 - Christian Maggio. Passou por Fiorentina e Sampdoria até chegar ao Nápoles, onde foi capitão de equipa.
42 - Kim Kallstrom. O sueco tinha muita qualidade, mas era pouco regular. Passou por Lyon, Rennes e Arsenal, mas nunca chegou a fora de série.
41 - Cristian Zaccardo. Esteve sólido no Parma e Palermo, teve uma passagem fraca pelo Wolfsburgo e esteve no Milan, onde pouco jogou
40 - Landon Donovan. Nunca foi extraordinário na Europa, mas chegou a herói nos Estados Unidos.
39 - El Hadji Diouf. O senegalês passou grande parte da carreira em Inglaterra, onde teve passagens sólidas por Liverpool, Bolton e Leeds. Terminou a carreira na Malásia.
38 - Julius Aghahowa. Passou completamente ao lado de uma boa carreira. Jogou pouco na Ucrânia, e a única boa estadia num clube foi no Kayserispor da Turquia, onde apenas ficou uma temporada.
37 - Joaquín. Parecia que ia ser dono do Mundo quando começou a jogar no Bétis, mas não chegou às expetativas. Conseguiu uma boa carreira, mas longe de ser inesquecível.
36 - Julio Baptista. Podia ter sido enorme, mas não foi capaz. 'La Bestia' passou por Sevilla, Real Madrid e Arsenal em quatro temporadas, mas depois 'perdeu-se'.
35 - Mikel Arteta. Não chegou a ser um dos melhores, mas conseguiu ser herói no Everton. Depois de oito épocas nos toffees, passou para o Arsenal, onde também foi sólido.
34 - Fernando Cavenaghi. Podia ter sido muito mais do que foi. Teve um começo excelente de carreira, com 55 golos em 90 jogos pelo River Plate e protagonizou duas excelentes épocas no Bordéus, mas depois de sair de França pouco jogou e não voltou a ser o mesmo até regressar à Argentina. Terminou no Chipre.
33- Steven Pienaar. Foi um dos melhores jogadores da história da África do Sul, com passagens por Everton e Ajax da Holanda.
32 - Xabi Alonso. Foi um dos melhores médios dos últimos largos anos e foi sempre gigante em todos os clubes por onde passou.
31 - Jermain Defoe. Um goleador nato desde sempre. Continua a marcar. Joga no Rangers, por empréstimo do Bournemouth
30 - Emanuele Calaiò. Demonstrou os seus instintos de goleador no Pescara, Nápoles, Siena e Parma. Nunca conseguiu outros voos e nunca foi internacional pelo seu país.
29 - Roberto Guana. Não passou de um bom médio para equipas do meio da tabela do campeonato italiano.
28 - Asier Del Horno. Teve um excelente início de carreira e chegou ao Chelsea... E ficou-se por aí.
27 - Michael Carrick. Foi dono e senhor do meio-campo do Manchester United, onde ainda os adeptos chamam por ele.
26 - Pepe Reina. Foi campeão da Europa e do Mundo e tem mais de 700 jogos.
25 - Gaetano D’Agostino. O topo da sua carreira foi atingido em quatro temporadas na Udinese, de 2006 a 2010.
24 - David Aganzo. Ganhou uma Liga dos Campeões no começo da carreira e a partir daí raramente passou por clubes da La Liga.
23 - Francis Jeffers. O seu ponto alto foi a época 2002/03 no Arsenal. Foi inconstante durante quase toda a sua carreira, nunca sendo titular de caras na Premier League.
22 - Philippe Mexès. Foi sempre cumpridor. Numa carreira sólida, passou por Auxerre, Roma e Milan.
21 - Kaká. Ganhou a Bola de Ouro em 2007 e tinha o mundo aos seus pés. A decisão de ir para o Real Madrid acabou por não ser a melhor e o brasileiro passou cada vez mais ao lado dos holofotes, até terminar a carreira nos EUA.
20 - Fabricio Coloccini. Cumpriu sempre em todos os clubes por onde passou, com destaque para o Newcastle, onde jogou durante quase oito temporadas.
19 - Massimo Donati. Passou quase toda a sua carreira em clubes menores de Itália, com exceção de uma temporada no Milan. O campeonato escocês, ganho ao serviço do Celtic, é o seu único título.
18 - Samuele Dalla Bona. Fez duas boas temporadas pelo Chelsea. Ainda passou pelo Milan e teve duas boas épocas no Lecce e Sampdoria. Depois disso, desapareceu.
17 - Owen Hargreaves. De mais passou para menos e de menos passou para nada. A quantidade de problemas nos joelhos também não ajudou a que o inglês atingisse o estrelato.
16 - Daniele Bonera. No começo da carreira prometia muito e chegou mesmo ao Milan, onde ganhou a Liga dos Campeões. No entanto, em Milão foi apenas jogando de vez em quando, acabando por ingressar no Villarreal.
15 - Alberto Gilardino. Foi um dos melhores avançados italianos do século 21, com mais de 200 golos marcados.
14 - Pinga. Quem?
13 - Andrés D’Alessandro. Tinha qualidade de sobra, faltou a regularidade. Ainda joga no Internacional.
12 - Djibril Cissé. Cumpridor. Teve um final de carreira que não espelhou toda a qualidade que mostrou no seu auge.
11 - Roque Santa Cruz. Acabou por ser curto para as grandes equipas, mas cumpriu sempre em clubes médios. Ainda joga no Club Olimpia
10 - Johnnier Montaño. Em quatro anos na Europa não fez pouco mais de 30 jogos. Passou grande parte da sua carreira no Peru e muito longe do topo.
9 - Vicente. Se não fossem as lesões, podia ser muito mais.
8 - Samuel Eto'o. Tornou-se num dos melhores avançados da última década no Barcelona. É pena ter ficado longe dos holofotes no final da carreira
7 - Adriano. Se tivesse cabeça, teria sido um dos melhores de sempre, mas acabou por passar ao lado de uma grande carreira.
6 - Joe Cole. A eterna promessa inglesa.
5 - Rafael Van der Vaart. Muita qualidade, mas nunca conseguiu singrar nos grandes.
4 - Zlatan Ibrahimovic. Lenda. Deus Zlatan desde sempre. Não falhou em nenhum clube por onde passou. Ainda brilha no Milan
3 - Iker Casillas - Lenda do Real Madrid, mudou-se para o FC Porto onde fez épocas em grande nível, mas um enfarte do miocárdio obrigou-o a parar. Já terminou a carreira, tendo recentemente regressado à estrutura merengue
2 - Antonio Cassano- Foi grande, mas nem de perto, nem de longe o que poderia ter sido. Quando a cabeça não tem juízo...
1 - Javier Saviola: 'El Conejo' podia ter sido tudo, mas as lesões e a falta de oportunidades depois da saída do Barcelona levou-o a ser 'só' um bom avançado. Ainda se revitalizou na Luz, mas não por muito tempo.
50 - Fabio Gatti. O jogador italiano não conseguiu mais que uma carreira nas divisões inferiores de Itália
49 - Alessandro Gamberini. O defesa passou toda a carreira em Itália e jogou durante 7 épocas na Fiorentina. Terminou no Chievo.
48 - Johan Elmander. O avançado é da mesma geração sueca de Ibrahimovic. Teve uma carreira sólida na Europa, com passagens por Bolton, Toulouse, Galatasaray, Feyenoord, entre outros. Voltou ao Örgryte, onde se formou, e por lá terminou a carreira.
47 - Danielle De Rossi, Roma: Dispensa apresentações. Uma carreira inteira dedicada à AS Roma e 117 internacionalizações pela Itália fazem dele uma lenda.
46 - Maicon. Tem uma carreira invejável. Esteve seis épocas no Inter Milão e foi considerado o melhor defesa direito do Mundo.
45 - Andreas Hinkel.Teve uma carreira sólida, com passagens por Sevilha, onde ganhou a Taça UEFA, Celtic e Estugarda, onde foi formado. Reformou-se ainda antes dos 30 anos, em 2012
44 - Milan Baros. O avançado checo foi essencial na conquista da Liga dos Campeões pelo Liverpool, em 2005.
43 - Christian Maggio. Passou por Fiorentina e Sampdoria até chegar ao Nápoles, onde foi capitão de equipa.
42 - Kim Kallstrom. O sueco tinha muita qualidade, mas era pouco regular. Passou por Lyon, Rennes e Arsenal, mas nunca chegou a fora de série.
41 - Cristian Zaccardo. Esteve sólido no Parma e Palermo, teve uma passagem fraca pelo Wolfsburgo e esteve no Milan, onde pouco jogou
40 - Landon Donovan. Nunca foi extraordinário na Europa, mas chegou a herói nos Estados Unidos.
39 - El Hadji Diouf. O senegalês passou grande parte da carreira em Inglaterra, onde teve passagens sólidas por Liverpool, Bolton e Leeds. Terminou a carreira na Malásia.
38 - Julius Aghahowa. Passou completamente ao lado de uma boa carreira. Jogou pouco na Ucrânia, e a única boa estadia num clube foi no Kayserispor da Turquia, onde apenas ficou uma temporada.
37 - Joaquín. Parecia que ia ser dono do Mundo quando começou a jogar no Bétis, mas não chegou às expetativas. Conseguiu uma boa carreira, mas longe de ser inesquecível.
36 - Julio Baptista. Podia ter sido enorme, mas não foi capaz. 'La Bestia' passou por Sevilla, Real Madrid e Arsenal em quatro temporadas, mas depois 'perdeu-se'.
35 - Mikel Arteta. Não chegou a ser um dos melhores, mas conseguiu ser herói no Everton. Depois de oito épocas nos toffees, passou para o Arsenal, onde também foi sólido.
34 - Fernando Cavenaghi. Podia ter sido muito mais do que foi. Teve um começo excelente de carreira, com 55 golos em 90 jogos pelo River Plate e protagonizou duas excelentes épocas no Bordéus, mas depois de sair de França pouco jogou e não voltou a ser o mesmo até regressar à Argentina. Terminou no Chipre.
33- Steven Pienaar. Foi um dos melhores jogadores da história da África do Sul, com passagens por Everton e Ajax da Holanda.
32 - Xabi Alonso. Foi um dos melhores médios dos últimos largos anos e foi sempre gigante em todos os clubes por onde passou.
31 - Jermain Defoe. Um goleador nato desde sempre. Continua a marcar. Joga no Rangers, por empréstimo do Bournemouth
30 - Emanuele Calaiò. Demonstrou os seus instintos de goleador no Pescara, Nápoles, Siena e Parma. Nunca conseguiu outros voos e nunca foi internacional pelo seu país.
29 - Roberto Guana. Não passou de um bom médio para equipas do meio da tabela do campeonato italiano.
28 - Asier Del Horno. Teve um excelente início de carreira e chegou ao Chelsea... E ficou-se por aí.
27 - Michael Carrick. Foi dono e senhor do meio-campo do Manchester United, onde ainda os adeptos chamam por ele.
26 - Pepe Reina. Foi campeão da Europa e do Mundo e tem mais de 700 jogos.
25 - Gaetano D’Agostino. O topo da sua carreira foi atingido em quatro temporadas na Udinese, de 2006 a 2010.
24 - David Aganzo. Ganhou uma Liga dos Campeões no começo da carreira e a partir daí raramente passou por clubes da La Liga.
23 - Francis Jeffers. O seu ponto alto foi a época 2002/03 no Arsenal. Foi inconstante durante quase toda a sua carreira, nunca sendo titular de caras na Premier League.
22 - Philippe Mexès. Foi sempre cumpridor. Numa carreira sólida, passou por Auxerre, Roma e Milan.
21 - Kaká. Ganhou a Bola de Ouro em 2007 e tinha o mundo aos seus pés. A decisão de ir para o Real Madrid acabou por não ser a melhor e o brasileiro passou cada vez mais ao lado dos holofotes, até terminar a carreira nos EUA.
20 - Fabricio Coloccini. Cumpriu sempre em todos os clubes por onde passou, com destaque para o Newcastle, onde jogou durante quase oito temporadas.
19 - Massimo Donati. Passou quase toda a sua carreira em clubes menores de Itália, com exceção de uma temporada no Milan. O campeonato escocês, ganho ao serviço do Celtic, é o seu único título.
18 - Samuele Dalla Bona. Fez duas boas temporadas pelo Chelsea. Ainda passou pelo Milan e teve duas boas épocas no Lecce e Sampdoria. Depois disso, desapareceu.
17 - Owen Hargreaves. De mais passou para menos e de menos passou para nada. A quantidade de problemas nos joelhos também não ajudou a que o inglês atingisse o estrelato.
16 - Daniele Bonera. No começo da carreira prometia muito e chegou mesmo ao Milan, onde ganhou a Liga dos Campeões. No entanto, em Milão foi apenas jogando de vez em quando, acabando por ingressar no Villarreal.
15 - Alberto Gilardino. Foi um dos melhores avançados italianos do século 21, com mais de 200 golos marcados.
14 - Pinga. Quem?
13 - Andrés D’Alessandro. Tinha qualidade de sobra, faltou a regularidade. Ainda joga no Internacional.
12 - Djibril Cissé. Cumpridor. Teve um final de carreira que não espelhou toda a qualidade que mostrou no seu auge.
11 - Roque Santa Cruz. Acabou por ser curto para as grandes equipas, mas cumpriu sempre em clubes médios. Ainda joga no Club Olimpia
10 - Johnnier Montaño. Em quatro anos na Europa não fez pouco mais de 30 jogos. Passou grande parte da sua carreira no Peru e muito longe do topo.
9 - Vicente. Se não fossem as lesões, podia ser muito mais.
8 - Samuel Eto'o. Tornou-se num dos melhores avançados da última década no Barcelona. É pena ter ficado longe dos holofotes no final da carreira
7 - Adriano. Se tivesse cabeça, teria sido um dos melhores de sempre, mas acabou por passar ao lado de uma grande carreira.
6 - Joe Cole. A eterna promessa inglesa.
5 - Rafael Van der Vaart. Muita qualidade, mas nunca conseguiu singrar nos grandes.
4 - Zlatan Ibrahimovic. Lenda. Deus Zlatan desde sempre. Não falhou em nenhum clube por onde passou. Ainda brilha no Milan
3 - Iker Casillas - Lenda do Real Madrid, mudou-se para o FC Porto onde fez épocas em grande nível, mas um enfarte do miocárdio obrigou-o a parar. Já terminou a carreira, tendo recentemente regressado à estrutura merengue
2 - Antonio Cassano- Foi grande, mas nem de perto, nem de longe o que poderia ter sido. Quando a cabeça não tem juízo...
1 - Javier Saviola: 'El Conejo' podia ter sido tudo, mas as lesões e a falta de oportunidades depois da saída do Barcelona levou-o a ser 'só' um bom avançado. Ainda se revitalizou na Luz, mas não por muito tempo.
50 - Fabio Gatti. O jogador italiano não conseguiu mais que uma carreira nas divisões inferiores de Itália
49 - Alessandro Gamberini. O defesa passou toda a carreira em Itália e jogou durante 7 épocas na Fiorentina. Terminou no Chievo.
48 - Johan Elmander. O avançado é da mesma geração sueca de Ibrahimovic. Teve uma carreira sólida na Europa, com passagens por Bolton, Toulouse, Galatasaray, Feyenoord, entre outros. Voltou ao Örgryte, onde se formou, e por lá terminou a carreira.
47 - Danielle De Rossi, Roma: Dispensa apresentações. Uma carreira inteira dedicada à AS Roma e 117 internacionalizações pela Itália fazem dele uma lenda.
46 - Maicon. Tem uma carreira invejável. Esteve seis épocas no Inter Milão e foi considerado o melhor defesa direito do Mundo.
45 - Andreas Hinkel.Teve uma carreira sólida, com passagens por Sevilha, onde ganhou a Taça UEFA, Celtic e Estugarda, onde foi formado. Reformou-se ainda antes dos 30 anos, em 2012
44 - Milan Baros. O avançado checo foi essencial na conquista da Liga dos Campeões pelo Liverpool, em 2005.
43 - Christian Maggio. Passou por Fiorentina e Sampdoria até chegar ao Nápoles, onde foi capitão de equipa.
42 - Kim Kallstrom. O sueco tinha muita qualidade, mas era pouco regular. Passou por Lyon, Rennes e Arsenal, mas nunca chegou a fora de série.
41 - Cristian Zaccardo. Esteve sólido no Parma e Palermo, teve uma passagem fraca pelo Wolfsburgo e esteve no Milan, onde pouco jogou
40 - Landon Donovan. Nunca foi extraordinário na Europa, mas chegou a herói nos Estados Unidos.
39 - El Hadji Diouf. O senegalês passou grande parte da carreira em Inglaterra, onde teve passagens sólidas por Liverpool, Bolton e Leeds. Terminou a carreira na Malásia.
38 - Julius Aghahowa. Passou completamente ao lado de uma boa carreira. Jogou pouco na Ucrânia, e a única boa estadia num clube foi no Kayserispor da Turquia, onde apenas ficou uma temporada.
37 - Joaquín. Parecia que ia ser dono do Mundo quando começou a jogar no Bétis, mas não chegou às expetativas. Conseguiu uma boa carreira, mas longe de ser inesquecível.
36 - Julio Baptista. Podia ter sido enorme, mas não foi capaz. 'La Bestia' passou por Sevilla, Real Madrid e Arsenal em quatro temporadas, mas depois 'perdeu-se'.
35 - Mikel Arteta. Não chegou a ser um dos melhores, mas conseguiu ser herói no Everton. Depois de oito épocas nos toffees, passou para o Arsenal, onde também foi sólido.
34 - Fernando Cavenaghi. Podia ter sido muito mais do que foi. Teve um começo excelente de carreira, com 55 golos em 90 jogos pelo River Plate e protagonizou duas excelentes épocas no Bordéus, mas depois de sair de França pouco jogou e não voltou a ser o mesmo até regressar à Argentina. Terminou no Chipre.
33- Steven Pienaar. Foi um dos melhores jogadores da história da África do Sul, com passagens por Everton e Ajax da Holanda.
32 - Xabi Alonso. Foi um dos melhores médios dos últimos largos anos e foi sempre gigante em todos os clubes por onde passou.
31 - Jermain Defoe. Um goleador nato desde sempre. Continua a marcar. Joga no Rangers, por empréstimo do Bournemouth
30 - Emanuele Calaiò. Demonstrou os seus instintos de goleador no Pescara, Nápoles, Siena e Parma. Nunca conseguiu outros voos e nunca foi internacional pelo seu país.
29 - Roberto Guana. Não passou de um bom médio para equipas do meio da tabela do campeonato italiano.
28 - Asier Del Horno. Teve um excelente início de carreira e chegou ao Chelsea... E ficou-se por aí.
27 - Michael Carrick. Foi dono e senhor do meio-campo do Manchester United, onde ainda os adeptos chamam por ele.
26 - Pepe Reina. Foi campeão da Europa e do Mundo e tem mais de 700 jogos.
25 - Gaetano D’Agostino. O topo da sua carreira foi atingido em quatro temporadas na Udinese, de 2006 a 2010.
24 - David Aganzo. Ganhou uma Liga dos Campeões no começo da carreira e a partir daí raramente passou por clubes da La Liga.
23 - Francis Jeffers. O seu ponto alto foi a época 2002/03 no Arsenal. Foi inconstante durante quase toda a sua carreira, nunca sendo titular de caras na Premier League.
22 - Philippe Mexès. Foi sempre cumpridor. Numa carreira sólida, passou por Auxerre, Roma e Milan.
21 - Kaká. Ganhou a Bola de Ouro em 2007 e tinha o mundo aos seus pés. A decisão de ir para o Real Madrid acabou por não ser a melhor e o brasileiro passou cada vez mais ao lado dos holofotes, até terminar a carreira nos EUA.
20 - Fabricio Coloccini. Cumpriu sempre em todos os clubes por onde passou, com destaque para o Newcastle, onde jogou durante quase oito temporadas.
19 - Massimo Donati. Passou quase toda a sua carreira em clubes menores de Itália, com exceção de uma temporada no Milan. O campeonato escocês, ganho ao serviço do Celtic, é o seu único título.
18 - Samuele Dalla Bona. Fez duas boas temporadas pelo Chelsea. Ainda passou pelo Milan e teve duas boas épocas no Lecce e Sampdoria. Depois disso, desapareceu.
17 - Owen Hargreaves. De mais passou para menos e de menos passou para nada. A quantidade de problemas nos joelhos também não ajudou a que o inglês atingisse o estrelato.
16 - Daniele Bonera. No começo da carreira prometia muito e chegou mesmo ao Milan, onde ganhou a Liga dos Campeões. No entanto, em Milão foi apenas jogando de vez em quando, acabando por ingressar no Villarreal.
15 - Alberto Gilardino. Foi um dos melhores avançados italianos do século 21, com mais de 200 golos marcados.
14 - Pinga. Quem?
13 - Andrés D’Alessandro. Tinha qualidade de sobra, faltou a regularidade. Ainda joga no Internacional.
12 - Djibril Cissé. Cumpridor. Teve um final de carreira que não espelhou toda a qualidade que mostrou no seu auge.
11 - Roque Santa Cruz. Acabou por ser curto para as grandes equipas, mas cumpriu sempre em clubes médios. Ainda joga no Club Olimpia
10 - Johnnier Montaño. Em quatro anos na Europa não fez pouco mais de 30 jogos. Passou grande parte da sua carreira no Peru e muito longe do topo.
9 - Vicente. Se não fossem as lesões, podia ser muito mais.
8 - Samuel Eto'o. Tornou-se num dos melhores avançados da última década no Barcelona. É pena ter ficado longe dos holofotes no final da carreira
7 - Adriano. Se tivesse cabeça, teria sido um dos melhores de sempre, mas acabou por passar ao lado de uma grande carreira.
6 - Joe Cole. A eterna promessa inglesa.
5 - Rafael Van der Vaart. Muita qualidade, mas nunca conseguiu singrar nos grandes.
4 - Zlatan Ibrahimovic. Lenda. Deus Zlatan desde sempre. Não falhou em nenhum clube por onde passou. Ainda brilha no Milan
3 - Iker Casillas - Lenda do Real Madrid, mudou-se para o FC Porto onde fez épocas em grande nível, mas um enfarte do miocárdio obrigou-o a parar. Já terminou a carreira, tendo recentemente regressado à estrutura merengue
2 - Antonio Cassano- Foi grande, mas nem de perto, nem de longe o que poderia ter sido. Quando a cabeça não tem juízo...
1 - Javier Saviola: 'El Conejo' podia ter sido tudo, mas as lesões e a falta de oportunidades depois da saída do Barcelona levou-o a ser 'só' um bom avançado. Ainda se revitalizou na Luz, mas não por muito tempo.
Eram as 50 maiores promessas em 2000. Vejamos o destino e a carreira destes jogadores que impressionaram na juventude, salientando que há dois atletas bem conhecidos dos portugueses no top três.

Pub

Publicidade

Mais Vistas

Últimas Notícias

Notícias

Fotogalerias

Fotogalerias

Sporting

Fotogalerias

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.