Alimentos ultraprocessados realmente levam ao ganho de peso

• Foto: Getty Images

Olá a todos, como correu este fim de semana?

Esta semana o artigo será um pouco diferente. Este fim de semana li um artigo que saiu dia 16 de Maio, numa conotada revista americana, e que quero partilhar convosco já que vai muito de encontro com muitas coisas que vos tenho dito, principalmente no que diz respeito ao consumo de alimentos ultraprocessados.

O que este estudo reforça é que encher o prato com alimentos ultraprocessados realmente parece levar as pessoas a comer mais e a aumentar o peso.

Como alimentos ultraprocessados, referem-se a produtos que tendem a passar por uma série de etapas de processos de fabrico no momento da sua produção e que contêm ingredientes resultantes da fabricação industrial de alimentos, como gorduras hidrogenadas (trans), xarope de milho rico em frutose, agentes aromatizantes e emulsificantes, isto de acordo com o estudo.

Este estudo, publicado na revista Cell Metabolism , envolveu 20 voluntários saudáveis que passaram cerca de um mês num laboratório no Centro Clínico do Instituto Nacional de Saúde (NIH) em Bethesda, Maryland, onde todas as refeições foram preparadas especificamente para eles. Os participantes foram aleatoriamente designados para uma dieta de alimentos ultraprocessados ou minimamente processados por duas semanas, depois disso passaram para a dieta oposta por mais duas semanas. É importante ressalvar que as refeições para ambos os grupos tinham aproximadamente a mesma quantidade de calorias, açúcares, fibras, gorduras e hidratos de carbono; os participantes podiam comer a quantidade que quisessem.

O que se descobriu foi que, quando as pessoas recebiam a dieta ultraprocessada, acabavam por comer cerca de 500 calorias a mais por dia do que quando estavam na fase da dieta com alimentos não processados. Além disso, os participantes ganharam cerca de 900g enquanto estavam na dieta ultraprocessada; eles perderam cerca de 900g enquanto estavam na fase da dieta não processada.

Mas isto não causou muita surpresa, já que estudos anteriores que envolveram grandes grupos de pessoas associaram dietas ricas em alimentos ultraprocessados a problemas de saúde e até mesmo a um risco maior de morte prematura. Contudo, este foi o primeiro estudo a demonstrar causalidade - que os alimentos ultraprocessados fazem com que as pessoas comam muito calorias e ganhem peso. Por isto, começar a limitar o consumo de alimentos ultraprocessados pode ser uma estratégia eficaz para prevenção e tratamento da obesidade, foi uma das conclusões desta pesquisa.

Este estudo também conseguiu perceber que as pessoas tendem a comer as suas refeições mais rapidamente quando estão na dieta ultraprocessada, quando comparado com a velocidade de ingestão de comida na dieta não processada.  Observou-se que os alimentos ultraprocessados tendem a ser mais macios e fáceis de engolir, o que pode ter levado a uma taxa de ingestão mais rápida e atrasos nos sentimentos de plenitude, o que poderia ter contribuído para aumentar a ingestão de alimentos.

Assim, é necessário perceber qual o aspeto específico presente nos alimentos ultraprocessados que afetou o comportamento alimentar das pessoas e os levou a ganhar peso.

Contudo, a redução da ingestão deste tipo de alimentos não vai ser fácil devido à conveniência e ao baixo custo.  Apenas dizer às pessoas para comerem mais saudáveis pode não ser eficaz para algumas pessoas sem um melhor acesso a alimentos saudáveis.

Por isso mesmo, a educação alimentar é um "bem" cada vez mais necessário. Ensinar as nossas crianças (e os pais) sobre como comer bem, saudável, e saboroso, alertando para os riscos de uma ingestão aumentada deste tipo de produtos é fundamental!

Por isso mesmo, esta semana vou dizer-vos algumas das principais diferenças entre comer alimentos não processados e ultraprocessados. Pode ser que comece a fazer sentido nas vossas cabeças, e mesmo que não seja uma mudança radical, fiquem mais esclarecidos e mais abertos à mudança!

Até para a semana!

Fonte: https://www.cell.com/cell-metabolism/fulltext/S1550-4131(19)30248-7#

Para mais informações ou esclarecimentos, contacte: inesfilipamorais@gmail.com

Por Inês Morais
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Nutrição

Notícias

Notícias Mais Vistas