Dia da mulher

• Foto: EPA

Olá a todos, como estão?

Como vocês já perceberam a vossa querida nutricionista tem um fraquinho por dias "especiais". Por isso mesmo, esta semana seria impossível deixar passar em branco o dia 8 de Março, dia Internacional da Mulher.

Como eu costumo dizer, dia da mulher é todos os dias (e do homem também, diga-se de passagem) mas esta semana, as mulheres, e também os homens das suas vidas, vão receber mais informações que permitam ajudar na promoção da saúde e qualidade de vida no feminino.

Obviamente, e isso não é novidade para ninguém, existem diferenças biológicas, fisiológicas, metabólicas e nutricionais entre homens e mulheres. E sendo a nutrição importante em ambos os casos, a verdade é que a nutrição pode contribuir para melhorar a qualidade de vida da mulher, garantir longevidade e prevenir inúmeras doenças e sintomas desconfortáveis ao longo das etapas de vida.

No caso da mulher, e apesar da nutrição ser muito importante ao longo da vida inteira, a verdade é que a determinada altura, principalmente no momento em que começam a pré-menopausa (com a redução da produção de estrogénio), a alimentação assume um papel muito importante devido às necessidades de cálcio. Por isso, a escolha de uma alimentação adequada, com uma alimentação rica neste micronutriente é muito importante para a manutenção da saúde óssea, já que com a redução de estrogénio aumenta muito o risco e incidência de osteopenia e osteoporose.

Para além da questão do cálcio, também deve ter-se atenção aos níveis de vitamina D, porque boa parte da população apresenta deficiência desta vitamina, que é responsável pela fixação de cálcio no osso. 

Pelo contrário, no caso das mulheres mais novas, que ainda têm o perfil hormonal normalizado, apresentam outro tipo de questões e preocupações, por exemplo, a necessidade nutricional de ferro que também é variável nas diferentes fases da vida.

A existência de anemia na mulher pode estar relacionada com diferentes causas que podem passar por uma deficiência no consumo por má qualidade alimentar, irregularidades no ciclo menstrual, gravidez ou alterações na absorção intestinal. O ferro é responsável pela formação da hemoglobina, transporte e armazenamento de oxigénio, e participa em reações enzimáticas e metabólicas essenciais ao organismo.

Outra das questões que mais aparece nas mulheres que me procuram em contexto clínico é a obstipação, mais conhecida como "prisão de ventre". Por isso mesmo, uma das medidas mais importantes para evitar este problema, é ter a flora intestinal saudável através da ingestão de alimentos ricos em fibras, probióticos, pré-bióticos e simbióticos, para além de garantir a hidratação adequada.

- Probióticos: São microrganismos vivos, que ingeridos em quantidades adequadas trazem vários benefícios à saúde (bifidobactérias, lactobacilos...) e que estimulam a multiplicação de bactérias benéficas, que reduzirão a proliferação de bactérias potencialmente prejudiciais, reforçando os mecanismos naturais de defesa do hospedeiro e estimulação do sistema imunitário;

- Prébioticos: são fibras, hidratos de carbono complexos não digeríveis pelas enzimas salivares e intestinais, que vão atuar no intestino grosso, estimulando a proliferação de bactérias desejáveis, estimulando o sistema imunitário e inibindo a proliferação de bactérias patogénicas (bactérias prejudiciais à saúde).

- Simbióticos: conjunto de probióticos e pré-bióticos, aumentando o feito benéfico de cada um deles.

Outra questão que a maioria das mulheres se queixa e, muitas vezes, não faz a menor ideia de que a alimentação pode ser uma excelente aliada, é na sintomatologia associada à TPM (tensão pré-menstrual). Alguns dos sintomas desta condição passam por: alteração de humor, ansiedade, compulsão alimentar e edema. Aqui, a nossa grande aliada será outra hormona, a serotonina, que é responsável pela sensação de bem-estar. Por isso, optar por alimentos que aumentem a produção de serotonina e que reduzam efeito do stress diário e danos as células nervosas vai ser o nosso objetivo.

Por fim, e para finalizar na mesma etapa de vida que começámos este artigo, outra questão que muito incomoda as mulheres mais velhas, é a sintomatologia associada ao período da menopausa….Neste período acontece uma redução nos níveis de estrogénio que desencadeia sintomas como afrontamento, secura cutânea, insónia, mudança de humor e depressão. Para além disso, também se começa a observar um aumento da gordura abdominal e facilidade no aumento de peso.

Ao longo desta semana, nas minha dicas diárias, vou especificar que alimentos podem ajudar em cada uma das situações que descrevi ao longo deste texto.

Até para a semana!

Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Nutrição

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.