Light, zero ou diet?

• Foto: Getty Images

Olá a todos, bem-vindos a mais uma semana!

Depois desta minha ausência em Julho para gozar as minhas férias, cá estou eu de regresso com mais temas que espero que satisfaçam a vossa curiosidade.

Estive atenta a muitos comportamentos durante as férias e cada vez mais me apercebo da mudança de padrão da população.

Se por um lado todos os estudos apontam para um aumento da obesidade na nossa população associada ao consumo excessivo de alimentos com quantidades elevadas de açúcar e gorduras, também cada vez mais se conseguem encontra mais pessoas à procura de opções alimentares mais saudáveis. O objetivo pode ser saúde ou, em muitos casos, emagrecer. Assim, é natural que muitas pessoas optem por dietas com alimentos nas versões diet, light e zero, já que estes costumam apresentar redução de gorduras e de outros ingredientes, como açúcar e sal.

No entanto, com o artigo de hoje quero alertar-vos que, para fazer a melhor escolha, é preciso estar atento às características de cada produto. 

A maioria dos alimentos diet e zero estão isentos de algum ingrediente, como açúcar, gordura ou sal, enquanto que os produtos light contam com uma redução de, no mínimo, 25% de um determinado ingrediente. Quanto ao que vos recomendo, é que deixem estas opções para o menor número de vezes possível, sendo que segredo é usar menos açúcar e menos adoçante e apostar em cozinhar em casa, para evitar os aditivos indesejados dos alimentos processados e ultraprocessados.

E porquê este meu conselho? Por na maioria das vezes a redução ou ausência de um componente implica o aumento da quantidade de outros, o que pode fazer com que seja pior a emenda que o soneto.

É importante começar a mudar a mentalidade, não pensando apenas em calorias, mas também no tipo de alimentos que se ingere, muitas vezes com excesso de aditivos. Isto aumenta o processo inflamatório no organismo e o metabolismo diminui, por isso é que muita gente que come em excesso este tipo de alimentos continua a engordar. Já repararam efetivamente no rótulo de alguns desses alimentos? Já reparam que o alimento às vezes não tem açúcar, mas até tem mais calorias do que o normal? Leiam o rótulo dos produtos para ver se não tem corantes e conservantes, porque é preciso ter qualidade no que se come, não é só a questão da calórica.

Não quero com isto dizer que estes tipos de alimentos não devem ser ingeridos! Devem é ser consumidos de acordo com a necessidade da pessoa. Por exemplo, os produtos light são indicados para indivíduos que seguem dietas com restrição calórica, e, por isso, costumam ser ideais em programas de emagrecimento. No light, normalmente, retira-se um pouco de algum componente, mas nem sempre se acrescenta outro. Tira-se a gordura, mas não se adicionam químicos. Por isso, muitas vezes é o mais indicado num um programa de emagrecimento.

Assim, como podem perceber, nem sempre "menos é mais"! Ao contrário do que muita gente acredita, produtos diet, light e zero nem sempre são saudáveis, sendo necessário avaliar se vale a pena trocar a versão "tradicional", com base nos ingredientes os alimentos.

Ao longo da semana, como tem vindo a ser habitual, vou esclarecer-vos o conceito de cada um destes alimentos e dar-vos alternativas a estes alimentos, porque, como sempre, o problema cai quando se consomem em exagero e não quando se tem um objetivo definido.

Até para a semana!

Por Inês Morais
Deixe o seu comentário

Últimas Notícias

Notícias
SUBSCREVA A NEWSLETTER RECORD GERAL
e receba as notícias em primeira mão

Ultimas de Nutrição

Notícias

Notícias Mais Vistas

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.