Linha de Fundo

André Veríssimo
André Veríssimo Diretor do Negócios

O preço de vender jogadores

A época de transferências acabou na sexta-feira passada e foi bem menos brilhante do que a anterior. Não houve Ederson ou Lindelöf, no Benfica. No Sporting houve saídas de peso, mas nem todas com encaixe, pelo menos por ora. Só o FC Porto não ficou muito longe do desempenho conseguido na janela do ano passado.

A fazer fé nos números do site Transfermarkt, o Porto foi quem teve mais receita, 65 milhões, seguido de Sporting e Benfica, que encaixaram cerca de 30 milhões cada. Nos Dragões, as saídas de Ricardo Pereira e Diogo Dalot valeram 22 milhões cada um. Na Luz, o maior negócio foi a transferência de João Carvalho por 15 milhões.

Em Alvalade, William rendeu 20 milhões, mas as contas seriam outras se Gelson Martins e Rui Patrício não tivessem rescindido a custo zero, na sequência do ataque a Alcochete e a opressão de Bruno de Carvalho. Na época passada, o clube tinha registado 93 milhões com a venda de atletas. Por aqui se vê o dano financeiro infligido pelos atos do anterior presidente.

Também houve compras. O FC Porto foi o mais gastador: 33,8 milhões, seguido pelo Benfica (26,1 milhões) e Sporting (22,4 milhões). Estes números significam também que, entre o deve e o haver, o clube da Invicta foi o que conseguiu, de longe, o melhor saldo na venda de jogadores: 31,2 milhões.

Não é tudo lucro. É que se comprar jogadores é caro, vendê-los e emprestá-los também. Há que pagar comissões milionárias aos agentes, a compensação por formação e o mecanismo de solidariedade.

O Benfica gastou, em média, o equivalente a 10% do encaixe das vendas em comissões e outros pagamentos relativos à transmissão de direitos de atletas nas últimas duas temporadas, num cheque global de 20 milhões. A percentagem sobe para 17% se tivermos também em conta as perdas e abates ao valor contabilístico dos passes dos jogadores vendidos.

Este último rácio é mais baixo no Sporting, 13%, e dispara no FC Porto: 42%, em média, nas últimas duas épocas, para um total de 60 milhões de euros. É um custo de 42 euros por cada 100 euros ganhos, o que é surpreendentemente alto...

Não é só tê-los a jogar, vendê-los também tem encargos pesados. Quem não os teve foi o Tottenham, que este ano se tornou no primeiro clube da Premier League a não comprar qualquer jogador na janela de transferências. Vendo bem, quer o Benfica, quer o FC Porto têm-se valido sobretudo da prata da casa e da que já lá estava na época anterior, mas a procissão ainda vai no adro.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.