O nosso website armazena cookies no seu equipamento que são utilizados para assegurar funcionalidades que lhe permitem uma melhor experiência de navegação e utilização. Ao prosseguir com a navegação está a consentir a sua utilização. Para saber mais sobre cookies ou para os desativar consulte a Politica de Cookies Cofina

Record

Assinatura Digital Premium Saiba mais

Saída de campo

António Magalhães
António Magalhães Diretor de Record

Decisões urgentes

O momento do Sporting obriga a ter cabeça fria mas também exige decisões. Compreende-se que o quadro crítico que o clube enfrenta deve condicionar o raciocínio lógico e ponderado. No entanto, o Sporting está a demorar muito tempo a agir e a tomar medidas que se impõem.

Mais de 24 horas depois da invasão a Alcochete e da divulgação de suspeitas de envolvimento da SAD em atos de corrupção, a direção do clube pediu a convocação de uma assembleia geral extraordinária para "auscultar os sócios e dar todas as explicações necessárias". Não era esta a posição que os sportinguistas esperavam, a avaliar pelos testemunhos contínuos que se ouviram nas televisões, nas rádios, nos cafés, nas ruas.

Os acontecimentos que nas últimas horas têm atingido o bom-nome, a reputação e a dignidade do Sporting sucedem-se a um ritmo alucinante e reclamam decisões responsáveis. Face ao que está à vista de toda a gente, uma delas é inevitável: a demissão de Bruno de Carvalho e da direção.

Outras medidas se impõem face à violência que grassa no futebol português. O primeiro-ministro António Costa falou na criação de uma autoridade nacional, proposta que o presidente da FPF levou precisamente à Assembleia da República em novembro passado. É tempo de agir.
1
Deixe o seu comentário
M M