Saída de campo

António Magalhães
António Magalhães

Foi para isto mesmo

No lançamento do jogo, Rui Vitória dedicou algum tempo a falar de Seferovic. Disse mesmo que foi para mostrar isto (leia-se entendimento com Jonas e golos) que o Benfica foi buscar o ponta-de-lança. Ora, como bom suíço que se preza, Seferovic não deixou os créditos por mãos alheias e ao cair do pano, pelo buraco da agulha, teve uma finalização sublime e deu os 3 pontos ao Benfica.

Foi sofrido mas merecido. Depois de uma 1ª parte intensa em que o Chaves conseguiu dar (muito) troco, o Benfica assumiu por inteiro a despesa do jogo e os transmontanos, à falta de fundo de maneio mais generoso, mas sem querer viver só de esmolas, tiveram de ser austeros e poupados. Não foi suficiente. A fortuna do suíço dá todo o crédito ao Benfica. A verdade é que os grandes sofreram muito esta jornada. Foram também iguais no resultado mas alcançaram o essencial. E ninguém pode contestar o mérito das suas vitórias.

O Sporting joga o acesso à Champions com o Steaua. Os leões são favoritos mas é importante que respeitem não apenas a história do maior clube da Roménia mas também a ambição que o adversário tem. A pressão de ganhar não é uma sensação invulgar. O cenário de um jogo fechado, também não. Não basta, por isso, ser mediano. Tem de ser um Sporting de Champions.
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade