Record

Visão de jogo

António Oliveira
António Oliveira

Balanço luso na Champions

Três equipas com destinos diferentes. É o resumo da participação portuguesa na fase de grupos da Liga dos Campeões: uma equipa apurada para os oitavos-de- final, outra segue como cabeça de série na próxima fase da Liga Europa e uma eliminação. As prestações de FC Porto, Sporting e Benfica na prova milionária merecem algumas considerações.

Apesar de ter entrado com o pé esquerdo (derrota em casa com o Besiktas), o FC Porto conseguiu recuperar terreno e atingir o primeiro objetivo da época, apurando-se para os oitavos-de-final da Champions. Num grupo muito equilibrado, em 12 jogos, apenas 4 partidas foram vencidas pela equipa anfitriã (2 dos portistas). Um feito importante em termos desportivos, que reforça a confiança e que, a nível financeiro, traz importantes receitas para o clube.

Sérgio Conceição tirou as lições do jogo inicial e apresentou uma equipa mais coesa nas partidas seguintes. Foi uma participação em crescendo, como atestam os 7 pontos conquistados na 2.ª volta. O FC Porto confirmou a veia goleadora exibida na liga e conseguiu mesmo o seu segundo melhor registo ofensivo de sempre na fase de grupos com 15 golos.

Os dragões aproveitaram a montra europeia para valorizar ativos. Jogadores como Aboubakar, Brahimi, Danilo, Herrera e Alex Telles, entre outros, estiveram em bom plano. Segue-se o sorteio dos oitavos-de-final, que ditará um forte oponente, mas os dragões têm a legitimidade de acreditar que podem chegar mais longe. Ponto a melhorar: o desempenho defensivo. A equipa sofreu 10 golos e só o Sevilha sofreu mais entre os apurados. Será vital ter a baliza bem fechada.

Já o Sporting, após um sorteio complicado, deu boa réplica aos favoritos (Barcelona e Juventus) e cumpriu os mínimos, garantindo a passagem à Liga Europa. Em termos exibicionais, fica a sensação que os leões estiveram perto de ser felizes. Um pouco mais de sorte nas partidas em casa com espanhóis e italianos e poderíamos estar hoje a falar de uma qualificação notável.

Face ao que conseguiram na Champions, os leões podem aspirar a chegar longe na Liga Europa. É sempre difícil prever, até porque há grandes equipas na competição, mas pode ser uma oportunidade de capitalizar pontos para o ranking português na UEFA. A ter em conta para o futuro: 6 dos 9 golos sofridos surgiram no último quarto de hora das partidas.

Relativamente ao Benfica, foi uma prestação para esquecer. Ou melhor, para aprender e não voltar a repetir. Foi o pior registo de uma equipa portuguesa na fase de grupos da Liga dos Campeões e igualmente de uma equipa que foi cabeça de série no sorteio. Num grupo, em que apenas o Manchester United era teoricamente superior, esperava-se muito mais das águias.

O planeamento do plantel não foi o melhor. As mudanças de jogadores e de sistema de jogo podem não ter ajudado. Mas a equipa tinha qualidade para fazer melhor. E pensar que as águias sofreram mais golos perante Basileia e CSKA Moscovo, do que com o Manchester United, é surpreendente. Como positivo, o lançamento de jovens como Rúben Dias, Diogo Gonçalves e Svilar, que ganharam experiência e conhecimento para participações futuras.

E uma palavra para os técnicos José Mourinho e Paulo Fonseca. O primeiro é um expert e voltou a conseguir levar uma equipa para os oitavos. E o segundo, num grupo que tinha Manchester City, Nápoles e Feyenoord, conquistou 12 pontos com o Shakthar Donetsk. E destaque-se o feito de Cristiano Ronaldo, o primeiro jogador a marcar nos 6 jogos da fase de grupos. Mais um registo notável do jogador, que já leva 9 golos na competição.


O Craque – Central de referência

Felipe é um dos melhores centrais da liga. E o facto de atualmente o FC Porto ter a melhor defesa do campeonato também se deve ao contributo do brasileiro. É um jogador forte e rápido, eficaz na marcação e aguerrido no ataque à bola, características comuns a centrais de referência. Felipe evoluiu bastante desde que joga em Portugal. É lamentável a campanha de intoxicação que tem circulado em que se dá uma imagem negativa do atleta. E muitos terão a tentação de aproveitar a expulsão do último jogo da Liga dos Campeões. Mas o jogador, como todos os outros, merece respeito.


A Jogada – Perto do topo

A atravessar uma excelente série de 7 vitórias e um empate (jogo em que até esteve a vencer em Alvalade) na liga portuguesa, o Braga aproximou-se do topo da classificação (5 pontos) e promete intrometer-se na luta pelo pódio. A equipa de Abel Ferreira tem crescido ao longo dos últimos meses e apresenta-se hoje a um nível competitivo alto, possuindo um plantel equilibrado com boas soluções. O apuramento para as eliminatórias da Liga Europa confirma também a qualidade de uma formação minhota que tem condições para surpreender nos próximos meses.


A Dúvida – Histórias do jogo

O FC Porto-Benfica foi uma partida interessante. As águias surpreenderam ao entrarem por cima do jogo, a pressionarem alto e a levar a bola para o meio campo adversário. Depois, por volta da meia hora, os dragões reagiram e assumiram o domínio, criando mais oportunidades de perigo. Foram dois momentos distintos e um golo nesses períodos poderia ter mudado a história do jogo, que seria igualmente outra se não tivesse acontecido uma falha do árbitro auxiliar a marcar um fora de jogo inexplicável. O que seria de um clássico sem polémica?


1
Deixe o seu comentário