Ludopédio

Bruno Prata
Bruno Prata

Fernandes, o melhor Bruno

Na montanha-russa de afetos e desprazeres em que Bruno de Carvalho está cada vez mais a transformar o Sporting, um outro Bruno é bem capaz de ter sido o melhor que o clube de Alvalade conseguiu retirar de mais uma época estrambólica e esbanjadora. Porque mesmo que à Taça CTT consiga acrescentar a conquista de uma Taça de Portugal em que se irá bater na final com o Aves (depois de ter ultrapassado o Famalicão, Vilaverdense, Cova da Piedade e FC Porto, mas este apenas na decisão nos penáltis), não é nenhuma blasfémia considerar que o nível exibicional que Bruno Fernandes atingiu esta época coloca o médio num patamar claramente distinto e superior ao desempenho coletivo da equipa do Sporting. Até por isso, Bruno Fernandes acabou provavelmente por ser o melhor jogador desta edição da liga portuguesa, opinião naturalmente contestável, ou não fosse o futebol demasiado labiríntico para que se possa ter sempre razão.

Haverá certamente quem prefira Marega ou Jonas. O primeiro porque, desde logo, é mais comum escolher-se um recém-campeão. Mas também porque marcou 22 golos e acabou por se tornar no arquétipo principal da forma de jogar ‘com pressa’ imposta por Sérgio Conceição. A verticalidade, explosão e contumácia do maliano fizeram tanto sentido neste FC Porto como juntar o molho à francesinha. De tal forma que, esta época, quase não se falou das suas imperfeições técnicas, que continuam lá. De Jonas, tanto ou mais que os 34 golos no campeonato, impressiona a forma como, aos 34 anos, continua a exalar talento, sendo provavelmente o melhor avançado estrangeiro que alguma vez vi vestir a camisola do Benfica. Mas, sendo tudo isto verdade, o jogador que mais me pasmou no decorrer desta temporada foi mesmo Bruno Fernandes. Um fascínio que, reconheço, teve muito a ver com a forma como a equipa do Sporting dançou sempre ao som deste jovem de apenas 23 anos. Bruno Fernandes ofereceu quase sempre estilo, ambição e bons jogos e mais do que justificou os quase 10 milhões de euros que significou a sua contratação. Quem já o seguia desde os tempos na Udinese ou na Sampdoria não terá ficado banzado, mais a mais porque muito do que mostrou esta época já lho tínhamos visto fazer também nos sub-21 e na Seleção olímpica. De tal forma que já não faz sentido discutir a sua presença no lote de 23 para o Mundial na Rússia: o único debate possível, nesta altura, é se deve ser já titular.

Acabou a época esfalfado, algo notório nos últimos dois ou três jogos, o que é compreensível ao fim de 59 partidas e quase cinco mil minutos em campo. Os números não são tudo, mas neste caso servem para confirmar a maestria: 16 golos (11 dos quais na liga portuguesa) e 17 assistências (8 na liga), sendo o melhor comparsa de Bas Dost, que lhe pode agradecer inúmeros lançamentos teleguiados. Não me recordo de um médio com tanto peso no Sporting, até porque Balakov só jogava meio jogo – o ofensivo. Bruno Fernandes tem ainda a vantagem de ser uma espécie de canivete suíço. Tanto pode fazer parelha com William, como jogar no apoio a Bas Dost ou sobre as alas (as trocas posicionais com Gelson renderam juros durante muito tempo). O polivalente é, normalmente, aquele jogador que se exibe de forma sofrível, ou nem isso, em todas as posições, mas Bruno Fernandes é mesmo uma ave rara, porque salta da horta para o pomar e continua a florir e a medrar. Tem um catálogo de passes incrível, um pontapé depredador e uma confiança quase insolente em si mesmo. Não é raro vê-lo a dar indicações a companheiros mais velhos, ajudando-os a definir zonas e timings de pressão, algo que deve ter muito a ver com o curso acelerado que tirou na Serie A. Há uns meses, Jorge Jesus gabava-se de perceber rapidamente quais são os seus jogadores que vão dar bons treinadores, acrescentando que, nesta equipa, há um que tem tudo para a função. Não o identificou, mas basta observarmos a forma amadurecida como Bruno Fernandes gere a arquitetura do meio-campo leonino e como combina arte e ofício para termos praticamente a certeza que era a ele que o treinador se referia. Ora, o que fazemos sem obrigação é o que melhor define o que somos.


A BdC já só falta dançar a rumba vestido de havaiana

Bruno de Carvalho tem uma irreprimível tendência para o disparate e faria tudo para se manter como uma espécie de arlequim do Sporting, até dançar rumba vestido de havaiana, se fosse preciso. Depois de ter apoquentado Leonardo Jardim e do processo com 400 páginas com que procurou despedir Marco Silva (acusado, entre outras coisas ridículas, de ter usado o fato de treino), terá decidido agora que a melhor forma de despachar Jorge Jesus era chamá-lo a Alvalade para lhe puxar as orelhas (o futuro dirá se houve vontade de o suspender e de lhe instaurar um processo disciplinar), estapafúrdia tentativa de o pressionar e, talvez, de não lhe pagar, no futuro, a indemnização (e mais 500 mil à conta prémio da taça). Fê-lo após uma traumatizante derrota que BdC viu no sofá e a poucos dias de o Sporting jogar a final que lhe pode dar o segundo troféu mais importante do calendário nacional, o que só vem provar que, para o presidente, mais importante do que as conquistas do clube é a sua própria agenda. Nada de surpreendente em quem é, há muito, o principal foco de desestabilização do Sporting. Ao ‘Expresso’, após voltar a atacar violentamente os jogadores e o treinador, BdC tinha anunciado que os presidentes-adeptos serão a grande solução para o futuro. E, para que não restassem dúvidas, mostrou hoje o quanto pode ser deprimente esta liderança plebeia e "progressista". Os adeptos do Sporting que não se deixam alienar precisam de uma paciência de Gandhi.


Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.

0