Ludopédio

Bruno Prata
Bruno Prata

Mensagem a quem ainda ampara BdC

Confirma-se que é muito mais fácil convencer Tony Carreira de que o plágio é uma contrafação ilegítima do que persuadir Bruno de Carvalho (BdC) a largar o cadeirão de Alvalade – algemar-se-á a ele, se for preciso. Desde logo porque BdC nunca irá perceber que o poder já degenerou em tirania quando deixa de respeitar as regras mais elementares da democracia e dirige a sua mira apenas para o bem pessoal de quem o exerce. Já se sabe que, tal como na política, no futebol é sempre difícil distinguir os homens capazes dos homens capazes de tudo. Mas, mesmo assim, é cada vez mais misterioso que uma parte importante dos sorumbáticos apoiantes que teimam em manter-se do lado de BdC não tenham ainda fisgado que até a bateria do meu telemóvel dura mais tempo do que que os verbosos comprometimentos do presidente do Sporting. E ainda mais indecifrável é que esses resistentes não vejam que estão a dar suporte a algo tão peçonhento e autodestrutivo. Como é possível que não percebem sequer que BdC está tão obcecado e precisa tanto de se manter na presidência que, se for preciso, não hesitará em levar com ele o Sporting para o fundo do poço? Para BdC, o Sporting é um mundo em que os príncipes e as princesas podem, a qualquer momento, ser transformados em sapos ou abóboras, ou vice-versa. E, para ele, o trabalho de equipa é apenas a garantia de que, se algo der para o torto, tem sempre alguém a quem atribuir as culpas.

Recorrendo apenas à memória, recordo-me de um presidente do Sporting que conseguiu, em cerca de quatro meses, arrasar animicamente uma equipa competitiva e ambiciosa. E que conseguiu minar e zangar-se com o treinador, cenário que repete pela terceira vez desde que foi eleito. E que dizer das suas mensagens desvairadas no Facebook e das entrevistas alucinadas, que pareceram ser escritas e dadas cirurgicamente nos momentos mais inoportunos (designadamente na véspera de jogos importantes)? Alguém tem dúvidas de que desestabilizaram o balneário e concorreram para acirrar ainda mais os ânimos junto de alguns membros da claque e de outros adeptos mais suscetíveis, como se viu no episódio em que Patrício teve de fugir da baliza para não ser atingido pelas tochas? BdC conseguiu ainda ser desmentido pela Procuradoria Geral da República e por uma associação de polícias (quando procurava convencer-nos de que já havia relatórios daquelas duas entidades a inocentá-lo da autoria moral da vergonhosa e não menos criminosa invasão a Alcochete). Viu ainda o Sporting envolvido na "Cashball", investigação policial relativa à possível viciação de resultados no andebol e no futebol (e não apenas uma notícia do Correio da Manhã, como BdC nos tenta vender). Em resultado disso, aquele que era visto como braço direito do presidente foi constituído arguido, continuando por explicar os milhares de euros encontrados no seu armário que indiciam a possibilidade da existência de um "saco azul" para atividades, digamos, "extracurriculares". Num estalar de dedos, evaporou-se a superioridade moral que, nesta área, o Sporting sempre pôde ostentar. Seguiram-se as demissões de dirigentes em catadupa nos diversos órgãos, só restando hoje aquele círculo restrito do conselho diretivo, que tem o condão de ser bem remunerado e ficará para a história como corresponsável pelo maior ataque alguma vez feito à honra do Sporting. Porque não pode haver outra leitura para uma direção e uma administração que parecem ter rasgado os estatutos do clube e não respeitam o presidente da AG nem os mais de quatro mil sócios que exigem votar a destituição da direção – sendo que, na SAD, o maior acionista individual pede a destituição de uma administração acusada de violação dos seus deveres, de desviar dinheiro para o clube e de desvalorização dos ativos. Finalmente (e após mais um episódio em que ficou evidente por que razão para um artificioso vale sempre mais uma carta na manga do que um baralho inteiro sobre a mesa), dois futebolistas rescindiram os seus contratos, um deles Rui Patrício, que levava 17 anos em Alvalade e já fez mais pelo Sporting do que o presidente e todos os seus capatazes alguma vez farão. E há a possibilidade de outros tomarem a mesma atitude, o que pode ameaçar de insolvência uma SAD que ainda não conseguiu garantir o empréstimo obrigacionista de que parece depender até a gestão corrente – o que desmente boa parte dos elogios a uma gestão financeira que já antecipou muitos milhões de receitas televisivas futuras.

Quem continua a fechar os olhos a tudo isto não está apenas a dar suporte a um BdC que parece nutrir-se da bagunça e anarquia que ele próprio foi criando. Está a sustentar um presidente que se confunde com um kamikaze e a alinhar numa trágico-comédia demasiado perigosa.


O aliado duplamente útil

Mais do que deixarem-se intoxicar nas infindáveis sessões de esclarecimento de Bruno de Carvalho (que mais não são do que comícios propagandísticos à boa moda sul-americana e cuja logística é, quase de certeza, paga pelo próprio clube, no que parece ser um despautério enorme), os adeptos do Sporting deviam forçar-se por perceber, por exemplo, por que razão o FC Porto raramente critica o Sporting e o seu presidente Bruno de Carvalho. E esta perceção é ainda mais nítida quando se observa boa parte dos comentadores televisivos ligados aos portistas, que se destacam pela forma, mais ou menos evidente, como fazem a defesa do presidente leonino, como se lhes desse muito jeito a sua manutenção no poder. A explicação é muito simples: para o FC Porto, o Sporting é visto como um aliado duplamente útil. É o correligionário que ajuda nos ataques ao Benfica (que, de facto, não consegue justificar suficientemente as injuridicidades de que é acusado…), designadamente quando o FC Porto quer atirar a pedra e esconder a mão. E é também o prosélito que dificilmente incomodará desportivamente. Ou melhor, mesmo que pareça em condições de o fazer em determinados momentos e circunstâncias, há sempre a garantia de que Bruno de Carvalho pode mudar de discurso, mas nunca mudará de caráter e não resistirá a dar um tiro no próprio pé nos momentos mais determinantes. Ou seja, é uma aliança em que o FC Porto parece sair sempre a ganhar…

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.