Record

O canto do Morais

9 de setembro

Gostaria, passadas as eleições:

– Que todos aclamassem e reconhecessem o candidato vencedor, como presidente de todos os sportinguistas, independentemente da votação final que vier a ter.

– Que não houvesse mau perder, ranger de dentes, recriminações, rancores e azia dos candidatos derrotados.

– Que houvesse modéstia e contenção na vitória.

-- Que o que se disse na campanha eleitoral morresse no dia das eleições.

– Que deixasse de haver ex-candidatos , reservas da república e agendas pós-eleitorais.

– Que, independentemente de haver vencedores e vencidos, haja sobretudo sportinguistas e sportinguismo.

– Que todos aceitassem o resultado das eleições, sem ameaças de impugnação ou suspeições sobre contagem de votos.

– Que quem ganhar saiba ter um discurso de unidade e coesão de todos.

– Que quem perder possa ter idêntico discurso.

– Que quem ganhar saiba dialogar com quem perdeu.

– Que vencedores e vencidos percebam que, dividido, o Sporting não vai a lado nenhum.
– Que quem ganhar saiba aproveitar as boas ideias de quem perder e tenha a humildade de o reconhecer.

– Que quem ganhar saiba cultivar a democracia interna.

– Que quem ganhar reconheça que o Sporting é um projeto comum, onde têm de caber todos, vencedores e vencidos.

– Que quem perder deixe trabalhar quem ganhou, porque foi assim que os sócios quiseram.

– Que os corpos sociais eleitos tenham condições para concluir o seu mandato, porque é assim que devem funcionar as instituições.

– Que seja por todos reconhecido o mérito e abnegação do trabalho da Mesa da Assembleia Geral, que conseguiu preservar a democracia e legalidade do clube, em especial a Jaime Marta Soares.

– Que seja dado conveniente agradecimento pelo trabalho da Comissão de Gestão e do Conselho de Administração da SAD, em especial a José Sousa Cintra.

– Que o Sporting faça vida nova, regresse aos seus valores e ética comportamental.
Deixe o seu comentário
M