A opinião de João Benedito: De Almaty a… Cardif

Sporting x Braga – meia-final do playoff do campeonato da época passada – "minuto 38.52 - Goooooollllllooooo! Diego Cavinato garante pelo menos o prolongamento, com um remate fortíssimo de pé esquerdo" – Para mim o momento que marca uma caminhada. Se esta bola não tem entrado não havia Cazaquistão para ninguém! Mas, felizmente, assim relatou o Record, no seu site. O Leão tem 14 vidas, capacitem-se disso!

Daí para a frente vieram as alegrias: a final do campeonato vencida de forma categórica, a primeira fase da UEFA Cup onde se venceu o representante italiano, a fase de Elite com o pavilhão de Odivelas a necessitar de mais bancadas para ver o fortíssimo campeão russo ser eliminado, a meia-final onde o campeão europeu em título foi ultrapassado e estava garantido o bilhete para a final.
Fruto de um nome infeliz, poderá parecer que estamos perante uma competição europeia semelhante à UEFA Cup de futebol. Mas não! Neste caso, o que realmente se jogou em Almaty foi a final da Champions League, ou seja, a taça dos clubes campeões europeus de futsal. E, nesta competição, por imperativos da entidade organizadora, apenas têm acesso os vencedores dos seus campeonatos e o detentor do troféu.

Naquele dia 30 de abril o Sporting jogou mais uma final. Os olhos da Europa estavam postos no clube. A presença no grande palco, à semelhança do que se passará em Cardiff, faz advir notoriedade e preenche-nos, sportinguistas e portugueses, de orgulho. O jogo começou e, como que a dizer não temos medo, pressionou-se o adversário. Olhos nos olhos, para cima deles. A identidade não foi alterada. Do outro lado estava uma grande equipa com grandes jogadores, habituada a disputar jogos desta importância a cada fim de semana, fruto de um campeonato muito competitivo. Mas nós também temos. E dentro de campo ninguém tem quatro pernas!

Sofremos primeiro e não conseguimos reagir. É o pior que pode acontecer. Após o golo seguiram-se alguns desnortes provocadores de excelentes chances para o adversário. Bem sei que prognosticar depois é fácil, mas nesta altura do jogo seria pertinente baixar um pouco a marcação para reajustar. Vieram o segundo, terceiro e quarto golos. Faltava muito tempo para jogar. Colocar o guarda-redes subido era necessário, pois seria a forma mais rápida de voltar a discutir o resultado. Também nessa fase do jogo o Inter foi melhor. E até a estatística nos falhou, pena que tenha sido quando precisávamos dela: há mais de 4 anos que se marcaram golos em todos os jogos.

O resultado é pesado. Sem dúvida que sim. Mas estamos no campo do desporto, aquele que é de difícil análise. Onde o abraço e a repreensão vivem de braços dados e o momento nunca parece o certo para um ou para outro. Eu fiquei muito orgulhoso. Reconheço o trabalho e a dedicação de todos os que contribuíram para uma equipa bem construída e com condições, bem orientada, bem preparada, com espírito de equipa entre os jogadores, muita dedicação e devoção ao símbolo, jogadores fantásticos que nos trouxeram uma medalha de prata de um campeonato da Europa de clubes. Por ser modalidade coletiva este lugar no pódio já não é bom? Não creio! Se aquela bola do jogo da meia-final do campeonato português da época transata não tivesse entrado o dia da final tinha sido mais tranquilo, mas passado em casa. Pior do que falhar é não tentar. Não é difícil de concordar. Preferia ir ver o Sporting em Cardiff do que, como acontece desde que nasci, ver os outros pela TV!

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.