Ângulo inverso

Nuno Santos
Nuno Santos

Alto risco para o Benfica

Como se já não bastasse toda a polémica com os mails, os vouchers e a suspeita na viciação de resultados, o céu parece estar a cair agora em cima do Benfica com as revelações que envolvem Luís Filipe Vieira e o juíz Rui Rangel. Usar a instituiçao numa troca de favores é um tema grave e, estranho mundo, não havendo nada que prove que é verdade o clima de suspeição instalou se.

Como já escrevi nestas páginas em diferentes ocasiões a presunção de inocência não é apenas um direito dos 'suspeitos' e/ou arguidos. Da parte de cada um de nós tê-la em conta é um dever e tal implica não fazer ou participar em julgamentos sumários. Sei do que falo, e talvez até por isso, nunca o fiz e jamais o farei.

A minha reflexão segue noutro plano. O ruído que existe neste momento ainda não é ensurdecedor mas é já muito significativo. E vai aumentar muito nos próximos días. Não é possível, no caso de uma figura como Luís Filipe Vieira, fazer a distinção entre as suas atividades privadas e o seu papel como presidente do Benfica. Que aliás não aparecem desligados, no que foi revelado.
É a mesma pessoa, é assim que é vista e percecionada por todos.

Numa sociedade hiper mediatizada, em que a Justiça faz – em excesso, como se voltou a ver, parte dessa engrenagem os media não vao deixar cair este tema. Nem podem. Porque é efetivamente relevante. Está em causa um eventual ato ou atos de corrupção de um juíz, envolve, numa das componentes, de forma direta ou indireta o Benfica e é esse dado que lhe confere grande impacto e, como é óbvio enorme atração junto dos cidadãos. Mas, sejamos claros, existe real interesse público, não é nenhum exercicio de voyeurismo.
O Jornalismo será excessivo, não tenho dúvidas, mas fará o seu trabalho e a culpa não é do mensageiro.

É até interesante estabelecermos um paralelo com o que sucedeu, mesmo que em casos muitos diversos, durante anos com Jorge Nuno Pinto da Costa. O presidente do FC Porto esteve envolvido em inúmeras controvérsias com a Justiça, algumas até do foro privado, mas noutro tempo, sem o impacto e a pressão que existem hoje. Não é um detalhe.

Luís Filipe Vieira e a suas equipas jurídica e de comunicação tentarão neste primeiro momento minimizar os danos. Esperam que nos próximos días haja uma descompressão e o volume informativo caia. A menos que exista um grande (e inesperado) acontecimento não é suposto que isso suceda no horizonte de uma a duas semanas. Serão muitos dias. Novas revelações, mesmo que nalguns casos seja baralhar e dar de novo.

Pelo meio é fundamental que a equipa de futebol ganhe e se mantenha na corrida para o título. Rui Vitória dirá que é outro ataque "ao coração do Benfica"?

Mas, mesmo que o ambiente desanuvie, mesmo que haja como defende o advogado João Correia "uma perseguição ao Benfica", o presidente do clube tem que ter em conta os superiores intereses da instituição. A pregunta que Luís Filipe Vieira deve fazer é: se para o Benfica, não para ele, mas – repito - para o Benfica é melhor continuar ou apresentar a demissão.



A LIÇAO DE CARVALHAL
Há uma extraordinária declaração de Carlos Carvalhal no final da (talvez) inesperada vitória do Swansea sobre o Arsenal. Ouvido para a BBC Sport na flash interview, o treinador português explica a sua estratégia e quando é confrontado pelo repórter sobre o facto de o clube ter mudado tanto desde a sua chegada – só perdeu um jogo em oito – e sobre se essa mudança é uma questão de crença, responde que há um Padre no Swansea e que se "acreditar fosse suficiente" a questão seria mais simples. O Padre resolvia.

A seguir enumera o trabalho da equipa, não o seu, mas o de todos. Também não se esconde – está no centro das decisões e tem a responsabilidade. Carlos Carvalhal é um muito bom treinador, minimizado em Portugal, com resultados e cartaz em várias geografías e que em Inglaterra está a deixar a sua marca. Por muito pouco falhou a subida com o Sheffield Wednesday e está agora a mudar a face do Swansea que era um doente em coma na exigente Premier League. A equipa continua em sérios riscos e não tem muitas armas, mas joga muito melhor, tem um líder e uma estratégia. É o principio das coisas.


RÚBEN SEMEDO - Custa saber o que se passa com Rúben Semedo, um talento do futebol português com potencial para ser um futuro defesa central da Seleção Nacional e que, por falta de cabeça ou de acompanhamento, ou das duas coisas, se envolveu em rixas sérias em Espanha. A venda de Rúben Semedo foi um bom negócio para o Sporting e, apesar do percurso na formação, o clube não tem nenhuma obrigação com jogadores – para mais maiores e vacinados. Mas se ele tinha problemas, e parece que alguns tinha, um pouco de senso, do Sporting ou de pessoas da estrutura, teria ajudado.


MATHIEU - Aos 34 anos e com muitas vidas, Jérémy Mathieu encontrou em Lisboa a felicidade perdida. O seu rosto, de sorriso aberto, após a conquista da Taça da Liga falava por ele. Quando Jorge Jesus diz que é difícil marcar golos ao Sporting isso resulta de um trabalho coletivo, mas no eixo desse esquadrão tantas vezes inviolável, está este francês alto (como o treinador gosta) com grande sentido posiconal e capaz ainda de sair a jogar iniciando a construção do processo ofensivo da equipa. Um ás.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2020. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.