A coluna da Cristina

Cristina Ferreira
Cristina Ferreira Apresentadora

Driblar a morte

Há pequenos grandes de mais para desaparecerem cedo. Kiko Rosa tinha 8 anos. Jogava râguebi no Belenenses quando lhe apareceu a doença. Um neuroblastoma resolveu dificultar a vida do pequeno jogador e pô-lo à prova quando apenas devia brincar. E Kiko surpreendeu tudo e todos ao não desistir. A paixão pelo râguebi e pelo desporto era tão grande que chegou a jogar de cateteres ao peito. Não interessava a dor ou o sofrimento. Ali era feliz. Com esta força surpreendeu árbitros, colegas e pais que passaram jogos a chorar ao ver tamanha grandeza.

O Kiko não venceu. Morreu cedo, 8 anos é muito cedo. Mas estava destinado a ficar na memória. Ontem realizou-se a sexta edição do torneio Kiko Rosa. No Restelo, a sua casa. Ali se juntaram famílias inteiras, jogadores, num espírito de partilha e amor ao râguebi que o Kiko deixou de herança. O pai diz sempre que este é um dia de emoções díspares. Vive-se a alegria mas chora-se a saudade. Mas assim, com este torneio, perpetua uma das mensagens do filho: não há cura para o râguebi.
Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação deportiva.
  • conteudo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão e-paper do jornal no dia anterior
  • conteudos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais