Desalinhado

Joaquim Evangelista
Joaquim Evangelista Presidente da direção do SJPF

Como parar este 'Jogo Duplo'?

A recuperar do abalo causado pela operação ‘Matrioskas’, o futebol português é confrontado com nova investida da criminalidade organizada. Desta vez, a investigação da Polícia Judiciária procura identificar os responsáveis pela adulteração de resultados desportivos em jogos da 2.ª Liga. O ‘match fixing’ é um flagelo à escala global. O futebol português não está imune e comporta fatores de risco que devem ser cuidadosamente analisados.

Do lado dos jogadores, o incumprimento salarial e a falta de meios de subsistência aumenta a recetividade para a abordagem dos ‘intermediários’ destas organizações criminosas. Do lado dos clubes, as dificuldades financeiras e a dependência do investimento externo para a ‘sobrevivência diária’ propiciam a infiltração dos criminosos e o recurso à fraude desportiva.

O ‘mercado negro’ de jogo e apostas tem ditado as regras e controlado os esquemas fraudulentos, não havendo um modelo de controlo e fiscalização capaz de travar a investida. Definir e uniformizar regras de licenciamento dos clubes para a competir e fiscalizar a sua atividade ao longo da época é dever dos agentes que regulam a atividade desportiva.

Sem clarificação e uniformização das regras, ‘ab initio’, o futebol português continuará a saque. Tendo no horizonte a próxima época desportiva, devem ser encorajadas as boas práticas desportivas, assim como deve ser implementado um modelo de boa governação que, aliado a regulamentação desportiva intransigente e a um sistema investigatório coordenado, permita acabar com o sentimento de impunidade existente.

A FIFA, a Interpol e a FIFPro têm colaborado com as instituições desportivas nacionais (o SJPF esteve presente numa ação de formação, que decorreu em Lisboa e envolveu 16 países, entre os dias 22 a 24 de Abril) para operacionalizar o ‘modelo dos três R’: Reconhecer; Resistir e Reportar o ‘match fixing’. Esta política de ‘tolerância zero’ visa sinalizar práticas ilícitas e munir os agentes desportivos de ferramentas para resistir e punir exemplarmente os infratores, após denúncia. Cabe aos Estados e a cada uma das organizações com responsabilidade dar um passo em frente. O SJPF dará a sua resposta, apostando na educação dos atletas, através do projecto ‘Anti Match Fixing - Deixa-te de Joguinhos’.

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.