Clube dos pensadores

Joaquim Jorge
Joaquim Jorge Fundador do Clube dos Pensadores

Massoud

Massoud Shojaei é um nome que poucos conhecem no mundo do futebol. Trata-se de um jogador iraniano, vítima da tirania do governo do Irão por leis e regras desajustadas no século XXI.

Sempre jogou na selecção iraniana, sendo o seu capitão até há pouco tempo, ajudando a classificar o seu país para o Mundial. Todavia, tem uma história curiosa que o impede de continuar a jogar pelo Irão e estar presente no Mundial da Rússia sob as ordens de Carlos Queiroz.

O Panionios de Atenas, clube que Massoud representava, obrigou-o a jogar contra o Maccabi Telavive na Liga Europa, apesar do governo do Irão adverti-lo para não o fazer, pois estaria a reconhecer o Estado de Israel e ser contra os princípios da revolução islâmica iraniana.

Massoud viveu um dilema terrível: respeitar as normas da sua selecção ou também ter de respeitar o clube que lhe paga o salário como profissional.

Massoud ainda conseguiu fazer valer os seus argumentos para não jogar em Telavive, contudo em Atenas teve mesmo que jogar. A direcção e o treinador grego não compreenderam tal atitude de recusa, alegando que estava na Grécia, não no Irão, e que estavam em jogo 5 milhões de euros se passassem esta fase da Liga Europa.

Não jogar seria entendido como incumprimento do contrato. A direcção do Panionios ameaçou denunciar esta situação à UEFA, pois se um atleta se negar a jogar por razões politicas pode ser suspenso no mínimo um ano.

Massoud não teve outra solução do que jogar, respeitando a sua entidade patronal, mas desobedecendo à sua entidade selecção e Governo do seu país.

Havia um passado histórico: nenhum desportista iraniano, em 38 anos, tinha competido contra desportistas ou instituições israelitas. A Internet serviu para os acólitos da revolução iraniana difamarem Massoud.

Carlos Queiroz, preocupado com esta situação, tendo em conta que é um jogador valioso para a selecção, aconselhou Massoud a pedir desculpa pelo sucedido. Um colega seu iraniano, Hajisafi, que estava na mesma situação, manifestou profundo arrependimento e desculpas. Foi reintegrado na selecção.

Massoud entendeu esse pedido de desculpas como uma humilhação que era injustificada e negou-se a fazê-lo. Deste modo, em princípio não irá ao Mundial.

O futebol é um desporto que permite interagir e comunicar com todo o tipo de raças sem olhar a credo, política ou outrem.

É muito triste uma situação destas. Massoud é um jogador de futebol com um contrato profissional, que jogava há 12 anos no estrangeiro e há 13 anos pela selecção iraniana. Actualmente joga no AEK de Atenas.

É descabido e absurdo ser impedido de jogar na sua selecção. O governo, esperto como é, não diz que o veta e atira a batata quente para Carlos Queiroz, pois sabe que a FIFA pode desclassificar o Irão e impedir que esteja presente no Mundial da Rússia no próximo Verão.

A FIFA proíbe expressamente nos seus estatutos ingerências dos governos nas suas competições.

Mas toda a gente percebe que quem não quer que Massoud volte à selecção é o governo de Hassan Rouhani, que chega ao cúmulo de impedir que as mulheres possam assistir a um jogo de futebol.

O Irão que se cuide pois está a braços com manifestações anti-governo que duram há uma semana e nas quais morreram 21 pessoas. E não se tem a noção da real dimensão devido à restrição de acesso de meios de comunicação social independentes e ao bloqueio das redes sociais verificado nos últimos dias. Esta semana foi proibido ensinar inglês na escola primária.

O futebol é algo que deve ser utilizado para unir e não para separar. Cada dia que passa o futebol politiza-se e dá uma noção da sociedade em que vivemos.

Não tem pés nem cabeça proibir de jogar alguém que é obrigado a respeitar o clube que lhe paga o seu salário. Nesse caso, o Irão que não deixe os seus jogadores jogar no estrangeiro e lhes pague o merecido.

Este procedimento está completamente contra o desejo da população iraniana que aspira abertura e viver a sua vida em tolerância e em paz não abdicando das suas crenças e ideias.

O autor escreve ao abrigo do antigo AO

Deixe o seu comentário

Assinatura Digital Record Premium

Para si, toda a
informação exclusiva
sempre acessível

A primeira página do Record e o acesso ao ePaper do jornal.

Aceder

Pub

Publicidade
apenas 1€ por mês
experimente sem compromisso e garanta o seu lugar na bancada da melhor informação desportiva.
  • conteúdo record em qualquer sítio e a toda a hora
  • acesso no pc, tablet e smartphone
  • versão epaper do jornal no dia anterior
  • conteúdos exclusivos para assinantes
  • suplementos especiais

Copyright © 2019. Todos os direitos reservados. É expressamente proibida a reprodução na totalidade ou em parte, em qualquer tipo de suporte, sem prévia permissão por escrito da Cofina Media S.A. Consulte a Política de Privacidade Cofina.